Exército russo envia virologistas a Itália para reforçar combate ao coronavírus

Reuters
Além de oito equipes de médicos militares, país europeu recebeu equipamentos de desinfecção e para ventilação pulmonar mecânica.

Nesta segunda-feira (23), o Exército russo enviou à Itália equipes de virologistas e equipamentos médicos para o tratamento de pacientes com coronavírus, de acordo com um comunicado do Ministério da Defesa da Rússia. 

Segundo a pasta, oito brigadas de virologistas e médicos militares russos, bem como complexos de desinfecção e equipamento para ventilação pulmonar mecânica, já aterrissaram na base da Força Aérea italiana “Pratica di Mare”, que fica a 30 quilômetros a sudoeste de Roma.

Aviões Il-76 carregados na base aérea militar Tchkalovski, em Moscou

Os médicos russos irão atuar nas áreas mais afetadas do país europeu, especialmente na Lombardia, Piemonte e Emília-Romanha.

A Itália já ultrapassou a China em número de vítimas do coronavírus; o país europeu registrou cerca de 60 mil casos de infecção, e mais de 5.400 mortes.

No sábado (21), após conversa com o premiê italiano Giuseppe Conte, o presidente russo Vladimir Putin se comprometeu a prestar toda a assistência necessária à Itália. 

Quem são os virologistas militares?

As Forças Armadas russas dispõem de Tropas de Proteção Nuclear, Biológica e Química – estrutura esta criada para eliminar as consequências do uso de armas de destruição em massa e para tratar epidemias que possam afetar as tropas.

“São as mesmas pessoas que lutaram contra o epidemia de ebola na África há alguns anos”, explica o ex-analista militar do jornal “Izvêstia”, Dmítri Safonov.

Segundo ele, os novos equipamentos médicos enviados à Itália foram demonstrados nos salões militares Army-2018 e Army-2019, na região de Moscou.

“Além da Rússia, apenas os Estados Unidos e a Grã-Bretanha têm estruturas semelhantes. Mas especialistas americanos e britânicos estão tratando pacientes em suas regiões. Como a situação com o coronavírus na Rússia não é tão crítica, podemos ajudar os nossos parceiros no exterior”, completa Safonov.

LEIA TAMBÉM: “Se seguirmos exemplo italiano, pandemia vai durar, na melhor das hipóteses, até setembro”

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies