O milagre soviético do hóquei: de esporte desconhecido a lenda

Getty Images
Até os anos 1940, a URSS mal sabia o que era um taco de hóquei. Mas o esporte, praticamente desconhecido na época, tornou-se o orgulho do povo soviético e o pior pesadelo da prestigiada equipe canadense em um curto período de tempo.

Até 1946, os russos não sabiam nada sobre hóquei no gelo. Naquela época, o bandy era o esporte mais popular do país. Mas o hóquei foi ganhando popularidade devido à visibilidade obtidas com os Jogos Olímpicos, e as autoridades esportivas soviéticas confiaram ao burocrata soviético Serguêi Savin a missão de “estudar cuidadosamente esse jogo desconhecido para entender o seu potencial”. Savin viajou à Letônia, onde conseguiu alguns patins de gelo feitos no Canadá, além de um taco e um disco.

A ideia era testar o hóquei em público para saber as reações do povo russo ao novo jogo. Assim, após um jogo de bandy no Parque Petrovski, em Moscou, em novembro de 1946, os organizadores pediram ao público para permanecerem sentados, prometendo-lhes um novo show: um jogo de hóquei no gelo. As duas equipes eram formadas por estudantes universitários que mal conseguiam manusear os tacos.

A primeira partida oficial de hóquei no gelo aconteceu em 22 de dezembro de 1946.

O Dínamo Moscou foi o primeiro time de hóquei no gelo a conquistar o título de campeão russo em 1947.

Esta foi a primeira seleção nacional de hóquei no gelo soviética.

Em 1954, somente oito anos após a primeira partida entre as duas equipes de amadores, os atletas soviéticos fizeram sua estreia na Copa do Mundo de 1954, em Estocolmo, e ganharam o ouro sobre a tradicional equipe do Canadá.

O novo e desconhecido time de hóquei no gelo venceu a partida por 7 a 2.

A rivalidade entre as duas equipes atingiu seu ápice em setembro de 1972, durante a Guerra Fria, quando foi organizada a “Summit Series” – uma série de oito partidas de hóquei no gelo disputadas entre as seleções nacionais da URSS e do Canadá.

Neste torneio, porém, os canadenses levaram a melhor.

Com a derrota, os soviéticos se esforçaram ainda mais nas ligas seguintes. Nesta foto, vê-se os jogadores soviéticos Valéri Kharlamov, Vladímir Petrov, Boris Mikhailov.

Sob o comando do técnico Víktor Tikhonov, a seleção soviética conquistou 22 medalhas de ouro em uma série de campeonatos mundiais ocorridos entre 1954 e 1990. Sete dessas medalhas de ouro foram ganhas durante Jogos Olímpicos no período entre 1956 e 1988. Apesar das diversas vitórias, Tikhonov era bastante criticado pelos métodos estritos (quase militares) usados ​​com os jogadores.

A competição acirrada entre as seleções soviética e canadense fez com que os jogadores se tornaram superestrelas. O goleiro Vladislav Tretiak ficou famoso no mundo todo e hoje é membro da Duma de Estado (câmara baixa do Parlamento).

A imprensa americana apelidou a seleção soviética de “a máquina vermelha”. O capitão da equipe dos EUA, Mike Eruzione, declarou que os jogadores soviéticos nunca sorriam, mesmo quando marcavam pontos. “Eram como robôs”, disse.

A seleção dos Estados Unidos conseguiu vencer “a máquina vermelha” nos Jogos Olímpicos de Inverno de 1980, em Nova York. A vitória ficou registrada na história como “o milagre no gelo”.

O equipe de hóquei no gelo soviética deixou de existir junto com a queda do regime, mas a equipe nacional russa pegou seu bastão.

Recentemente, os atletas olímpicos russos de hóquei no gelo, representados pela bandeira neutra e liderados pelo técnico Oleg Znarok, conquistaram a medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Inverno 2018 em PyeongChang, na Coreia do Sul.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Leia mais
Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.