10 fotos de Moscou há 100 anos

Em 1918, depois de São Petersburgo ser capital russa por 200 anos, os bolcheviques transferiram o centro do poder russo a Moscou novamente. Estas imagens mostram cidade era naquele importante ano.

A Moscou dos domos dourados se tornou a capital da Rússia no século 14. As imponentes paredes brancas (depois pintadas de vermelho) do Kremlin eram um símbolo de seu poder.

Mas Pedro, o Grande, decidiu construir seu império do zero e abolir as tradições conservadoras dos moscovitas e de suas longas barbas.

Ele raspou aquelas barbas todas e construiu São Petersburgo, para onde a capital foi transferida em 1712. Quando os Romanov foram depostos, os bolcheviques decidiram devolver o poder à velha cidade vermelha.

Ela era a completa antítese da enjoada e aristocrática São Petersburgo, com seus palácios decadentes.

1.Em 12 de março de 1918, Vladímir Bontch-Bruievitch, então secretário do líder revolucionário Vladímir Lênin e novo governador, assinou um decreto oficial transferindo a capital para Moscou.

Nesta foto, Lênin aparece em seu gabinete no Kremlin. Reza a lenda que ele teria deixado Petrogrado secretamente, em um trem que estava propositalmente apagado.

2.É difícil imaginar as dimensões e proporções dessa transformação. Não só os governantes precisaram se mudar do Instituto Smolni para o Kremlin, mas toda a equipe de ministros e funcionários precisou trocar de cidade.

Foram junto as famílias de cada um e toda sua bagagem, que, por vezes, incluía bibliotecas enormes.

A foto é do início da primavera de 1918 (março/abril), em Moscou.

3.

A primeira coisa que os bolcheviques fizeram foi destruir os antigos símbolos de poder e criar novas regras para Moscou.

Eles demoliram um monumento gigantesco do tsar russo Aleksandr III, pai de Nikolai II, que ficava perto da Catedral de Cristo Salvador. Depois, Lênin destruiu a própria catedral.

Nos anos 1990, foi construída uma nova igreja e hoje uma estátua do tsar Aleksandr II está ao seu lado.

4.

As paredes do Kremlin eram decoradas com símbolos bolcheviques que homenageavam os mortos na luta pelo comunismo.

Mais tarde, o Kremlin se tornou o túmulo favorito dos líderes soviéticos e daqueles que eram respeitados pelo novo regime. 

Maksim Górki, por exemplo, foi enterrado lá sem o consentimento de sua família. Os parentes não puderam ficar nem com um pouco das cinzas do corpo cremado do escritor.

5.

Em maio de 1918, a Praça Vermelha, recebeu uma grande marcha em celebração à Páscoa ortodoxa. Na época, os bolcheviques ainda não combatiam a religião.

Por mais de 70 anos, a cidade não reviu comemorações ortodoxas como aquela.

Os ícones foram substituídos por bandeiras vermelhas e retratos de Lênin e  maio passou a ser o mês de outra celebração nas ruas: o Dia do Trabalho.

6.

O plano de Leon Trótski para destruir a Igreja Ortodoxa na Rússia começou em 1922.

O patriarca Tikhon (no centro da foto, durante a celebração da Páscoa de 1918) foi preso, mas não chegou a ser executado, provavelmente por conta da influência que tinha.

Ele morou muito tempo no Alasca, nos Estados Unidos e no Canadá, onde chegou a estabelecer a primeira Academia de Teologia Ortodoxa.

O patriarca morreu em 1925 depois de ser bastante humilhado nas mãos dos bolcheviques e de ter sua casa saqueada, mas serviu à Igreja até os últimos dias.

Durante a Primeira Guerra Mundial, ele abençoou tropas que estavam indo para o combate.

7. É importante lembrar que, enquanto os bolcheviques mudavam a capital e suas instituições, a Guerra Civil continuava a acontecer.

Oficiais do Estado confiscavam grãos e outros bens dos camponeses e os distribuíam de graça aos trabalhadores.

Havia filas intermináveis para conseguir comida e a fome não foi controlada até 1922.

8. Esta foto mostra a Cavalaria Vermelha indo para o combate. Na época, o General Branco Koltchak ainda resistia e os bolcheviques estabeleceram uma capital extraoficial em Omsk, na Sibéria.

A Revolução, a Guerra Civil e o terror operado pelos bolcheviques causaram a morte de 12 a 15 milhões de pessoas entre 1917 e 1922.

Para efeito de comparação, a Guerra Civil dos Estados Unidos matou menos de um milhão.

9. Oponentes dos bolcheviques, os parlamentares do Partido Socialista Revolucionário (conhecidos por SR) eram contra o Tratado de Brest-Litovsk, assinado em março entre o governo bolchevique e os impérios Alemão, Austro-Húngaro, Otomano e a Bulgária.

Os SRs consideravam os termos inaceitáveis e vergonhosos e começaram um tumulto que deixou Lênin bastante nervoso.

Eles foram derrotados e seu partido, extinto. A foto mostra o centro de Moscou depois da batalha.

10. O 5° Congresso dos Soviéticos de Toda a Rússia, que congregava o proletariado, os camponeses, o Exército Vermelho e deputados cossacos, ocorreu no Teatro Bolshoi, em Moscou.

Os extremistas da SR foram presos e retirados do congresso. Os deputados assinaram a Constituição Soviética de 1918 e concordaram em usar o terror que fosse preciso contra os "inimigos do poder soviético".

Gostou? "RT publica série de vídeos em 360º sobre a Revolução Russa; assista". 

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Clique 
aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais