Filhote pré-histórico é descoberto na Sibéria

Sergei Fedorov/Universidade Federal do Nordeste de Iakutsk
O animal está tão bem preservado pelo congelamento que seu pelo e seus dentes permanecem intactos, embora não se saiba ainda se é um filhote de lobo ou de cachorro.

Ainda com seus dentes de leite, esse filhote tinha cerca de dois meses quando morreu, o que ao que indicam as evidências, aconteceu cerca de 18 mil anos atrás. O corpo mumificado foi descoberto em uma área em que o solo é permanentemente congelado (chamada de permafrost) perto do Rio Indigirka, na região de Iakutia, na Sibéria, Rússia. O gelo preservou o corpo do filhote e, principalmente, seu focinho, com cílios, bigodes e até o nariz aveludado.

Amostras genéticas do filhote foram enviadas ao Centro Sueco de Paleogenética (CPG), que possui o maior banco genético europeu com amostras de DNA de espécies caninas. A surpresa dos pesquisadores foi que não foi possível descobrir as origens ou a espécie do filhote logo de cara.

Sergei Fedorov, o pesquisador da Universidade Federal do Nordeste de Iakutsk que foi o primeiro a examinar o material do animal (e é o autor destas fotos), está bastante empolgado. “É algo intrigante, e se for um cachorro? Eu mal posso esperar pelos resultados dos próximos exames!”, disse.

A grande expectativa dos cientistas é que, por conta do DNA não ter sido conclusivo logo na primeira análise, esse filhote possa ser um exemplar dos chamados cachorros-lobo, uma possível espécie de transição entre os lobos e os cachorros.

LEIA TAMBÉM: Dez raças de cães nativas da Rússia

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies