6 curiosidades sobre Mólotov, o braço direito de Stálin que viveu quase até os 100 anos

Aliado fiel de Stálin, Mólotov viveu mais que quase todos seus amigos e inimigos, e morreu apenas alguns anos antes da queda da URSS.

Aliado fiel de Stálin, Mólotov viveu mais que quase todos seus amigos e inimigos, e morreu apenas alguns anos antes da queda da URSS.

Getty Images
Viatcheslav Mólotov, uma das principais figuras da história soviética, nasceu em 9 de março de 1890. Militar bolchevique linha dura e leal a Stálin, Mólotov levou uma vida longa e turbulenta.

1. Da aldeia ao Kremlin

O jovem Mólotov durante a Revolução de 1917.

Mólotov foi batizado como Viatcheclav Skriabin. Apenas mais tarde ele mudou seu nome para "Môlotov" ("môlot" significa "martelo" em russo), para torná-lo mais agradável aos ouvidos alheios e lidar com a própria gagueira.

Nascido em uma família de comerciantes na Rússia Central, ele se uniu ao movimento revolucionário no início da década de 1910 e passou muitos anos na prisão.

Seu primeiro amigo entre os proeminentes líderes bolcheviques foi Iossif Stálin, e essa relação definiu o resto da vida de Mólotov. Independentemente do cargo que ocupasse, Mólotov era devotado e leal.

2. Adorava Stálin

Stálin e Molotov na cerimônia de abertura do metrô de Moscou em 1935.

Como lembrou o escritor soviético Konstantin Símonov: "Mólotov era o único homem que tinha lágrimas nos olhos enquanto falava no funeral de Stálin [em 1953]... mesmo que ele tivesse mais razões para se sentir aliviado com a morte dele do que qualquer outro".

No final da década de 1940, Mólotov, um stalinista ferrenho, caiu em desgraça. Com o líder ainda vivo, ele foi demitido do cargo de ministro dos Negócios Estrangeiros. Stálin ordenou ainda a prisão da mulher dele, Polina Jemtchújina e depois a exilou no Cazaquistão como "espiã sionista" (algo que ela não era).

Mólotov amava a mulher, mas ficou em silêncio e permaneceu leal; nem mesmo essa traição o fez mudar de atitude em relação a Stálin.

Seu biógrafo, Valentín Berejkov, escreveu: "Mólotov costumava fazer apenas três brindes: 'A Stálin! A Polina! Ao comunismo!' Quando perguntado 'por que a Stálin? Ele prendeu Polina e quase o destruiu!' Molotov respondia que 'ele era um grande homem'".

3. Mandou diversas pessoas à morte

Durante o Grande Expurgo de Stálin, no final da década de 1930, as sentenças extrajudiciais eram comuns, e Mólotov participou muito delas.

Sua assinatura está em 372 das “listas de execução de Stálin” - listas de pessoas condenadas ao fuzilamento -, assim como da prisão de líderes soviéticos importantes sem julgamento. Até Stálin assinou menos sentenças (357).

Mais tarde, quando se aposentou, Mólotov admitiu que algumas das pessoas executadas eram inocentes.

"É claro, podemos ter exagerado nas coisas. Seria absurdo dizer que Stálin não sabia de nada sobre isso, mas seria errado dizer que ele foi o único culpado. Não tínhamos controle sobre os serviços de segurança”, disse ele a um jornalista.

4. Fez discurso à nação quando a guerra começou

Mólotov fala com ministro das Relações Exteriores do Reich, Joachim von Ribbentrop, antes de partir de Berlim, em 14 de novembro de 1940. A amizade germano-soviética não durou nem dois anos a partir da data.

No verão de 1939, o ministro dos Negócios Estrangeiros Mólotov e seu par alemão, Joachim von Ribbentrop, assinaram um acordo de neutralidade entre os dois países, que ficou conhecido como Pacto Molotov-Ribbentrop.

O documento falava na invasão e divisão da Polônia pela URSS e pela Alemanha. O acordo com Hitler, no entanto, não funcionou bem, e dois anos depois, em 22 de junho de 1941, a Alemanha invadiu a URSS.

Assim começou a Grande Guerra Patriótica, como é chamada localmente a participação soviética na Segunda Guerra Mundial.

No primeiro dia de guerra, que tomou o Exército Vermelho de surpresa e o levou a graves derrotas, foi Mólotov quem falou com o povo soviético em nome do governo, já que Stálin se recusou a fazê-lo.

"Nossa causa é justa. O inimigo deve ser derrotado. A vitória será nossa", concluiu Mólotov.

E foi o que aconteceu - depois de quase quatro anos e milhões de pessoas mortas.

5. Perdeu tudo

Capa da revista Time com Mólotov em exposição dedicada ao 75º aniversário da derrota das tropas nazistas na Batalha de Stalingrado. A história não esqueceu Molotov - mas seus compatriotas, sim.

Logo após a morte de Stálin, Mólotov caiu mais uma vez em desgraça - desta vez, após conflito com o novo líder, Nikita Khruschov.

Ele perdeu todos os cargos no governo e viveu o resto da vida como um aposentado comum.

Em 1961, Mólotov foi expulso do Partido Comunista. Apenas 23 anos depois, em 1984, Molotov foi reabilitado e, mais uma vez, obteve adesão ao Partido.

As pessoas costumavam zombar, na "gerontocracia soviética", que o então líder soviético Konstantin Tchernenko, aos 73 anos, via Mólotov, de 94 anos, como seu sucessor.

Na realidade, Mólotov morreu dois anos depois, em 1986, apenas quatro anos antes de completar 100 anos.

6. Marca internacional

Coquetel Molotov, arma que ganhou o nome do político soviético de maneira não intencional – na verdade, a designação foi dada por ironia.

Durante a Guerra de Inverno travada entre Finlândia e URSS de 1939 a 1940, os finlandeses usaram bombas de gasolina para aniquilar tanques e caminhões soviéticos.

Essas garrafas em explosão eram preenchidas com uma mistura de etanol, alcatrão e gasolina, e foram apelidadas de "Coqueteis Molotov".

Era "uma bebida para acompanhar a comida", já que as bombas jogadas pelos soviéticos na Finlândia foram ironicamente chamadas de "cestas de pão Molotov" - o ministro dos Negócios Estrangeiros soviético afirmava, hipocritamente, que a URSS estava jogando comida, e não bombas, sobre a Finlândia.

Mólotov ganhou diversas outras homenagens. De 1940 a 1957, por exemplo, a cidade de Perm (1.400 km a leste de Moscou) foi batizada em sua homenagem.

Hoje, seu nome remete principalmente ao coquetel bélico, mas há também bandas como a "Molotov", de rock mexicano, e a "Molotov Solution", norte-americana de Deathcore.

Embora seja improvável que o ministro de Stálin fosse apreciar este emprego de seu nome, as bandas, assim como ele, são bastante brutais.

Quer saber mais sobre a participação soviética na Segunda Guerra? Leia “Mistério sobre ataque alemão permanece”.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies