Rogáliki, o icônico “croissant soviético”

Victoria Drey
Desfrute do verdadeiro sabor da infância soviética com uma massa de primeira feita com creme de leite azedo.

O nome "rogálik" ganhou este nome devido a sua forma, já que seu título deriva de uma palavra russa que significa, literalmente, "chifre". Há quem acredite que “croissant” e “rogálik” sejam apenas nomes distintos para a mesma massa de panificação, mas isto não é correto. Se os croissants são tradicionalmente associados exclusivamente à massa folhada, os “rogáliki” podem ser feitos com massa de levedura, massa podre e até massa de ricota.

Nos tempos soviéticos, o tipo mais popular de “rogáliki” era feito com a clássica massa de fermento, que resultava em um pão doce que estava disponível em todas as cantinas de escolas ou empresas e era vendido por um preço tabelado em todo o país.

Dependendo da região, a receita básica de “rogáliki” tinha algumas diferenças: em Moscou, por exemplo, os “rogáliki” mais populares tinham recheio de nozes; em Novosibirsk, a massa era revestida com açúcar de mamona; na Ucrânia, os “rogáliki” eram geralmente recheados com geleia de frutas e bagas (varênie).

Mas minha avó lembra que os “rogáliki” mais amados eram feitos com massa podre: eles eram muito menores que os feitos com levedura, sempre polvilhados com açúcar de confeiteiro e pareciam mais com um biscoito.

Ao contrário da versão de massa com fermento, não se podia encontrar tão facilmente “rogáliki” de massa podre à venda, e é por isso que muitos soviéticos tinham sua própria receita, que muitas vezes compartilhavam.

Hoje, eu sigo praticamente a mesma receita que minha avó usa há quase 30 anos. Em vez da massa podre básica, no entanto, faço a massa com “smetána” (creme de leite azedo ou “sour cream”). Sinto que o uso de laticínios faz muita diferença, e a massa podre fica muito mais macia e com um sabor muito mais rico.

Ingredientes para a massa:

200 g. de farinha de trigo;

100 g. de manteiga;

100 g. de creme de leite azedo;

1 ovo;

½ colher de chá de fermento em pó;

1 colher de chá de açúcar;

Uma pitada de sal.

Ingredientes para o recheio:

Doce de leite;

Açúcar comum;

Açúcar em pó para polvilhar.

Modo de preparo:

1. Primeiro, deixe a manteiga em temperatura ambiente por cerca de 30 minutos para amolecer antes de fazer a massa.

2. Em uma tigela grande, misture a manteiga amolecida com um garfo com a farinha peneirada, fermento em pó, açúcar e sal. Nesse ponto, você deve obter uma consistência arenosa.

3. Em seguida, adicione todos os líquidos (creme de leite azedo e metade do ovo batido) e amasse. A massa deve ficar bastante firme, mas ainda macia e elástica. Divida em duas partes iguais. Em seguida, coloque cada pedaço de massa em um saco plástico e deixe na geladeira por 30 a 40 minutos para esfriar.

4. Pegue uma porção da massa e abra com o rolo, formando um círculo. Em seguida, corte o círculo para fazer entre 10 e 12 triângulos, como uma pizza.

5. É hora de rechear o “rogáliki”: você pode usar praticamente qualquer recheio, de açúcar puro a diferentes tipos de geleias e compotas. A primeira porção da massa, que polvilhei com açúcar, é o recheio de “rogáliki russo mais tradicional. Role cada triângulo em direção ao centro para obter uma forma de croissant e empurre levemente as bordas.

6. Repita todo o processo com a segunda porção da massa. Nela, porém, usei doce de leite, outro recheio tradicional de “rogáliki” (e aliás, meu favorito). Não recheie demais os “rogáliki” com geleia ou doce de leite, pois eles podem vazar durante o cozimento; para uma unidade, use cerca de 2/3 de uma colher de chá.

7. Coloque os “rogáliki” em uma assadeira coberta com papel manteiga e espalhe os biscoitos com a metade restante do ovo batido. Asse no forno a 180 graus Celsius por 20 a 25 minutos, até dourar.

8. Deixe o “rogáliki” esfriar levemente e polvilhe-o com açúcar de confeiteiro. Com acompanhado de leite frio, chá preto ou café – ou a bebida de sua preferência. Priátnogo appetíta!

LEIA TAMBÉM: 10 doces que toda criança soviética adorava

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies