3 fobias que atormentavam o temido Stálin

George Petrusov/Sputnik, Russia Beyond
A propaganda soviética pintava o líder soviético como um homem implacável. A verdade, no entanto, era bem diferente: Stálin era consumido por medos e fobias.

Aerofobia (medo de voar)

Ioussef Stálin tinha pavor de voar. Apesar de sua paixão por aviação, ele não conseguia entrar em um avião e preferia viajar de trem.

Seu medo foi agravado por frequentes catástrofes aéreas de 1920 a 1930, em que morreram importantes figuras políticas da União Soviética.

Em 1925, um grupo de oficiais soviéticos de alto escalão baseados no Cáucaso caiu perto de Tiflis (Tbilisi, capital da Geórgia) enquanto voavam para Sukhumi. O revolucionário Leon Trótski deveria estar no mesmo voo, mas, na última gora, decidiu pegar um trem. O proeminente teórico militar soviético Vladímir Triandafillov foi morto em outro acidente aéreo, em 1931. Dois anos depois, um dos criadores da Força Aérea Soviética, chamado Piotr Baranov, teve o mesmo destino.

LEIA TAMBÉM: Complexo oferece hospedagem na casa de Stálin em Sochi 

Stálin ficou chocado com essas mortes e iniciou pessoalmente comissões internas para descobrir o motivo das tragédias. De vez em quando, ele até proibia os principais oficiais de viajar de avião, e aqueles que o ignoravam eram severamente repreendidos. Porém, houve duas ocasiões em que o líder soviético subiu aos céus.

Em 1943, quando participou da Conferência de Teerã, Stálin não só voou para Baku, como retornou a Moscou de avião. No entanto, ele se recusou a voar em qualquer aeronave soviética e chegou à capital do Irã a bordo de um avião Douglas C-47 Skytrain americano (pertencente à Força Aérea Soviética) escoltado por 27 caças.

Toxicofobia (medo de ser envenenado)

Embora todas as refeições de Stálin fossem submetidas a diversos testes por sua equipe de segurança, para se certificar de que não estavam envenenadas, ele vivia paranoico. Durante o Grande Expurgo, no final dos anos 1930, isso só piorou.

Durante as festas com seus colegas comunistas, ele sempre pedia que experimentassem a comida antes de consumi-la. Até mesmo nas festas com seus companheiros mais próximos e confiáveis ​​Lavrenti Beria e Anastas Mikoian, Stálin pedia a eles que provassem o vinho antes de virar sua taça.

Apesar do consenso de que Stálin morreu de causas naturais, há boatos de que ele teria sido envenenado por alguém de seu círculo íntimo.

Somnifobia (dificuldade de adormecer e medo de dormir)

Stálin morria de medo de morrer durante o sono; por isso, preferia trabalhar à noite, e só adormecia quando estava fisicamente e psicologicamente esgotado.

As autoridades soviéticas odiavam o fato de que ele trabalhava enquanto todos os outros dormiam, pois podiam ser convocados a qualquer momento durante a noite.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies