As receitas de ‘Masha e o Urso’ para você preparar (e provar) em casa

Kinopoisk
Do mingau ao salsichão, são muitas as comidas típicas russas apresentadas no desenho animado.

Masha e o Urso é o desenho do momento. A hiperatividade fofa de Masha e a doce sabedoria do Urso atraíram milhões de espectadores em todo o mundo, não apenas na Rússia. Esse desenho animado, lançado há dez anos pelo estúdio “Animaccord”, entrou recentemente no Livro dos Recordes Guinness após atingir o maior número de visualizações no YouTube: mais de 3,3 bilhões para o episódio “Masha e kacha” – um recorde que o levou a ser o único vídeo de animação do mundo no top 5 dos conteúdos mais populares da plataforma on-line de vídeos.

Seguindo as aventuras de Masha e seus amigos, o telespectador se vê imerso em um mundo cheio de referências às tradições e ao folclore russo: de paisagens a alusões aos contos de fadas, dos detalhes do passado soviético aos pratos comuns nas mesas do país. Falando em culinária, quais as delícias consumidas por Masha? Confira abaixo a lista com algumas iguarias culinárias (e receitas) amadas pela personagem;

Kacha 

Começamos com a própria kacha (mingau russo), a estrela do episódio “Masha e kacha’, que registrou um boom de visualizações.

Kacha é um tipo de mingau geralmente feito com trigo sarraceno ou semolina. A versão mais difundida na era soviética e preparada, especialmente para crianças (mas não só), era precisamente a da semolina, chamada “mannaya kasha”.

Considerado um café da manhã ideal para crianças, o “mannaya kasha” ainda é servido por toda parte hoje: seja em casa, creches, escolas e refeitórios de empresas.

Ingredientes: ¾ xícara de leite; 3 colheres de chá de semolina; ½ colher de chá de açúcar; 1 colher de chá de manteiga.

Modo de preparo: Dilua o leite com ¼ de xícara de água e leve à ferver. Adicione a sêmola aos poucos, mexendo sem parar.  Acrescente o açúcar e uma pitada de sal e cozinhe em fogo baixo por 10 a 15 minutos. Ao servir, adicione uma colher de manteiga.

Veja também receitas alternativas para preparar kacha.

Chá

O urso é um grande apreciador de chá, que no desenho é preparado com samovar, de acordo com a antiga tradição russa. O samovar nada mais é do que uma grande chaleira térmica que permite manter a água quente. Seu nome vem de “sam”, que significa “sozinho”, com “varit”, ou “ferver”. Os primeiros samovares foram fabricados no final do século 18 pelos armeiros de Tula. No século 19, tornaram-se objetos de massa e foram considerados uma compra a ser transmitida na família.

VEJA TAMBÉM: 11 episódios de ‘Masha e o Urso’ que você não pode perder

O chá chegou à Rússia a partir do Oriente e, hoje em dia, a terra dos kremlins tem uma longa tradição de beber e servir chá (tchai, em russo). Para saber mais sobre esse ritual, clique aqui

Eis também as plantas mais usadas na Rússia para chá e infusões.

Salsichão

Na geladeira de urso, não faltam linguiças russa. O salsichão mais difundido nos tempos soviéticos era o “doktorskaia kolbasa”, o “salame do médico”. Ele foi chamado de “doutor” uma vez que na década de 1930, depois da grande fome, era prescrito por médicos como um tônico. Durante muitos anos, o “doktorskaia” foi considerado um dos símbolos do bem-estar das famílias soviéticas e, para obtê-lo, era preciso estar disposto a ficar um bom tempo na fila. Para saber mais, clique aqui.

Biscoitinhos

Outra iguaria frequentemente servida na mesa do urso são os biscoitos. No episódio “Papai urso” são servidos biscoitos em forma de peixe. Eles poderiam ser prianiki, doces com aroma de gengibre, geralmente acompanhados por uma xícara de chá. No passado, o priânik era considerado um item indispensável de todas as grandes ocasiões, como nascimentos, festas e casamentos. A capital russa dos prianiki é Tula, uma pequena cidade ao sul de Moscou. Ali, nos séculos 17 e 18, os melhores artesãos elevaram sua arte a outro patamar, criando biscoitos de todas as formas imagináveis. Este passado é testemunhado ainda hoje pela presença do museu Tulski Priânik.

Aqui está a receita clássica de prianiki, como aparece nos documentos do museu.

Ingredientes: 1 ½ xícara de farinha; ½ xícara de mel; ¼ xícara de manteiga; 2 colheres de sopa de bicarbonato de sódio; ¼ colher de sopa de cardamomo, gengibre e canela; ½ xícara de geleia (de qualquer variedade, desde que densa); ½ xícara de água.

Modo de preparo:

Para a cobertura. Coloque a água em uma panela e, quando ferver, adicione o açúcar. Quando estiver completamente dissolvido, tire a panela do fogo.

Para a massa. Misture a farinha, o mel, a manteiga, o bicarbonato de sódio e a canela, e trabalhe até que os ingredientes estejam bem misturados. Abra a massa em uma superfície com farinha, até obter uma espessura de menos de 8 mm; corte em retângulos. Coloque no centro de cada um deles uma colherada de geleia e cubra-os com outro retângulo – certificando-se de fechar bem as bordas para evitar que a geleia escorra. Distribua os retângulos em uma assadeira e cozinhe a 180 graus durante os primeiros dez minutos, e a 160 graus nos próximos 5 a 10 minutos. Quando os biscoitos já estiverem frios, despeje um pouco de cobertura sobre todos eles.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies