Sibéria teve calor e 'unicórnios'

Aparência de animal extinto variava entre cavalo e rinoceronte

Aparência de animal extinto variava entre cavalo e rinoceronte

Wikipedia.org
Aparência de animal extinto variava entre cavalo e rinoceronte.

Estudos científicos recentes têm tratado de uma criatura que teria vivido na região da Sibéria há 29 mil anos.

O animal, quase um unicórnio, de aparência mista de cavalo e rinoceronte, teria convivido com os humanos, segundo a datação divulgada, ao contrário do que se acreditava - pesquisas anteriores divulgavam que ele teria vivido na Terra há 350 mil anos.

A datação por carbono foi realizada por cientistas da Universidade Estatal de Tomsk, na Rússia.

Dieta esquisita

First published restoration (1878) of E. sibiricum, by Rashevsky, under supervision of A.F. Brant. Fonte: Wikipedia.orgPrimeira restauração (1878) publicada de E.sibiricum, de Rashevski, sob a supervisão de A.F. Brant. Fonte: Wikipedia.org

Apesar de suas dimensões, o unicórnio siberiano, que podia ter até seis metros de comprimento e pesava mais de cinco toneladas, comia principalmente tubérculos e bulbos de plantas. 

Ele cavava a terra e dela extraía raízes comestíveis. Não tinha incisivos caninos, por isso escavava com os lábios, cheios de calos.

Sua alimentação é a aposta dos cientistas para descobrir o mistério do porque eles viveram por mais tempo que os leões das cavernas e os mamutes.

Calor

Os restos de exemplares dos unicórnios foram descobertos na parte sudeste da planície da Sibéria Ocidental, apesar dos animais terem sido classificados como de climas mais quentes.

Devido a isso, considerava-se que o animal nunca houvesse estado nesse território. Mas sua presença traz indícios de que o clima nos montes Urais e na Sibéria não era exatamente como descrito até então.

De acordo com os cientistas, os unicórnios teriam, posteriormente, migrado para regiões mais meridionais.

A convivência humana

É muito provável que os humanos tenham convivido diretamente com os unicórnios siberianos. 

Paleolithic art from Rouffignac Cave, France, judged on the basis of the single horn to depict Elasmotherium by Schaurte in 1964 and again independently by N. Spassov in 2001. If true, the judgement would extend the range to Western Europe. Fonte: Wikipedia.orgPintura rupestre do Paleolítico na caverna Rouffignac, na França. Fonte: Wikipedia.org

Os animais representados em pinturas rupestres não eram simplesmente fruto da imaginação de nossos antepassados, e também é possível que os caçadores primitivos tenham sido a causa de sua extinção.

As causas de seu desaparecimento ainda são incerta, e os pesquisadores não acreditam que um novo período glacial pudesse ter dado cabo desses animais.

Anteriormente, divulgou-se também a hipótese de que os unicórnios siberianos tenham, pouco a pouco, cedido espaço aos mamutes.

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.