Como o recém-nascido Estado soviético obteve ajuda capitalista e depois renegou

Sputnik
A indústria pesada soviética, que ajudou o país a vencer a Segunda Guerra Mundial e se tornar uma superpotência, foi criada em grande parte com a ajuda dos EUA. Mas as autoridades soviéticas fizeram o que puderam para manter tudo em segredo.

Em meados da década de 1920, o jovem Estado soviético, após o batismo de fogo na longa e devastadora Guerra Civil (1918 a 1922), era um país enfraquecido, com um enorme setor agrícola, alto desemprego e indústria atrasada. Como se isso não fosse ruim o suficiente, o território soviético estava cercado por outras nações hostis.

Diante de tais circunstâncias, a liderança soviética percebeu a necessidade urgente de transformar a URSS em um Estado forte – econômica e militarmente –, ainda que fosse preciso fazê-lo do zero e em alta velocidade. “Estamos 50 a 100 anos atrás dos principais países. Precisamos recuperar esse prejuízo em dez anos”, declarou Stálin.

Teoria à parte, havia problemas práticos para superar. Especialistas soviéticos tinham recursos, mas nenhuma experiência de construção industrial moderna. Por isso, tomou-se a decisão de envolver os profissionais estrangeiros do mundo capitalista.

“Arquiteto da Ford” na “terra dos soviéticos”

Diversas empresas estrangeiras renomadas foram convidadas a participar da industrialização stalinista, entre elas a Siemens-Schuckertwerke AG, a Ford Motor Company e a General Electric. Mas a marca mais significativa foi feita pelo arquiteto industrial Albert Kahn e sua firma Albert Kahn Associates, com sede em Detroit. 

Arquiteto Albert Kahn

Os arquitetos industriais da Kahn Associates projetaram e construíram instalações industriais usando “correias transportadoras”. Dezenas de fábricas foram construídas com esse sistema, acelerando o processo de construção e com custos mínimos. Foi a Kahn Associates que projetou a sede da General Motors e quase todas as fábricas de automóveis de Henry Ford, o que lhe rendeu o apelido de “arquiteto da Ford”.

Kahn e sua metodologia foram uma verdadeira descoberta para a URSS, já que no novo Estado soviético as decisões sobre a construção industrial eram, em geral, não sistemáticas e espontâneas. A abordagem individual dos especialistas soviéticos, sem uma visão geral de coisa, significava que as fábricas levavam dois anos para ser construídas, enquanto Albert Kahn fazia o trabalho de em 3 a 6 meses. Foi o “pontapé inicial” que a industrialização soviética precisava. 

O nascimento dos gigantes industriais

Em 1928, dezenas de engenheiros da firma de Kahn chegaram à URSS sob a direção de seu irmão Moritz. Embora o próprio Albert nunca tenha visitado a “terra dos soviéticos”, ele via sua missão na Rússia como algo mais do que apenas negócios.

“Não acredito que o mundo possa se recuperar até que os outros povos ajudem os russos a transformar seu país em uma sociedade industrial moderna que se desenvolva em harmonia com o resto do mundo”, escreveu o norte-americano.

Especialistas americanos dentro de fábrica de automóveis projetada por Albert Kahn em Tcheliabinsk, em 1932

Entre 1929 e 1932, em colaboração com especialistas soviéticos interessados ​​em adquirir experiência estrangeira, engenheiros dos EUA construíram 571 instalações industriais em todo a União Soviética: de fábricas gigantescas, como a planta de tratores em Tcheliabinsk, a oficinas menores.

Foram os arquitetos da Kahn que projetaram e construíram uma das primeiras grandes empresas industriais da URSS – a famosa fábrica de tratores de Stalingrado, que produzia e consertava os tanques T-34 durante a Grande Guerra Patriótica. A fábrica foi construída nos EUA, desmontada e transportada para a URSS, e depois remontada em solo soviético no intervalo de 6 meses com supervisão de engenheiros americanos.

O sucesso foi tão grande que, em 1930, a empresa de Kahn se tornou a principal projetista e consultora do governo em construção industrial. Mas esse favoritismo não durou muito e logo a liderança soviética decidiu se livrar de empresas estrangeiras.

O adeus não tão longo

Em 1932, a URSS enfrentou as consequências da política mal calculada de venda descontrolada de grãos no exterior para quitar a rápida industrialização. A crise financeira e a fome que se seguiram obrigaram o governo a rescindir contratos com empresas ocidentais, incluindo a Albert Kahn Associates.

Além disso, as fábricas civis soviéticas estavam sendo gradualmente militarizadas. De acordo com o plano, as fábricas de construção de tratores deveriam produzir não apenas máquinas agrícolas, mas também tanques, que se mostraram eficazes na guerra subsequente contra a Alemanha nazista. Sob nenhuma circunstância, os estrangeiros poderiam testemunhar a militarização secreta da indústria soviética.

Oficina de montagem na Fábrica de Tratores de Stalingrado (a partir de 1961, Fábrica de Tratores de Volgogrado), em 1937

“Eles estão construindo fábricas militares, mas não querem que saibamos disso”, escreveu Moritz Kahn a seu irmão.

A ideologia também começou a desempenhar seu papel. A ajuda das potências imperialistas ocidentais na criação da indústria pesada era cada vez mais subestimada.

Expressões anteriormente comuns como “portão ferroviário do tipo norte-americano” ou “coluna metálica do tipo americana” foram apagadas de artigos científicos e documentos oficiais em meados dos anos 1930, quando as empresas já haviam saído.

A União Soviética tentou esconder a assistência inestimável prestada por especialistas ocidentais, proclamando: “Fizemos tudo isso sozinhos e faremos ainda mais”.

Veja também como os americanos passaram a adorar vodca.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Então assine nossa newsletter semanal ou diária.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies