Como os meteorologistas sobrevivem a condições extremas na Rússia

Gelo, frio, vento e lugares remotos são os companheiros de trabalho desses cientistas.

O enorme território da Rússia e suas condições adversas transformam os meteorologistas em autênticos exploradores. Na foto acima, por exemplo, a cientista Liudmila Fúrseva aparece medindo a radiação solar em uma estação de Verokiansk, Iakútia. A temperatura mínima registrada nessa região – um dos pontos mais frios do planeta – foi -69,8ºC.

A primeira estação meteorológica da Sibéria foi estabelecida no século 19. Desde 1834, os cientistas fazem observações regularmente. // Foto: Meteorologista Galina Ostáchkova na cordilheira Pamir (no atual Tadjiquistão) em 1972.

Em geral, os meteorologistas têm que trabalhar em condições extremas na Rússia. // Foto: Estação meteorológica na ilha de Moneron, perto da fronteira russo-japonesa.

As estações meteorológicas estão localizadas nos lugares mais remotos, incluindo ilhas cobertas de gelo no Oceano Ártico. // Foto: Funcionário da estação Polo Norte 5 em 1957.

Meteorologistas ajustando o radar da estação em cabo Chelyuskin, o ponto mais setentrional da Eurásia, em 1977.

Estação meteorológica automática em Moscou, em 1981.

Funcionário checa o Balão meteorológico em uma estação em Tchara, no leste siberiano.

Estação meteorológica na ilha de Bering, ao largo da península de Kamtchatka, em 1973.

Cientista mede a altura da neve na estação de Aibga, no Cáucaso, nos arredores de Sochi.

Curtiu? Veja também “Conheça Oimiakon, o polo do frio e da longevidade”.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Clique 
aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies