7 dos mais estranhos museus russos

Além de fazer uma viagem subterrânea pelo bunker de Stálin, turistas em viagem à Rússia podem conferir exposições de caixões, armadilhas de urso para furtar carro e máscaras de morte.

1. Bunker 42, Moscou (bunker de Stálin)

Museu da Guerra Fria (Foto: Anton Tuchin/TASS)Museu da Guerra Fria (Foto: Anton Tuchin/TASS)

Bunker 42 é um Museu da Guerra Fria localizado no centro de Moscou. É possível visitar a instalação subterrânea e aprender mais sobre o confronto nuclear entre URSS e EUA. Essa estrutura foi construída nos anos 1950 para ser a sede das Forças Aéreas de Longa Distância, está situada a 60 metros abaixo da superfície e cobre uma área de quase 7.000 metros pés quadrados. Nos anos 1960, o bunker vivia equipado com itens necessários para se viver, e havia abastecimento de água e comida suficiente para receber oficiais por um longo período de tempo (caso necessário), mas, já na década de 1980, a situação se deteriorou. Em 1995, o abrigo veio a conhecimento público.

A entrada principal do bunker tem um elevador e é protegida por uma tampa de concreto de seis metros de espessura, escondida dentro de um falso casarão do século 19. A tampa foi projetada para proteger o abrigo de uma explosão nuclear e torna-lo capaz de suportar um ataque com bomba aérea.

Como chegar: Rua Kotelnichesky, 11. A bilheteria fica aberta todos os dias das 10h00 às 20h00. Museu aberto 24 horas. Mais informações no site oficial.

2. Museu da Morte, Novosibirsk

(Foto: Aleksandr Kriajev/RIA Nôvosti)(Foto: Aleksandr Kriajev/RIA Nôvosti)

Este museu  em Novosibirsk (3.200 km a leste de Moscou) é dedicado à cultura funerária. Em seu acervo está uma série de fotos pertencentes ao chamado gênero “pós-morte”: roupas de luto elaboradas, máscaras de morte, estátuas e monumentos. Há também uma coleção de caixões bem incomuns.

Como chegar: Voskhod, Voentorgovskaya, 4/16. Aberto de terça à sexta, das 12h00 às 19h00, e de sábado e domingo, das 11h00 às 19h00. Veja site oficial.

3. Museu de Um Quadro, Penza

(Foto: Legion Media)(Foto: Legion Media)

O Museu de Um Quadro em homenagem a G.V. Myasnikov (este é seu o nome completo!) é um museu estatal localizado em Penza (640 quilômetros a sudeste de Moscou). Fundado em 1983, não possui análogos no mundo. Por quê?

Não há exposições permanentes no local, e o único salão do museu exibe uma pintura solitária por vez (geralmente uma importante obra de arte). Antes que os visitantes possam ver a obra, porém, eles devem assistir a um filme de 45 minutos descrevendo as peculiaridades da exposição, sua história e a biografia do pintor.

O museu costumava mostrar obras-primas como “Conquista de Sibéria de Yerma”, de de Vassíli Surikov e “Retrato de uma jovem”, de Ticiano, entre outras.

Como chegar: Rua Kirova, 11. Aberto todos os dias (exceto às quintas), das 11h00 à 18h00. Antes da visita, é recomendável ligar ou escrever um e-mail. Veja site oficial.

4. Museu do Roubo de Carro, Barnaul

(Foto: Vitáli Beloussov/TASS)(Foto: Vitáli Beloussov/TASS)

No segundo andar de uma pequena casa na cidade de Barnaul (3.600 km a leste de Moscou) esconde-se um verdadeiro tesouro para todos os fãs de carro (e assaltantes de carro). O museu, dedicado ao roubo de carros, foi inaugurado em 2003 pela equipe de serviços públicos de Barnaul que trabalha com a remoção de veículos sucateados.

A variedade de métodos de roubo de carro em exibição é incrivelmente diversificada: além das diversas peças de aço utilizadas nessas empreitadas, há até armadinhas para ursos. A polícia local também presenteou o museu com alguns objetos curiosos, como placas de carros e carteiras de motorista falsas, e bloqueadores de sinais de rádio.

Como chegar: Rua Anatoliya, 130. Aberto diariamente das 10h00 às 19h00.Mais informações no site oficial.

5. Museu do Quebra-gelo Angara, Irkutsk 

(Foto: Lori/Legion-Media)(Foto: Lori/Legion-Media)

O quebra-gelo Angara, o mais antigo do mundo, foi lançado em 1900 e é um dos monumentos mais incomuns de Irkutsk (5.200 km a leste de Moscou). O navio foi montado nos estaleiros de Sir W.G. Armstrong Whitworth & Co Ltd, em Newcastle (Inglaterra), por encomenda do Comitê para Construção da Ferrovia Siberiana.

Na época em que esta estava sendo construída, o transporte na região de Irkutsk era limitado a balsas – que só podiam navegar após a passagem do quebra-gelo devido às condições climáticas. O Angara esteve em operação até o início dos anos 1960. Três décadas depois, foi ancorado no Golfo de Irkutsk e transformado em um museu.

Como chegar: Rua Marshala Zhukova, 36a. Aberto todos os dias das 9h00 às 21h00. Visite o site oficial.

6. Museu da História do Sal, Solikamsk (Perm)

(Foto: Oleg Vorobiov)(Foto: Oleg Vorobiov)

A cidade de Solikamsk (que, em tradução literal, significa “sal no rio Kama”) fica situada a 1.600 km a leste de Moscou e era conhecida como a capital do sal da Rússia. Foi fundada no século 15, quando a família de comerciantes Kalinnikov estabeleceu salinas na região, e a economia local dependia fortemente da mineração.

O único museu do mundo que mostra o processo de produção de sal ao longo dos tempos foi inaugurado na antiga salina de Ust-Borovaya, que operou de 1882 a 1972.

Como chegar: Rua Gazety Zvezda, 2. Aberto de terças a sábados, das 9h00 às 17h00. Mais info no site oficial.

7. Museu Memorial: Centro de detenção do NKVD, Tomsk

 (Foto: Serguêi Piatakov/RIA Nôvosti) (Foto: Serguêi Piatakov/RIA Nôvosti)

O Museu do Centro de Detenção do NKVD (Comissariado do povo para assuntos internos,), em Tomsk (5.800 km a leste de Moscou), está localizado no porão de uma prisão do NKVD, que funcionou entre 1923 e 1944. Em seu pátio, agora chamado de Jardim da Lembrança, há um monumento a todas às vítimas da repressão. O museu inclui, além de uma cela, a sala dos investigadores.

Entre os objetos expostos estão arquivos de investigação criminal, álbuns de fotos, e artesanatos produzidos por detentos nos campos e durante exílio.

Como chegar: Avenida Lenina, 44. Aberto de terças a sábados, das 10h00 às 18h00. Veja site oficial.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail?
Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.