Os tipos mais incomuns de gelo da Rússia

Evgueni Tchikotilov/TASS
Você sabia que no mar se formam verdadeiras bolas de gelo e que nos lagos podem nascer flores de gelo?

Na Rússia, o gelo não é só água em estado sólido. Às vezes, a natureza realiza verdadeiros milagres com esse material. Por exemplo, em Iamal, no Golfo de Ob e na região de Leningrado, o Golfo da Finlândia lança bolas de gelo à beira da água, enquanto no lago Baikal surgem círculos místicos de gelo em todas as primaveras.

Lago Baikal.

Panquecas no ‘salo’

As estruturas de gelo mais interessantes quanto à forma são encontradas na água, já que sua formação é influenciada por muitos fatores, da corrente à temperatura. Essas estruturas afetam a segurança da navegação e, por isso, os diferentes tipos de formações de gelo são bastante estudados e descritos no “Atlas das formações de gelo”, publicado pelo Instituto Ártico e Antártico.

Gelo panqueca.

Gelo panqueca.

No inverno e na primavera, os lagos são frequentemente cobertos com discos de gelo de dezenas de centímetros de diâmetro e bordas elevadas - é assim que se forma o “gelo panqueca”.

“O gelo panqueca é uma ocorrência comum em formações de água grandes e abertas, como lagos ou mares, especialmente no norte. Eles são um tipo de ‘panela’ em que a natureza assa suas panquecas de gelo”, diz Nikita Tananaev, hidrologista do Instituto de Permafrost de Iakutsk.

Lago Onega.

Esses discos surgem quando a temperatura está em torno de zero graus Celsius e há ondas de luz na água.

“Primeiro, uma fina crosta oleosa começa a se formar na ondulação da água: é o ‘salo’ [espécie de frio comestível russo bastante gorduroso], ou gelo lubrificante, que depois se torna circular devido à tensão superficial. Às vezes, o gelo panqueca surge do acúmulo de neve fresca”, explica.

Segundo ele, as formações também são chamadas, por vezes, de “bailarinas de gelo”, já que, quando o vento sopra, elas giram em torno de seu eixo.

Essa imagem pode ser vista, por exemplo, no lago Onega, na Carélia, no rio Isset, em Iekaterimburgo, no Altai, assim como no lago Baikal.

As panquecas de gelo podem atingir três metros de diâmetro e espessura de até 15 centímetros e, quando congeladas, cobrem a água até o horizonte. Acontece também de os blocos de gelo não terem tempo de tomar uma forma perfeitamente redonda devido a temperaturas mais baixas e, assim, tomam a forma de muitos fragmentos. Esse tipo de gelo é chamado de escamoso.

Flores de gelo

Região do Ártico.

Este fenômeno natural lindíssimo é mais característico do Ártico, mas, às vezes, ocorre em latitudes médias. No final do último mês de novembro, flores de gelo cresceram no lago Ilinskoie, no Tartaristão, e em Mari-El.

A razão disso foi a grande diferença de temperatura entre a água e o ar (mais de 20 graus) – o ar estava muito frio, enquanto a superfície da água estava próxima de zero e quase sem vento. Assim, a umidade na superfície do gelo esfria bruscamente e condensa na superfície, tomando a forma de cristais - algo como uma geada, mas na água.

Bolas para um boliche no gelo

Região de Iamal.

Em 2016, um fenômeno natural bastante raro no mundo foi avistado pelos habitantes de Iamal e, um ano depois, no Golfo da Finlândia, quando enormes bolas de gelo foram jogadas pelas ondas na terra. Essas bolas geralmente surgem no fundo de um degelo após a queda da neve e uma forte tempestade. As ondas do mar enrolam pedaços de neve ao longo da costa, criando bolas de neve e, sob a influência de um vento frio, ficam cobertas de gelo e são jogadas na beira do mar.

Bolas de gelo com diâmetro de 5 a 10 centímetros.

Gelo peludo

Gato peludo.

Estas formações de gelo ocorrem não apenas na água, mas também na terra e no subsolo, onde há umidade. Esse gelo pode ser visto nas árvores e tem aparência macia e alongada. O “gelo peludo” se forma em árvores podres que são afetadas por um fungo chamado Exidiopsiseffuse.

Gelo de montanha e gelo subterrâneo

Caverna Kungur.

Na cidade de Kungur, na região de Perm, pode-se visitar o local onde rei um inverno eterno - uma caverna nas montanhas de gelo. Seus muitos quilômetros de passagens subterrâneas são pontilhados de estalactites e estalagmites - eternos “pingentes de gelo”. Nas grutas, os fluxos de ar com diferentes temperaturas se misturam e ocorre intensa condensação. A umidade assenta nos arcos e congela de formas variadas, de agulhas a flores.

Caverna Kungur.

Nas montanhas, os cientistas também encontram formas incomuns de gelo, por exemplo, hastes de gelo. “Elas são chamadas assim porque se parece com as hastes das flores. Elas se formam nas montanhas que têm grandes diferenças de temperatura: é necessário que durante o dia haja uma temperatura positiva e, à noite, geada. Quando esse gelo cresce, pode atingir de 10 a 15 centímetros e se abrir, no final, como uma flor”, diz Tananaev. Esta formação ocorre, por exemplo, no Cáucaso.

Caverna Kungur.

Nas montanhas da Iakútia, muitas vezes pode-se encontrar gelos enormes, como o gelo Buluus ou o Bolshaia Momskaia, que não derretem nem no verão. “E eles também podem ter aparência muito engraçada. Uma vez, vi nas montanhas de Verkhoiansk, nos vales dos rios, plumas de gelo azul-celeste. Elas têm essa aparência devido às peculiaridades da refração da luz, claro”, diz Tananaev.

LEIA TAMBÉM: 80 dias sem ver o sol: as noites polares mais longas da Rússia

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies