Como visitar o Vale da Morte russo (e voltar vivo para contar!)

Legion Media
Uma pequena área na Península do Kamtchatka é conhecida como cemitério de animais. Perigosa também para as pessoas, ela é fechada para turistas. Mas o Russia Beyond mostra como conhecer o Vale da Morte russo.

Lendas e verdades

Durante séculos, um pequeno pedaço de terra conhecido como Vale da Morte, na Península do Kamtchatka, no Extremo Oriente russo, não era conhecido pela humanidade - até que ele foi descoberto, por acidente, no século 20.

Conta a lenda que dois caçadores encontraram este lugar bizarro na década de 1930, ao pé do vulcão Kikpnitch, na parte de cima do rio Gueizernaia, na porção oriental da península.

Os homens se depararam com uma terra árida sem grama ou plantas, coberta de corpos de animais mortos.

Depois de alguns minutos, os dois sentiram fortes dores de cabeça e fugiram da área - decisão que salvou suas vidas.

O que os dois contaram sobre o território gerou muito interesse e, nas décadas de 1940 e 1950 caçadores de aventuras viajaram para o vale para tentar desvendar seu mistério, mas nem todos retornaram.

Os moradores locais dizem que quase 80 pessoas desapareceram ali.

Ainda assim, diz-se oficialmente que o Vale da Morte não foi descoberto até 1975. Em 28 de julho, um grupo de vulcanólogos liderados por Vladímir Leonov entrou no vale, onde encontrou um cemitério para animais e pássaros.

Três dias depois, o vale foi descoberto pelo guarda florestal Vladímir Koliaev, que entrou ali vindo de outra direção.

As pessoas se aproximaram do vale muitas vezes sem saber sobre o perigo ali. Uma rota turística do Vale dos Gueisers ao Vulcão Uzon passava a apenas 300 metros de distância do local.

A descoberta foi uma das mais significativas na história da Kamtchatka. Foram organizadas dezenas de expedições científicas para resolver o mistério do Vale da Morte.

O que mata os animais?

Depois de estudo realizado entre 1975 e 1983, os cientistas chegaram à conclusão de que os animais e os pássaros eram mortos pela alta concentração de gases que saía do vulcão.

Uma mistura mortal de sulfeto de hidrogênio, dióxido de carbono, dióxido de enxofre, dissulfureto de carbono e outros elementos se acumulam nas terras baixas do vale sem quaisquer ventos para dispersá-los.

O Vale da Morte é uma área relativamente pequena: tem apenas dois quilômetros de comprimento e 500 metros de largura.

O período de maio a outubro faz deste território um assassino natural, já que a cobertura de neve derrete, liberando gases mortais.

As primeiras vítimas são as aves que bebem água no rio descongelado. Elas são seguidas pelas raposas que chegam ao vale para caçar. Isso, por sua vez, atrai predadores maiores: ursos, carcajus etc.

Os corpos dos animais mortos são preservados por um longo período porque os gases mortais evitam a bactéria responsável pela decomposição. Corpos parcialmente podres de animais no vale não são algo fora do comum.

A questão mais importante que os cientistas ainda não conseguiram sanar é: por que os animais não fogem quando começam a sentir os sintomas e por que eles visitam o vale, em primeiro lugar.

Há quem acredite que os elementos nos gases do vale possam causar uma paralisia parcial, mas isto ainda não está comprovado. Os seres humanos são frequentemente atingidos por dores de cabeça, febre e fraqueza no Vale da Morte - por vezes levando a um resultado fatal.

Como visitar?

O Vale da Morte está fechado para visitas. Os turistas não podem entrar ali, apenas observar a distância.

O vale pode ser visto a partir de um deque de observação instalado a uma distância segura. Os visitantes podem desfrutar da incrível paisagem e ouvir fatos interessantes contados por um guia turístico.

O número de excursões entre maio e junho é limitado. Todas as informações úteis podem ser encontradas na Reserva Kronotski, à qual pertence o Vale da Morte.

Outra maneira de ver o território infame é fazendo um passeio de helicóptero. Além do Vale da Morte, pode-se ver outras partes da península: o Vale dos Gueisers, os vulcões ativos de Karimski e Mali Semiatchik, e o Uzon. O custo de um tour assim é de cerca de US$ 700.

Gostou? Então leia “Turismo alternativo na Sibéria: a magia de festivais indígenas”.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais