4 pontos imperdíveis na turística rua Arbat de Moscou

Legion Media
Viaje muito além de cantores de rua, matriochkas e chapéus russos.

Mergulhe na atmosfera do século 19 de uma antiga praça de Moscou

Pátio em Moscou, de Vassíli Polénov

O quadro Pátio em Moscou, de Vassíli Polénov, captura perfeitamente o espírito da antiga Moscou. Foi pintado em 1878, quando Polénov morava ali, a poucos passos da rua Arbat, perto da praça Spasopeskóvskaia (nomeada em referência à igreja local, construída no início do século 18). Para chegar lá, é preciso pegar um beco entre as casas 36 e 38. Ainda existe a pequena casa ao norte da praça, construída em 1836 e que aparece na pintura de Polénov.

Praça Spasopeskóvskaia

Quando a Avenida Novi Arbat estava em construção, na década de 1960, o bairro antigo, que tinha pequenas ruas e becos e era a residência de artistas, escritores e estudantes, foi destruído. Essa praça, localizada em um cruzamento, continua sendo uma amostra de Moscou no século 19. Além disso, nessa mesma praça encontra-se a famosa Casa Spaso, residência dos embaixadores dos EUA na Rússia desde 1933.

 Casa Spaso

Coma no restaurante onde Tchékhov costumava jantar e um famoso bolo russo foi inventado

Restaurante Praga

Este edifício imponente localizado na Arbat 2/1 data do final do século 17 e ficou famoso em 1872, quando ali foi inaugurado o restaurante Praga. O comerciante Semion Tararikin assumiu o edifício em uma partida de bilhar em 1896. Mais tarde, transformou o restaurante em um dos lugares mais elegantes de Moscou. O espaço interior era dividido em salões e gabinetes, de modo que o restaurante contava, ao mesmo tempo, com clientes ricos e pobres. Isso fez com que os lucros disparassem.

Bolo de Leite de Pássaro foi inventado por chef local

O Praga se tornou o lugar favorito de artistas boêmios. Anton Tchékhov realizou ali a estreia de “A Gaivota”, o pintor Iliá Repin organizou uma festa para celebrar a restauração da sua pintura “Ivan, o Terrível, e seu filho Ivan”, danificado por velho crente, e Lev Tolstói leu nesse local capítulos de seu último romance, “Ressurreição”.

LEIA TAMBÉM: 4 cemitérios altamente culturais que vale visitar em Moscou 

Após a Revolução de 1917, o restaurante foi convertido em um refeitório público, e, em 1954, acabou sendo reaberto como um estabelecimento de luxo – e assim que permanece até hoje. O bolo de Leite de Pássaro, uma das mais icônicas sobremesas russas, foi inventada por um confeiteiro do restaurante Praga em 1974. 

Visite a casa onde Púchkin ficou bêbado e discutiu com a sogra

Arbat 53/1, onde fica a casa-museu do poeta Aleksandr Púchkin

Esta casa localizada na Arbat 53/1 virou museu em 1986, embora o poeta Aleksandr Púchkin tenha vivido poucos meses ali.

Logo depois de se casar em uma igreja próxima, ele se mudou com sua esposa, Natália Gontcharova, para um apartamento de cinco quartos no segundo andar.

No dia anterior, Púchkin e um amigo fizeram uma despedida de solteiro enchendo a cara nessa mesma casa. Naquela noite, o poeta estava melancólico e só falou em verso.

Interior da casa-museu de Púchkin

Na manhã seguinte ao casamento, Púchkin continuou bebendo. Sua mulher chorou por meio dia. Nove dias depois, deram um baile na casa – foi um evento muito caro e que contou com a presença de vários convidados, como amigos que moravam nas residências de luxo nas proximidades.

A sogra de Púchkin também compareceu ao evento, e muitas vezes repreendeu o poeta por “estar no caminho errado”. 

Encontre os últimos punks russos

Muro de culto a Tsói

Víktor Tsói, líder da banda de rock russa-soviética Kino, não morou nem passava tempo na Arbat. Mas, em 1990, depois que o cantor morreu em um trágico acidente de carro, alguém escreveu com tinta preta na parede da casa número 37/2: “Hoje, Víktor Tsói morreu”. Mais tarde, outra pessoa escreveu abaixo: “Tsói vive”, que se tornou o lema do culto a Tsói.

Se quiser conhecer punks ou fãs de rock russos, esse é o lugar. A música de Tsói não era estritamente punk, mas sua atitude antissistema continua a atrair anarquistas. Eles fizeram o seu último show no estádio Lujniki, em Moscou, em 1990, com  mais de 70.000 espectadores – superando os números de estrelas internacionais como Ozzy Osbourne, Scorpions e Bon Jovi que se apresentaram no estádio no ano anterior.

Há rumores de que a única razão pela qual esse muro não foi demolido é porque faz parte de uma garagem pertencente a uma organização militar. Nas proximidades, há uma porta com um emblema de órgãos judiciais.

Uma pincelada na história da Arbat

“Arbat” é um nome que significa “subúrbios” na língua tártara falada na antiga Moscou. Naquela época, esse distrito ficava nos entornos da cidade onde viviam os soldados e ferreiros do tsar. Depois de um grande incêndio em meados do século 18, os bairros vizinhos queimaram por completo. Nessa época, já não era mais um subúrbio, e as famílias nobres de Moscou construíram suas casas nessa área. Desde o início do século 19, a Arbat tornou-se o lar da antiga aristocracia e dos jovens boêmios. A rua contava com mais de 30 livrarias.

VEJA TAMBÉM: 10 fotos de Moscou há 100 anos 

Durante a década de 1960, grande parte do bairro foi destruída para erguer a Avenida Novi Arbat. Em 1985, a rua passou a ser limitada a pedestres, foram instalados postes de iluminação, e muitas lojas turísticas foram abertas. Desde então, a rua tornou-se bem comercial e perdeu muito de sua “alma”. Mas ainda existem algumas partes da antiga Arbat que permitem imaginar como era o centro de Moscou no século 19.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Então assine nossa newsletter semanal ou diária.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies