Gatos do Hermitage viram marca registrada do museu

Felinos começaram a ser oficialmente mantidos no palácio no século 18

Felinos começaram a ser oficialmente mantidos no palácio no século 18

Iúri Molodkovets
Bichanos que circulam por áreas específicas do Palácio de Inverno irão estampar souvenirs. Tradição no museu, gatos possuem passaporte próprio e são responsáveis pela eliminação de ratos nos porões.

O museu Hermitage, em São Petersburgo, apresentou ao Rospatent (Serviço Federal de Propriedade Intelectual da Rússia) um pedido de registro da marca “Gatos do Hermitage”.

A marca será registrada em 15 categorias de produtos e de serviços, entre souvenirs, produtos para animais de estimação, material escolar e de escritório, e produtos alimentícios.

A história da origem da “Gatos do Hermitage” remonta ao século 18, quando os felinos começaram a ser oficialmente mantidos na área do palácio que abriga o museu.

Atualmente, cada gato possui passaporte, cartão veterinário e o direito de circular por áreas específicas do Hermitage. Além disso, os bichanos estão na lista oficial de especialistas qualificados para eliminar os ratos dos porões do museu.

Quando o número de gatos chega a 50, o Hermitage tem por tradição anunciar a doação dos animais “excedentes”. Os novos donos recebem então um certificado de “Proprietário de um gato do Hermitage”, que lhes confere acesso livre e permanente às salas de exposição.

Publicado originalmente pela agência Moskva

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.