10 fotos da Sibéria como ela é

Aldeia de Chereguech, região de Kêmerovo, em 2019

Aldeia de Chereguech, região de Kêmerovo, em 2019

Alexander Kryazhev/Sputnik
A Sibéria é muito mais que apenas toneladas de neve. Se você não acredita, veja com seus próprios olhos!

1. Ladeira do biquíni nevado

Festival Grelka 2019 na estação de esqui de Chereguech.

Neve, sol e... garotas de biquíni (!!!) são as primeiras coisas que vêm à mente de um siberiano que ouve a palavra “Chereguech”. Chereguech é uma antiga vila de mineração que, desde 2011, foi convertida em uma estações de esqui top de linha.

Tudo começou com um vídeo filmado por moradores locais mostrando garotas de biquíni esquiando em uma ladeira em Kuzbass sob o som da música “Loca”, da Shakira. O vídeo foi exibido em todos os canais de TV russos, o tabloide britânico “Daily Mail” dedicou uma página dupla às imagens e os blogueiros americanos ficaram histéricos: “Pentágono desgraçado! Por que você mentiu para nós todos esses anos e nos fazendo acreditar que vencemos a Guerra Fria?”

Hoje, milhares de pessoas rumam ao resort de esqui local todos os anos para descer suas pistas em grandes grupos – todo mundo de maiô!

2. Mosquitos-pólvora

Se você digitar "mosquitos-pólvora siberianos" no Google, encontrará centenas de vídeos que não são para os fracos. No verão, não há nada pior na Sibéria do que enxames de ceratopogonidae (mosquitos mordedores) refestelando-se com sangue humano.

A região tem mais de 40 variedades de mosquitos-pólvora e tem gente que acaba no hospital depois de ser atacada por eles. Os habitantes locais chamam o fenômeno de “apocalipse dos mosquitos-pólvora”.

  1. Aurora Boreal
Aurora Boreal em dezembro de 2018 em Norilsk.

O Círculo Polar Ártico passa por grande parte do país, incluindo a Sibéria. Portanto, cidades como Norilsk (2.878 quilômetros a norte de Moscou) ou a Península de Taimir (3.242 km a norte de Moscou) não veem o sol por dezenas de dias (literalmente!). Mas há uma vantagem incrível: os habitantes desses lugares podem observar o maravilhoso fenômeno da Aurora Boreal.

4. Usina hidrelétrica Saiano-Chuchenskaia, Khakassia

A construção da usina mais poderosa da Rússia começou em 1963 e sua conclusão era planejada para ocorrer em nove anos. Mas a construção atrasou décadas e a usina foi oficialmente concluída no ano 2000. Em agosto de 2009, ela sofreu um dos piores desastres industriais da história recente, que resultou em dezenas de corpos mutilados, edifícios da usina esmagados e um enorme derramamento de óleo no rio Ienissei. Uma forte corrente de água arrancou a cobertura de uma das turbinas, matando 75 pessoas instantaneamente.

  1. Petróleo
Trabalhadores na região de Tiumên.

Setenta e três por cento de todo o petróleo russo é produzido na Sibéria Ocidental e, de acordo com uma previsão do Ministério de Recursos Naturais e Meio Ambiente da Rússia, as reservas ali durarão até 2044.

Mas já existe um desafio agora: como manter os volumes de produção? Há regiões na Sibéria Oriental e nos territórios do norte da Rússia onde a extração de petróleo é muito mais difícil por causa do solo congelado ou de pântanos intransitáveis.

  1. Ferrovia Transiberiana

A Rússia decidiu construir a Ferrovia Transiberiana mais de cem anos atrás, quando o país ainda era governado pela família Românov, porque temia-se a expansão chinesa no Extremo Oriente do país.

Foi assim que surgiu a maior linha ferroviária do mundo, atravessando toda a Sibéria. Ela tem mais de 9.000 quilômetros e uma viagem de trem de um extremo ao outro leva seis dias e 22 horas. Existem muitas histórias, filmes, músicas e lendas associadas à famosa ferrovia.

  1. Gulag
Prisioneiros da Gulag na Sibéria.

Alguns territórios desabitados da Sibéria foram destinados a uma enorme massa de prisioneiros da Gulag. Megaprojetos de construção (como a ferrovia Baikal-Amur, ou "BAM"), rodovias, cidades e barragens) foram construídos, ou pelo menos iniciados, por pessoas condenadas e exiladas nesse ambiente hostil.

"Se você não trabalhar, não comerá" era o lema dos diretores da Gulag para os prisioneiros, em grande parte inocentes. Toda vez que os prazos de entrega de uma obra se aproximavam, a diretoria do campo de trabalhos forçados prolongava a jornada de trabalho.

"As pessoas trabalhavam de 16 a 18 horas por dia", escreve o historiador Serguêi Papkov em seu livro “Terror Stalinista na Sibéria”.

Um dos maiores escritores que foi enviado à Gulag foi Varlam Chalámov, e seus relatos de lá são de arrepiar!

8. Lago Baikal

Círculos no fino gelo do Lago Baikal.

O lago mais profundo do mundo, com 1.642 metros de profundiade, é uma das maravilhas naturais mais conhecidas da Terra e um símbolo da Sibéria. Toda primavera, círculos brancos gigantes se formam na superfície do lago Baikal, gerando curiosidade entre os cientistas.

Mas o mistério finalmente foi resolvido: os círculos são formados por redemoinhos anticiclônicos (quentes) e pela estrutura do próprio lago. O Baikal também é o maior lago de água doce do mundo, em termos de volume.

  1. Akademgorodok, Novossibírsk
Novossibírsk, URSS, 1966. O presidente francês Charles de Gaulle conversa nas ruas de Akademgorodok.

A Sibéria está fortemente associada, não apenas com gelo e o Lago Baikal, mas também com a ciência. Em 1957, um centro científico foi estabelecido ali e se tornou mundialmente famoso: o Akademgorodok (em português, “Cidade Acadêmica”).

Por iniciativa de acadêmicos foram transferidos para um só centro independente no meio de uma floresta dezenas de institutos especializados em disciplinas diversas, a universidade e fóruns científicos. Sua distância de Moscou permitia mais liberdade. O primeiro colisor do mundo se originou ali, no Instituto Budker de Física Nuclear, em Akademgorodok.

  1. Pântano Vasiugan

A Sibéria é imensa e, para ajudá-lo a entender quão grande é, eis um exemplo: no meio da Sibéria Ocidental, há um pântano com uma área maior que a da Suíça – e que ainda está crescendo!

A Sibéria também tem 113 cidades (e três delas têm uma população de mais de um milhão), muito além da taiga infinita. É realmente um lugar incrível!

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies