Todas as vezes que o Ocidente tentou (sem sucesso) intervir na Guerra Civil russa

Tropas americanas desfilando em Vladivostok, no Extremo Oriente, sob os olhares de fuzileiros navais japoneses

Tropas americanas desfilando em Vladivostok, no Extremo Oriente, sob os olhares de fuzileiros navais japoneses

NARA
Entre 1918 e 1922, nações antes aliadas à Rússia enviaram seus soldados para ocupar locais estratégicos no país, em um esforço para proteger seus interesses (e, possivelmente, influenciar o curso do conflito). O Exército Vermelho prevaleceu, porém, sobretudo porque as outras potências não tinham uma estratégia coerente.

Os bolcheviques tomaram o poder em outubro de 1917, enquanto o Império Russo estava em guerra com a Alemanha. Vladímir Lênin prometeu acabar com o conflito, e uma das primeiras coisas que fez foi assinar um decreto propondo “uma paz imediata sem anexações e sem indenizações”.

A decisão representou uma surpresa agradável para a Alemanha, mas um grande choque para os aliados da Rússia: Grã-Bretanha, França, EUA e Japão. Preocupados com o caos no país, as nações enviaram tropas para ocupar partes da Rússia.

Vitória de 8 meses para os alemães

Quando os bolcheviques sugeriram o fim da guerra, a situação apenas piorou para o Exército russo, que ainda estava no campo de batalha. A Alemanha continuou a ofensiva, e Leon Trótski, o braço direito de Lênin, não conseguiu negociar a paz em termos favoráveis. Em suas memórias, Trótski descreveu as negociações durante aquela época: “O general [alemão Max] Hoffmann, cansado de debates judiciais, costumava colocar sua bota de combate sobre a mesa. Estávamos bem conscientes de que esta bota foi o único argumento tangível durante as negociações”.

Alemães (à dir.) e bolcheviques (à esq.) durante negociações do Tratado de Brest-Litovsk, em 1918

De fato, as botas de combate levaram a melhor, e, em 3 de março de 1918, Trótski foi obrigado a assinar o bastante desfavorável Tratado de Brest-Litovsk, pelo qual o antigo Império Russo cedia oficialmente a Ucrânia, a Finlândia, a região do Báltico e a Polônia, perdendo 34% de sua população e 54% das empresas industriais.

Com a assinatura do Tratado, os políticos da Tríplice Entente (França, Rússia e Grã-Bretanha) ficaram indignados e resolveram as coisas por conta própria.

A Alemanha só aproveitou a conquista até novembro de 1918, quando se rendeu e assinou o Armistício de Compiègne (que representou o fim da Primeira Guerra) com os aliados da Entente.

Tropas inglesas chegando ao porto de Arkhanguelsk, em 1918

Em março de 1918, soldados britânicos, franceses e americanos desembarcaram em Arkhanguelsk, um porto estratégico no mar Branco. Em agosto, ocuparam Murmansk, outro porto, no norte da Rússia. O movimento antibolchevique apoiou a intervenção, para impedir que as remessas ocidentais de munição caíssem nas mãos dos alemães.

“Lênin e Trótski assinaram uma paz vergonhosa (…) por meio da qual libertaram mais de um milhão de alemães para atacar nosso povo no Ocidente. (…) Os Aliados, em (agosto de) 1918 (…), decidiram ocupar Arkhanguelsk e Murmansk e colocar uma força inter-aliada em solo ali”, escreveu Winston Churchill, então ministro britânico das Munições.

Da Ucrânia para Vladivostok

O norte da Rússia não foi o único lugar onde as tropas ocidentais se instalaram. Elas também intervieram na região do Cáucaso, na Ásia Central e na Crimeia, onde os regimentos coloniais franceses permaneceram por alguns meses.

“Tropas africanas exóticas vagavam pelas ruas da cidade - africanos, marroquinos, argelinos… descuidados, sem a menor ideia do que estão fazendo aqui”, descreveu um cantor russo chamado Aleksandr Vertinski.

Soldados e marinheiros de vários países em frente à Sede dos Aliados, em Vladivostok

O Japão enviou cerca de 70 mil soldados para o Extremo Oriente russo, tomando o controle de Vladivostok e de toda a costa do Pacífico. Os japoneses superaram todos os outros invasores em termos do número de tropas: a Grã-Bretanha e suas colônias enviaram cerca de 30 mil, enquanto os EUA, aproximadamente 15 mil. A França, exaurida pelas perdas de guerra, conseguiu enviar um número bem menor de tropas.

Paralelamente, no centro da Rússia, 40 mil soldados tchecoslovacos estavam se movendo rumo ao leste através da Sibéria, tentando encontrar uma saída do país. Eram soldados austro-húngaros capturados, e, na Rússia, formaram a Legião da Tchecoslováquia para lutar contra seus antigos senhores – mas a guerra acabou, e o governo russo para o qual trabalhavam já não existia mais. Recusando-se a ajudar os bolcheviques, os tchecoslovacos contribuíram para o Movimento Branco, ao mesmo tempo que tentavam encontrar uma saída para fugir da Rússia. 

Guerreiros ociosos e a falha previsível

O papel dos tchecoslovacos na luta contra os vermelhos era inexpressivo – assim como o da Entente em geral. “Por três anos, exércitos britânicos, franceses e japoneses permaneceram em território russo. Sem dúvida, se tivessem feito o menor esforço para nos derrotar, teriam vencido”, reconheceu Lênin.

Os líderes do Movimento Branco, como o almirante Aleksandr Koltchak e o general Anton Denikin, também avaliaram a ajuda da Entente como “mínima”.

O principal biógrafo de Koltchak, Vladímir Khandorin, escreveu, por exemplo, que a assistência dos aliados se limitava a “fornecer armas e uniformes aos exércitos [brancos]”, e seus destacamentos raramente enfrentavam o Exército Vermelho no campo de batalha.

Almirante Aleksandr Koltchak (sentado à direita) com oficiais britânicos na Frente Oriental, em 1918

Além disso, as potências ocidentais estavam constantemente em desacordo com os brancos em relação ao futuro da Rússia. Apresentando-se como patriotas dedicados, os generais do Exército Branco lutavam por uma Rússia “unida e indivisível”, enquanto os aliados queriam conceder independência às províncias nacionais do país.

“Lloyd George [o então primeiro-ministro britânico] hesitava entre ajudar o Movimento Branco, planejar o comércio com o governo soviético e a disposição de apoiar a independência de Estados menores ao longo da fronteira russa”, escreveu o historiador Dmítri Lehovitch sobre o posicionamento da Grã-Bretanha na época.

O empasse não terminou bem para os brancos, que foram derrotados: alguns mortos pelos bolcheviques (Koltchak), e outros tiveram que emigrar (Denikin).

Armas e equipamento militar capturados pelos soldados do Exército Vermelho, em 1919

Até o final de 1919, tchecoslovacos, britânicos e todas as outras tropas ocidentais já tinham regressado para seus países de origem. Os japoneses permaneceram no Extremo Oriente até 1922, mas também não estavam dispostos a lutar contra os bolcheviques e partiram. Foi então que o Ocidente finalmente percebeu que precisaria estabelecer relações com a nova Rússia soviética.

Tem mais interesse no tema? Confira então “As 5 piores derrotas militares da história russa”. 

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Clique 
aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais