Pratos mais que russos que fingem ser estrangeiros

Franceses e tchecos ficariam muito surpresos se soubessem que essas receitas russas são batizadas como se fossem suas.

A queda que a Rússia tem por tudo o que é europeu se estende também à culinária. Muitos pratos são intitulados como franceses, tchecos ou finlandeses, mesmo que a ligação entre eles e esses países seja muito tênue - para dizer o mínimo.

  1. Rocambole tcheco

Se pedir um rocambole na República Tcheca, trarão para você um prato de carne de porco com bolinhos. Mas, na Rússia, rocambole tcheco significa bolo de chocolate enrolado recheado com um creme de chocolate bem leve.

A sobremesa foi criada no lendário restaurante Praga, durante a época soviética, juntamente com sobremesas como o bolo Venceslau, o Leite de Pássaro e, é claro, o bolo Praga.

Muitas gente ainda se lembra desses bolos com nostalgia e os considera o melhor das sobremesas soviéticas. Hoje, os rocamboles tchecos são encontrados não apenas nas seções de confeitaria de mercados e cafeterias, mas também em muitos bufês de teatros.

  1. Bolos poloneses

Na Rússia, há dois bolos com nomes de cidades polonesas. O Krakóvskoe (do russo, “da Cracóvia”) é uma sobremesa retangular feita a partir de massa aerada coberta com suspiro de amêndoa, e o Varchávskoe (“de Varsóvia”) é um bolo de três camadas: uma de biscoito amanteigado, uma de nozes e, entre elas, uma de frutas.

Estes bolos surgiram na URSS em meados da década de 1950 e foram considerados joias raras. Na Polônia em si, é difícil encontrar bolos assim. A sobremesa tradicional dos poloneses é a Kremowka, outro bolo à base de massa aerada, mas com creme de ovos e açúcar de confeiteiro.

  1. Carne à francesa

Quer surpreender um amigo francês? Conte a ele sobre este prato. Melhor ainda, ofereça para ele provar. A “carne à francesa” russa não tem nada a ver com escalope ou entrecôte francês.

LEIA TAMBÉM: 7 pratos russos (deliciosos) de revirar o estômago

Na Rússia, o prato é composto por um pedaço de carne de porco assada no forno com tomates, maionese e queijo ralado. Um verdadeiro clássico para qualquer ocasião! É semelhante à vitela Orloff, um prato bastante conhecido no exterior, mas sem os cogumelos e as batatas (que podem ser acrescentados para dar mais sabor).

Acredita-se que o prato tenha sido inventado por um chef francês a serviço do conde Aleksêi Orloff, no início do século 19. A receita teria sido ligeiramente modificada durante os anos soviéticos para criar um verdadeiro prato do "povo".

Aprenda a fazê-la aqui!

  1. Café Vienense

Viena é a capital mundial do café, com uma infinidade de opções, mas o Wiener Melange local é considerado tradicional. Ele é composto por uma parte de leite com espuma quente e uma parte de café expresso, e frequentemente servido com chantilly e sem açúcar.

Apesar de muitos cafés na Rússia oferecerem o chamado “café vienense”, ele tem pouca semelhança com o original, e suas receitas variam muito. Ele ser preparado com base ou no americano ou no expresso, ou mesmo em café puro com leite, polvilhado com chocolate e coberto com diferentes tipos de chantilly, geralmente doces.

  1. Salame defumado finlandês

Após as Olimpíadas de Moscou de 1980, produtos estrangeiros do mundo capitalista começaram a surgir na União Soviética. Um deles foi o salame finlandês, que conquistou tanto os corações e os estômagos soviéticos que decidiu-se por produzi-lo na própria URSS.

Em vez de salame, porém, a variante soviética era um tipo de linguiça defumada. Em geral, a prosperidade de uma família soviética podia ser avaliada pelo tipo de embutido que ela tinha na geladeira. E a salsicha “finlandesa” era um produto incrivelmente escasso e um indicador de bem-estar.

Não era só uma questão de custo, mas o fato de ela aparecer nas lojas muito raramente e não em todas as lojas. Se alguém conseguisse um, geralmente o guardava para ocasiões especiais para impressionar os convidados.

Hoje, o salame “finlandês” ainda é produzido na Rússia seguindo a mesma receita: carne bovina, gordura e carne de porco magra em partes iguais, além de especiarias.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies