Trigo sarraceno com torresmos, uma nostálgica mistura soviética

Vasilisa Malinka
Todo russo que se preze cresceu saboreando este prato universal, que é perfeito tanto para o café da manhã, quanto como prato principal no jantar.

Toda russa que é mãe ou dona de casa russa sabe fazer a “kacha” (mingau), que há muitas gerações é o principal e mais consistente prato servido no café da manhã.

A kacha pode ser feita com uma variedade de grãos, cozidos em água ou no leite. Crescemos comendo essa papa todas as manhãs antes da escola, mas o prato não é uma exclusividade do café da manhã.

Na verdade, ele é um trunfo da cozinha: pode ser doce ou salgado, uma suntuosa refeição principal ou uma guarnição modesta. Antigamente, aliás, a palavra “kasha” era sinônimo de “banquete”.

Historicamente, a kacha mais popular e importante é feita com trigo sarraceno. Quando você vê a palavra kacha em lendas, sagas e contos de fadas, pode ter certeza de que se referem ao trigo mourisco!

Na verdade, quase se pode dizer que ela é um símbolo da identidade russa - fácil de cozinhar, simples, disponível em qualquer lugar e acessível. Além disso, não precisamos mencionar seus benefícios para a saúde, que são amplamente conhecidos.

A kacha de trigo sarraceno também pode ser prato de um evento festivo, como mostrou o escritor Nikolai Gógol em seu romance do século 19 “Almas Mortas”, onde descreve uma perna de cordeiro recheada com o ingrediente.

Ainda assim, este prato também é popular entre quem faz dieta, e depois de grandes festividades, como a véspera de Ano Novo, pode-se ouvir: “Chega! Vou ficar no trigo mourisco agora!”

É que o grão cozido o mantém satisfeito por um longo tempo e também ajuda a manter a forma.

Heróis nacionais como o general Aleksandr Suvorov e o poeta Aleksandr Púchkin adoravam o trigo-mourisco. Púchkin, em cartas à esposa, escrevia ter jantado kacha de trigo sarraceno com manteiga durante seu famoso período de “outono de Boldino”, o período mais prolífico de sua escrita.

Diz-se também que, por causa de Suvorov a kacha de trigo sarraceno foi apelidada de "soldados", já que ele sugeriu cozinhar o ingrediente com os restos de provisões quando seu exército cruzou os Alpes.

Mais tarde, a kacha de trigo sarraceno foi batizada de Bogatírskaia, e houve até um desenho animado em 1987 para encorajar as crianças a comer o prato, prometendo uma força incrível que poderia até salvar suas vidas!

Esta parece uma simples receita de “kacha de soldado” mas, na verdade, é um clássico, porque vamos adicionar “chkvarki”, ou seja, os torresmos nativos de muitos países, entre eles a Rússia.

Eles são feitos principalmente de uma parte da barriga do porco curada, mas também pode-se usar pele de ganso ou até mesmo de galinha. As pessoas costumam debater qual é o mais saboroso, mas todos acrescentam um charme incrível a este prato.

Então, vá em frente! Experimente e cozinhe a clássica kacha de trigo mourisco; você vai se sentir como um verdadeiro “bogatír” russo.

Ingredientes para a kacha de trigo sarraceno:

200 g. de trigo sarraceno;

400 g. de água;

Sal;

1 cebola;

150 g. de barriga de porco curada;

150 g. de cogumelos (neste caso, shimeji-preto);

10 ovos de codorna;

Cebolinha.

Modo de preparo:

Comece cozinhando o trigo mourisco em duas porções de água para cada uma porção de trigo. Recomendo usar uma panela com um fundo grosso e arredondado, porque ela distribuirá o calor uniformemente na parte inferior, ajudando a obter melhores resultados e diminuindo as chances de um mingau grudento e queimado.

Adicione água, trigo e uma pitada de sal à panela e cubra com uma tampa. Leve à fervura em fogo de médio a alto, deixando ferver por 3 minutos.

Então, abaixe o fogo, deixando apenas o suficiente para a água ferver, e mantenha assim por cerca de 15 minutos, ou até que praticamente toda a água tenha evaporado.

Desligue o fogo e deixe os grãos cobertos por pelo menos mais 5 minutos. O vapor é fundamental quando se cozinha este grão, por isso, para melhores resultados, deixe-o descansar e mexa o mínimo possível.

E lembre-se: quanto mais seco estiver o trigo, melhor ele cozinhará.

Regra importante: não mexa o trigo durante o cozimento e não acrescente mais água no meio do caminho durante o cozimento.

Para completar o prato, corte uma placa de barriga de porco em cubos pequenos e frite em uma panela em fogo de médio a baixo. Deixe a gordura escorrer, até que os cubos fiquem crocantes e dourados.

Enquanto estiver fritando a barriga de porco, cozinhe os ovos de codorna. Coloque-os em uma panela com água fria, diminua o fogo pouco a pouco e deixe na água fervente por 5 minutos.

Dica profissional: depois de ferver os ovos, coloque-os em uma tigela com água gelada. O choque térmico diminuirá o volume do ovo dentro da casca, tornando-o fácil de descascar.

Agora, pique a cebola e os cogumelos em pedaços iguais. Use um pouco da gordura da carne de porco para cozinhar os legumes. Comece com a cebola e frite até dourar. Retire da panela e reserve.

Aqueça bastante a panela vazia e adicione os cogumelos, mas não encha demais o recipiente. Isto garantirá que os cogumelos não percam água, e eles terão uma linda cor caramelizada. Quando os cogumelos estiverem prontos, reserve junto com as cebolas.

Unte a panela e leve a fogo alto. Adicione os grãos e frite até que adquiram uma aparência exterior leve e crocante. Acrescente todos os ingredientes (barriga de porco, cebola e cogumelos) e misture bem até aquecê-los. Não esqueça de adicionar sal e pimenta a gosto!

Quando o grosso do trabalho estiver feito, sirva o trigo em um prato, rale os ovos de codorna por cima e cubra com a cebolinha picada. Agora, a única coisa que falta é comer e se deliciar!

Quer saber mais da cozinha soviética? Então experimente 5 restaurantes para viajar à URSS no centro de São Petersburgo.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Clique 
aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais