“Quando sobe para -50ºC, as pessoas dizem que ficou quente”: como os russos definem frio?

Maksim Blinov/Sputnik
É possível aproveitar a vida quando o termômetro lá fora está marcando 50° C abaixo de zero? Claro que é, dizem os russos, ainda mais se ontem estava -60ºC.

A Rússia é tradicionalmente associada à neve e ao frio, e os russos são considerados tão resistentes que comem sorvete ao ar livre, mesmo quando está congelante. É verdade que os russos não têm medo do frio? O Russia Beyond conversou com moradores de diferentes partes do país para descobrir como eles definem o clima frio.

Geadas siberianas são as mais severas

As cidades mais frias da Rússia – Oimiakon, Verkhoiansk, Vorkuta, Norilsk e outras – estão localizadas na Sibéria e no Extremo Oriente. Geadas de 40ºC abaixo de zero são comuns nesses locais; o inverno começa já em outubro e dura até maio, e a neve é tanto que em muitas partes ainda resiste ao verão. Além disso, diferentes áreas têm suas próprias características climáticas. Por exemplo, em Norilsk os invernos são rigorosos não tanto por causa das temperaturas baixas, mas pelos ventos fontes que literalmente derrubam as pessoas. 

Criança brinca no pátio de edifício residencial em Norilsk

“Temos um clima relativamente seco, então considero que está frio quando a temperatura cai para 30 a 35ºC abaixo de zero (desde que não haja vento). Quando a temperatura está 45º C abaixo de zero ou menos, é um tempo congelante, que geralmente vem acompanhado de neblina”, diz Iana Leucheva, fotógrafa de Norilsk. Com rajadas de vento, a sensação térmica chega a 60ºC abaixo de zero. “Às vezes, mesmo quando a temperatura do ar é de apenas 25°C negativos, mas há um vento norte, congela até os ossos. Tentamos nos manter aquecidos vestindo roupas térmicas por baixo e macacões quentes e, se possível, ficando em casa”, continua Leucheva. Quando os termômetros marcam -45ºC, as crianças de 7 a 15 anos em Norilsk são dispensadas da escola, mas a regra não se aplica ao Ensino Médio.

“Quando a temperatura do ar aqui sobe para 50ºC abaixo de zero, as pessoas dizem que ficou mais quente, enquanto é considerado frio quando as temperaturas caem abaixo de -60ºC”, conta Ilguen Arguistakhov, blogueiro de Oimiakon, na Iakútia – o lugar permanentemente habitado mais frio da Terra. Ali foi registrada a menor temperatura da história: -67,7ºC, em 1933. “Nossos invernos são frios, mas, em alguns anos, há mais dias quentes, às vezes chega a -40ºC. Mas, invariavelmente, todos os anos temos temperaturas de -60°C”, continua Ilguen. “Se não me engano, quando faz menos de 56ºC, os alunos são dispensados das aulas. Mas os adultos trabalham em qualquer clima. Nós apenas tentamos nos agasalhar bem.”

Cidade de Iakutsk com termômetros marcando 50ºC negativos

No sul da Sibéria, os invernos são muito mais quentes – em relação ao norte, é claro. “Normalmente, no inverno temos temperaturas de 20ºC a 40ºC abaixo de zero. Nos últimos anos, cerca de -20ºC durante o dia. Há muita neve, o tempo geralmente nublado, seco e com vento. Eu sinto frio em temperaturas abaixo de -30°C”, diz Marina Krilova, da cidade de Kemerovo. “Com menos 30ºC, quase todo mundo vai para a escola, e todo mundo sempre vai ao trabalho normalmente. Você só coloca uma blusa mais quente e pronto. "

Mar Negro frio, mas sem neve

O clima na Rússia é bastante diversificado: os moradores das cidades no sul do país não veem neve com frequência. Então, quando o fazem, esse clima incomum se torna o assunto dos noticiários. Por exemplo, em janeiro deste ano, nevou em Sochi pela primeira vez em cinco anos; com isso, as redes sociais foram instantaneamente inundadas com fotos de palmeiras congeladas e bonecos de neve na praia. Normalmente, os locais de Sochi têm outro problema com que lidar no inverno – ventos frios do mar, dos quais é difícil se esconder.

Boneco de neve em praia de Sochi

“Eu me sinto desconfortável com 3, 5ºC negativos, e frio mesmo com -6ºC, especialmente quando está ventando”, diz Aleksandra Matvitchenko. “Mas o clima aqui muda tão rápido! Hoje faz 3ºC negativos e estou usando um casaco de pele, mas há apenas uma semana fazia 14ºC e eu estava me exercitando ao ar livre de camiseta.”

Aleksandra conta que, durante o inverno, usa jaquetas leves com mais frequência do que um casaco de inverno porque a estação em Sochi é amena. “Para dizer a verdade, agora percebo o quanto gosto dos invernos em Sochi. Este ano esta é a primeira semana em que a temperatura do ar está abaixo de zero e há neve. Fazia tempos que eu não via neve em Sochi.”

Este ano, o clássico inverno russo chegou também à Crimeia. “O inverno deste ano está com neve. Já se passou muito tempo sem que houvesse neve no solo por três dias. Normalmente, quando neva, a neve derrete em duas horas, e a temperatura raramente cai abaixo de zero”, diz Rimma Zaitseva, de Sevastopol, antes de acrescentar que o ponto mais desagradável da estação é o vento cortante. “Outro dia estava 4ºC negativos, mas com o vento parecia -14ºC. Em janeiro e fevereiro costuma ventar bastante, e o mar fica tempestuoso.”

Mergulho da Epifania, em 6 de janeiro, no Mar Negro

Rimma conta que morou nos Urais por muito tempo; por isso as geadas ao estilo de Sevastopol não a assustam, “embora as pessoas na Crimeia usem casacos de pele e casacos acolchoados quentes e agasalhem seus filhos muito bem”.

Vento e umidade como intensificadores

Quando o clima é seco e faz sol, é muito mais fácil enfrentar o tempo frio do que quando o nível de umidade do ar é alto.  “Quando a temperatura está abaixo de zero e tem vento, é terrível! Mesmo -5ºC parece -100ºC”, diz Valentina Pakhomova, de São Petersburgo, cidade conhecida por suas chuvas intermináveis. Os invernos na região são úmidos e com granizo.

Inverno em São Petersburgo

“Embora eu tenha nascido em Sacalina, não gosto de frio e sinto frio quando a temperatura fica abaixo de -10ºC”, conta Evguêni Kirienko, de Iujno-Sakhalinsk. O clima na ilha, localizada no Extremo Oriente, é diversificado: no sul, as temperaturas de inverno costumam ficar em torno de 15°C abaixo de zero, o tempo é úmido, mas não há ventos fortes, enquanto no norte, a apenas 300 a 400 km de distância, pode chegar a 40°C abaixo zero. “Uma vez estive em Vladivostok por uma semana. A temperatura era de -12ºC e ventava muito. E embora tivesse sol, eu senti duas vezes mais frio do que em Sacalina”, recorda Evguêni.

Nevasca na ilha Sacalina, no Extremo Oriente Russo

Em Moscou, as temperaturas no inverno geralmente não ficam abaixo de -20°C, e o centro costuma ser mais quente do que os bairros mais periféricos. Mas, dependendo do ano (como em 2021), há fortes tempestades de neve que cobrem as ruas e avenidas, além do vento úmido cortante. “Normalmente fica muito frio em temperaturas abaixo de -15ºC”, diz Daria Sokolova, moradora da capital russa. “Mas estou pronta dar uma volta em qualquer tempo.”

Para não sentir frio e aproveitar o inverno, alguns russos praticam a exposição ao frio. “Eu costumava reagir mal a geadas com menos de 20ºC abaixo de zero”, diz Iliá Potapov, membro da comunidade Mergulho Frio Pavloposad, da região de Moscou. “Em 2012, comecei a dar o mergulho no gelo na Epifania, e em 2016 comecei a praticar a exposição ao frio. Depois do primeiro ano de treinamento, eu achei mais fácil entrar na água gelada e aguentar o frio em geral. Faz 12 graus negativos agora e posso usar calçados de verão. Mas, em geral, visto roupas de inverno, pois é preciso manter a cabeça e os pés aquecidos.”

LEIA TAMBÉM: Como funciona o transporte público na Rússia quando está -50°C lá fora?

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies