A comida russa é gostosa? Nossos leitores respondem!

Legion Media, Russia Beyond
O mundo inteiro é apaixonado pela comida italiana, grega e espanhola. Mas quando alguém menciona a culinária russa, todo mundo faz careta – de confusão ou de desaprovação. A comida russa é tão ruim assim ou as pessoas simplesmente não a conhecem?

Branda, sem gosto e com muita maioneses! Esses são os problemas da culinária russa, de acordo com os estrangeiros que a criticam. Mas será que é assim mesmo?

Cozinha soviética ou russa?

Almoço. Togliatti, 1981.

Após a Revolução de 1917, o governo soviético preciso passar a alimentar muitos trabalhadores que se mudaram da zona rural para a urbana. A nova classe proletária dominante estava ocupada construindo o comunismo e não tinha muito tempo para cozinhar!

Assim, o governo soviético desenvolveu um sistema de cantinas que exigia novas receitas para funcionar de maneira eficiente. Essas receitas buscavam simplificar, reduzir custos e popularizar os alimentos, na maioria dos casos, como a famosa salada Olivier - que, em sua configuração original,  usava ingredientes caros, mas se popularizou com uma adaptação soviética.

Salada Olivier.

Muitos pratos da cozinha tradicional russa eram feitos apenas no tradicional “forno russo” e levavam ingredientes que antigamente eram fartos, mas hoje são raros e caros, como o esturjão. Por isso, eles acabaram adaptados e ganharam uma enorme quantidade de... maionese!

Hoje, a culinária russa incorpora receitas tradicionais (tanto as simples, como as tsaristas), pratos soviéticos e uma cozinha moderna sendo desenvolvida a pleno vapor – com o perdão do trocadilho!

“A Rússia é um país muito vasto e a comida é variada de região em regiçao, assim como nos EUA. Sou casada com um russo e foi assim que descobri a cozinha georgiana, a siberiana, a uzbeque e taártara, compreendendo a variedade que a culinária russa engloba”, escreve a leitora Lug Gavrilov.

Ingredientes limitados

Mercado em Piatigorsk.

Outro leitor, Nick Barlow, explica a enorme influência da sazonalidade na culinária russa. “Há uma curta temporada em que se pode comprar frutas e vegetais frescos. Os restaurantes não compram produtos frescos, dependem dos alimentos em conserva, congelados e enlatados”, diz.

Já a leitora Tiyana Glushatz conta que morei em Moscou por dois anos e gostava muito dos iogurtes, do tvôrog (uma espécie de ricota bastante umedecida) e dos doces feitos com tvôrog. “Eu adorava os peixes na Rússia: salgados ou defumados, fritos, cozidos e, claro, o caviar! O que eu realmente odiava era ser quase impossível encontrar frutas e vegetais frescos em Moscou, tanto em restaurantes quanto em supermercados.”

Comida ardida?

Maya Rana, leitora das Ilhas Maurice, conta que foi difícil se adaptar à falta de pimenta. “Depois de estudar 6 anos na Moscou soviética, hoje em dia eu adoro e preparo em casa comida russa. Meus pratos favoritos são borscht, blini, pelmeni, pirojki, salada stolitchni, caviar, kolbasa e vodca, sorvete e geleias russas e o suco kompot”, conta.

Se as especiarias eram limitadas nas prateleiras antigamente, porém, hoje em dia elas são facilmente encontradas.

Restaurantes russos no exterior

Restaurante Matriochka, em Melbourne, na Austrália.

O leitor Daniel Glenn conta que já comeu em restaurantes russos nos EUA e na Rússia. “Acho que a comida russa tem uma imagem negativa nos EUA só porque existe muito medo e incompreensão da Rússia na mentalidade norte-americana. Além disso, a forma como a comida é apresentada não está à altura do que os americanos esperam ou desejam”, diz.

Como os pratos estrangeiros na Rússia, também os pratos russos dependem de ingredientes típicos frescos, como cogumelos, frutas vermelhas, ervas e tipos especiais de peixes. “Essas coisas podem ser abundantes nas florestas russas, mas não crescem no centro de Berlim ou Manchester”, zomba um leitor que se identifica pelo nickname Kolyan Bratanov.

A cozinha russa é boa?

As one Internet user said: “Russian food is the most terrible food that one misses so dearly.”

Entre os pontos positivos da comida russa, segundo nossos leitores, está a ausência de aditivos químicos: “Amo a comida russa por ser uma coisa da terra, integral e em geral sem aditivos”, diz Walter J. Jacques.

Já o leitor Quin Marshall diz ter sido uma surpresa agradável a qualidade da comida em sua visita à Rússia há alguns anos. “Os produtos lácteos são excelentes. O pelmêni com ervas frescas e smetana ou cebolas caramelizadas, o salo! E, ah, a okrôchka, minha preferida! O borscht, quente ou frio, é incrível! O pignoli da Sibéria com chá... Os ocidentais imaginam que tudo lá é pesado e sem graça. Talvez a comida lá possa ter sido assim no passado, mas eu não fiz sequer uma refeição ruim durante todo o tempo que estive lá”, diz.

Ao contrário do amor de Marshall pelo salo, é justamente para ele que a leitora Isabel Blondet aponta como um dos elementos que espanta os estrangeiros. “Algumas coisas são muito estranhas para pessoas de outros países, como o salo, o [peixe do Cáspio Rutilus caspicus] vôbla e a [sopa fria] okrôchka. Mas, depois de viver 6 anos na Rússia, às vezes eu adoraria tomar uma tigela de borscht com pão “borodínski”, ou riajenka, ou o pelmêni da cantina da Universidade Estatal de Moscou, onde estudei”, confessa Blondet.

 

LEIA TAMBÉM: 5 gororobas que as crianças soviéticas odiavam (e os russos ainda odeiam)

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies