Da ruína à vitória na Europa: a história do futebol soviético em fotos

Imagens relembram partidas travadas em tempos de guerra e paz.

Quando o Império Russo veio abaixo, em 1917, o mesmo aconteceu com a seleção nacional de futebol, com jogadores espalhados pelo mundo, lutando nas trincheiras da Primeira Guerra Mundial e até trabalhando para a inteligência britânica.

Após a Guerra Civil, surgiu um novo país. O isolamento internacional dificultou a criação de uma equipe nacional soviética, mas isso era uma questão de grande importância para a liderança da época. A situação mudou em 1924 graças à Turquia.

A seleção turca não era a mais forte e jogou apenas uma partida nas Olimpíadas de Paris de 1924, perdendo para a Tchecoslováquia. Ainda assim, os turcos queriam disputar contra os soviéticos, uma equipe que ninguém conhecia.

Depois que a Turquia recebeu a aprovação da Fifa, o país enviou um convite oficial à URSS para disputar uma partida amistosa.

O Conselho Supremo de Cultura Física dos Soviéticos sancionou o jogo e estabeleceu um uniforme para a seleção: camisas vermelhas e shorts brancos.

O amistoso foi marcado para 16 de novembro de 1924 em Moscou.

Como uma equipe estrangeira iria visitar a URSS, a máquina de propaganda estatal começou a retratar a partida como sendo “de grande importância”.

Com a aproximação do evento, uma nova seleção soviética foi montada, e o jogador Mikhail Butusov acabou sendo selecionado como o capitão da equipe.

No dia da partida, o jornal soviético “Esporte Vermelho” escreveu: “As pessoas dificilmente acreditam que o jogo acontecerá em 16 de novembro. Nevou a semana toda; o degelo foi substituído por geadas e campos cobertos de gelo. Mas a natureza permitiu que essa partida mais acontecesse. Há mais de 15 mil espectadores – um número recorde para Moscou e a URSS. ”

Os soviéticos ganharam a partida por 3 a 0, e essa vitória relativamente fácil sobre uma equipe mediana foi retratada como um grande triunfo para a União Soviética, que tinha que lidar com um bloqueio político dos países capitalistas. A vitória marcou o início de um renascimento das tradições de futebol, então perdidas no país.

Os turcos tentaram revanche com um segundo jogo realizado em Ancara em 15 de maio de 1925, mas que também terminou a favor dos soviéticos – por 2 a 1 desta vez. A notícia mais uma vez causou exaltação na União Soviética.

A comoção, porém, também se esvaiu rapidamente. A Fifa se opôs a outras partidas contra a equipe soviética, e a URSS só se tornou membro da federação em 1947.

Embora os soviéticos não pudessem participar de grandes jogos, o futebol se desenvolveu no país. Em 1928, um novo estádio, do Dínamo, foi aberto em Moscou.

Em 22 de maio de 1936, o Dínamo de Leningrado enfrentou a equipe do Lokomotiv, de Moscou, no primeiro campeonato soviético de futebol.

A modalidade esportiva rapidamente conquistou os corações do povo soviético. No ano de 1940, foi realizado o primeiro jogo de futebol no Ártico.

Durante os anos mais difíceis da Segunda Guerra, o futebol uniu e deu esperança ao povo na época. Houve, inclusive, uma partida famosa entre o Dínamo e os operários da Fábrica de Metal de Leningrado, entre os quais vários jogavam em clubes de futebol profissional.

Quando a guerra chegou ao fim, o Dínamo de Moscou fez uma visita histórica ao Reino Unido, onde enfrentou os melhores clubes locais, incluindo Chelsea e Arsenal. Os jogadores soviéticos venceram duas das quatro partidas; as outras duas terminaram em empate. O sucesso da turnê de futebol soviética na Grã-Bretanha ajudou o país a se associar à Fifa em 1947.

A seleção nacional soviética logo conquistou respeito internacional. Em 1960, os soviéticos bateram a Iugoslávia por 2 a 1 e se tornaram campeões europeus.

Apesar dos avanços no período, a seleção da Rússia moderna jamais conseguiu vitórias expressivas em campo. Por quê? Veja aqui a opinião de especialistas.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Clique 
aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies