7 motivos que colocam o Hermitage no topo dos museus

Daniel Ladenhauf/flickr, Gellinger/Pixabay, Dominio pubblico
Gatos como funcionários, relatos de fantasmas e obras ocultas. A coleção de arte e objetos do maior museu da Rússia é tão grande que são necessários  dez anos para vê-la por completo.
  1. Coleção originalmente real 

Antes de se tornar um dos maiores museus do mundo, o Hermitage era a coleção pessoal da imperatriz Catarina, a Grande. O termo francês ermitage é traduzido como “eremitério” ou “lugar de refúgio”. Em 1852, a coleção de arte ampliada foi aberta ao público.

  1. Dez anos para ver tudo

O enorme museu é composto por mais de três milhões de itens, e apenas cerca de 5% disso tudo está exposto em 350 salões. Se um visitante gastasse um minuto observando cada objeto e passasse oito horas por dia no museu, levaria dez anos para ver tudo.

  1. Gatos como funcionários (no porão)

A tradição de empregar gatos começou no século 18 por serem caçadores perfeitos de ratos. Ainda hoje há felinos desempenhando essa tarefa no museu. 

  1. Fantasmas

Há vários relatos de fantasmas no Hermitage, como o de Pedro, o Grande, e o da última família Romanov. Além disso, dizem que durante a Lua cheia, surge uma poça de sangue na estátua da antiga deusa egípcia Sekhmet. 

  1. A maior coleção de Rembrandt

O Hermitage possui a maior coleção de obras de Rembrandt fora da Holanda. Entre suas 24 pinturas estão obras-primas como O Retorno do Filho Pródigo e Flora. 

  1. Garagem dos Romanovs

Os últimos Romanov tinham sua própria garagem no Hermitage, onde eram mantidos mais de 50 veículos. Todos eles, no entanto, desapareceram misteriosamente durante a Revolução de 1917.

  1. Obras-primas esquecidas

Existem milhares de obras de arte em exposição, mas muitas delas continuam escondidas do público. Muitas vezes, nem mesmo os funcionários do museu sabem quais obras-primas guardam no acervo.

VEJA TAMBÉM 7 dos mais estranhos museus russos 

Em 1960, enquanto tomava chá com alguns funcionários do museu, um especialista holandês viu uma parte de uma pintura escondida atrás do armário. Descobriu-se que era um trabalho intitulado Baco, Vênus e Ceres pelo pintor holandês Hendrick Goltzius. Desde então, os especialistas do Hermitage sonham em encontrar obras de arte perdidas e esquecidas.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Então assine nossa newsletter semanal ou diária.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies