Como os russos se vestem quando está -50°C lá fora? Veja fotos

Inverno em Norilsk

Inverno em Norilsk

Denis Kozhevnikov/TASS
Moradores das regiões mais frias da Rússia compartilham dicas sobre o que vestir para se manter aquecido e na moda (bem, na medida do possível) durante o inverno.

Poderia se pensar que o design das famosas bonecas russas matriochka teve origem nas roupas de inverno das pessoas que moram na Sibéria e no Extremo Oriente russo, onde -30°C não é considerado uma temperatura congelante. Mas, quando realmente fica frio, os moradores dizem que você jamais deve usar muitas camadas de roupa. Mesmo assim, eles fazem o possível para se vestir bem e manter uma boa aparência.

Inverno em Iakutsk

Fashionistas de orelhas azuis

A professora de geografia Kristina Kobeleva se mudou de Krasnoyarsk (1.500 km ao sul, mas ainda na Sibéria) para Norilsk. Segundo ela, as temperaturas baixas no extremo norte parecem menos desconfortáveis, ​​porque o clima é menos úmido, embora em ambas as cidades os termômetros marque entre -30°C e 35°C no inverno.

Kristina

“Em Norilsk, quando está -40 ° C, apenas as partes expostas ficam geladas: o rosto, as mãos, se você não estiver usando luvas, e os pés, se fica em pé por um longo período. Caso contrário, se não houver ventando forte, você nem sentirá frio. Enquanto em Krasnoiarsk, mesmo a temperaturas de -10°C, você sentirá os ossos congelando”, diz.

Por outro lado, em Norilsk, o vento pode soprar de 20 a 25 metros por segundo. “E nesses casos, é preciso assegurar que nenhuma parte do seu corpo esteja exposta.”

“Aqui todo mundo usa casaco de peles, ou casaco longo. Eu uso um casaco grosso até o chão acolchoado e roupas térmicas ou jaquetas de lã por baixo. Prefiro vestidos, então uso leggings térmicas por cima de meias-calças.” As luvas são peça obrigatória, segundo Kristina, e as dela “são feitas de pelo de visão e muito bem costuradas”. Quando o assunto é calçado, as pessoas geralmente usam botas feitas de materiais naturais (couro, camurça e pelo) com sola grossa de borracha.

“Embora se veja fashionistas usando tênis no inverno, ou sem cobrir a cabeça a -35°C”, conta. “Mas então suas orelhas costumam ficar azuis de frio.”

Casaco de pele não é luxo, mas meio de transporte

A Iakútia é considerada a região mais fria da Rússia e abriga as duas cidades com as temperaturas mais baixas já registradas (quase 70° C abaixo de zero), Oimiakon e Verkhoiansk. Na capital, Iakutsk, a temperatura média no inverno é de -40 a -45°C.

Blogueiro russo Iliá Varlamov na Iakútia

“Se em outros lugares andar de casaco de pele é um luxo, na nossa região é mais uma questão de necessidade”, afirma Margarita Makarova, âncora no canal de TV Sakha. “Recentemente aparecerem também as jaquetas superquentes da Bask [marca russa de roupas cujas jaquetas custam cerca de 30.000 rublos, ou US$ 500]; elas também se tornaram populares porque são mais baratas que um casaco de pele”, completa. Várias pessoas também usam chapéus de pele, já que os de malha não são suficientemente quentes para o inverno local, além de botas feitas de pele de rena, chamadas mukluks.

Margarita

“Existe uma grande variedade de modelos, e as mulheres iacutas aproveitam ao máximo as opções disponíveis. Os homens também usam mukluks, só que os modelos masculinos são geralmente mais restritos”, diz Margarita.

Além da cabeça, muitos locais também cobrem o rosto, pois, caso contrário, é provável ficar com a famosa “maquiagem” iacuta de cílios gelados. Para isso, basta ficar 10 minutos ou mais do lado de fora no frio.

Margarita

Associado ao casaco de pele e botas de pele, deve-se usar várias camadas de roupa por baixo, como leggings de lã e polainas, já que os joelhos estão particularmente propensos a congelar com o frio extremo. As calças acolchoadas também são uma alternativa, embora seja difícil ficar feminina ao vesti-las. “O look de inverno aqui não sai barato, mas é a única forma de se aquecer na Iakútia”, garante Margarita.

Gorros e botas de feltro contra o vento

Pevek, em Tchukotka, é oficialmente a cidade mais setentrional da Rússia. Os invernos longos e frios são acompanhados por um dos ventos mais fortes do planeta, o iuják, portanto, os moradores locais têm que cobrir o rosto para se proteger.

“No frio, sempre usamos um cachecol ao redor da cabeça; caso contrário, o rosto fica congelado”, conta Evguênia, que se mudou de Vladivostok para Pevek há alguns anos. “Cobrimos nossos rostos até os olhos”, continua. No entanto, apesar do vento forte e da geada, as jovens continuam usando maquiagem. “Claro, tudo congela, e se estiver com os olhos lacrimejando, é um desastre total. Mas aí que está, você só vai retocar a maquiagem quando estiver em um ambiente fechado”, acrescenta.

Evguênia

E uma coisa é certa: as botas de marca não o levarão muito longe em Tchukotka durante o inverno. “Com as botas de feltro, você pode enfrentar qualquer solo coberto de gelo e neve”, diz Evguênia. “Eu tenho botas de feltro altas, brancas com bordados, elas estão na moda e têm uma boa aparência – e, o mais importante, são muito adequadas para o clima do norte da Rússia.” Segundo ela , também é possível usar botas de inverno comuns, mas “apenas para chegar ao trabalho e somente se não precisar gastar mais de 15 minutos ao ar livre. E essas botas ainda devem ter uma sola grossa composta por várias camadas”.

Não é à toa que os moradores de Tchukotka preferem roupas feitas de materiais naturais: gola alta de algodão, suéteres de lã, chapéus de pele e de pele naturais com capuz. “Mas isso tudo se estivermos falando de nevascas severas. Se a temperatura for de apenas -30°C, você pode usar uma roupa de esqui. Quanto às crianças em idade escolar, segue a mesma regra: andam sem chapéus e com os tornozelos descobertos.”

LEIA TAMBÉM: Por que diabos alguns russos usam apenas camiseta (ou nem isso) em pleno inverno?

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies