As 7 usinas hidrelétricas mais monumentais construídas na era soviética (FOTOS)

Usina de Saiano-Chuchenskaia.

Usina de Saiano-Chuchenskaia.

Iliá Naimúchin/Sputnik
A União Soviética construiu dezenas de usinas hidrelétricas gigantescas para fornecer eletricidade a empresas industriais e cidades inteiras — e algumas delas continuam entre as mais poderosas do mundo!

1. Usina hidrelétrica Saiano-Chuchenskaia

A mais poderosa usina elétrica da Rússia fica localizada em Khakassia, no rio Ienissei. Sua represa, com 242 metros de altura, é considerada uma das mais altas do mundo. Foram necessários 37 anos para terminar a construção da hidrelétrica, entre os anos de 1963 e 2000, embora sua primeira unidade de energia tenha sido lançada já em 1978.

A estrutura da barragem, criada por engenheiros de Leningrado (hoje, São Petersburgo), é muito firme — como a usina fica localizada em um local de atividade sísmica ativa, deve suportar fortes vibrações. Dizem que a quantidade de concreto usado na construção dessa usina hidrelétrica seria suficiente para abrir uma estrada de Moscou a Vladivostok. As descargas de água da barragem no Ienissei são impressionantes e consideradas uma espécie de ponto turístico.

2. Usina hidrelétrica de Krasnoiarsk

A nota de 10 rublos tem uma imagem desta usina hidrelétrica que fica perto da cidade de Divnogorsk, no no krai de Krasnoiarsk. A usina de Krasnoiarsk foi construída entre 1955 e 1971 e é a segunda maior da Rússia (na época de seu lançamento, ela era a maior do mundo). Ela alterou significativamente a temperatura da água no Ienissei nesta área: a água ali já não congela mais, mesmo nos invernos rigorosos da Sibéria.

O único elevador de embarcações da Rússia fica localizado ali: a embarcação (pequena ou grande) entra em uma plataforma especial sobre trilhos e é transportada para cima, como um funicular.

O visual é fantástico.

3. Usina hidrelétrica do Volga

A construção desta hidrelétrica próxima a Volgogrado foi um dos “Grandes Projetos de Construção do Comunismo”: 30.000 pessoas trabalharam em sua construção anualmente. Mas nem tudo eram flores nessa construção: existem registros de que, em 1° de janeiro de 1951, entre os 6.084 trabalhadores envolvidos na construção da hidrelétrica do Volga 4.969 eram prisioneiros e apenas 1.115 assalariados. Para erguer a usina, foi até mesmo formado um campo de trabalhos forçados na cercania, o Akhtubinski (fechado em 1953). De acordo com dados do Centro Memorial de estudos sobre as repressões na URSS, em 1953 o campo de trabalhos forçados já tinha 24.364 prisioneiros.

Quando de seu lançamento, em 1963, esta era a maior usina hidrelétrica do mundo.

Ao longo do topo da barragem foram construídas também uma estrada e uma ferrovia, oferecendo a rota mais curta para conectar o local a diferentes territórios do Volga. Para compensar os danos ao meio ambiente que a construção da hidrelétrica causou, uma incubadora de esturjão foi instalada ali.

A usina do Volga também é notável do ponto de vista artístico, decorada com mosaicos monumentais e painéis no estilo da arte monumental soviética.

4. Usina hidrelétrica Viliui

A primeira usina hidrelétrica do mundo construída sobre o permafrost fica localizada no rio Viliui, na Iakútia. Sua construção facilitou a mineração de diamantes em larga escala na área depois que os geólogos soviéticos descobriram ricos depósitos de diamantes escondidos nesta região remota.

Nenhuma outra forma de energia além da hidrelétrica poderia funcionar ali, e o processo de construção da usina foi extremamente complicado: não havia estradas ou aldeias, só permafrost, e as temperaturas no inverno caíam até os 60 graus Celsius negativos.

Em meados da década de 1970, todas as unidades de energia da usina foram colocadas em operação. Hoje em dia, a aldeia montada por aqueles que construíram a usina tem cerca de 4.000 moradores. Posteriormente, outras usinas hidrelétricas soviéticas também foram construídas sobre o permafrost.

5. Usina hidrelétrica Kolimá

A mais poderosa hidrelétrica sobre o permafrost é a de Kolimá, que fica a 500 quilômetros de Magadan e gera cerca de 75% da eletricidade da região. Originalmente, o plano era construí-la na década de 1930, mas o investimento foi considerado muito alto na época.

O projeto final foi aprovado em 1970, mas oficialmente a construção foi concluída apenas em 2007: devido ao solo difícil e ao clima hostil, houve vários atrasos. Antes da usina hidrelétrica, não havia nada ali e a estrada mais próxima ficava a 40 quilômetros de distância. Agora existe uma aldeia, com população de 2.000 pessoas, situada próximo à usina.

6. Usina hidrelétrica de Ribinsk

Esta hidrelétrica construída entre 1935 e1955 e suas eclusas são hoje consideradas um monumento arquitetônico. Ela fica localizado na cidade de Ribinsk, no Volga.

Monumento

Para construí-la, cerca de 10% da região de Iaroslavl foi inundada, incluindo florestas, terras agrícolas e casas residenciais. Além de pequenas aldeias, a área inundada incluía uma antiga vila comercial, Mologa, que de vez em quando ressurge de sob a água, revelando o que resta de suas fundações e ruas.

Além do impacto ambiental, a usina de Ribink também utilizou trabalho forçado de prisioneiros em sua construção. Para tanto, foi criada uma instituição especializada, a “Volgostroi NKVD”, com fins de organizar o trabalho forçado de prisioneiros nas usinas de Ribinsk e de Uglitch.

7. Usina hidrelétrica de Tchirkei

Esta usina hidrelétrica no Daguestão é a mais poderosa do Norte do Cáucaso. Ela foi construída na década de 1970 em um desfiladeiro estreito e muito íngreme, e sua barragem é considerada a segunda mais alta do país. Localizada nas águas azul-turquesa do rio Sulak, a usina tem um visual muito pitoresco e atrai muitos turistas.

VEJA TAMBÉM: Por que a URSS construía estações de metrô dentro de edifícios residenciais?

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies