Você sobreviveria uma semana no Exército russo?

Kirill Kukhmar/TASS
Se você tivesse que cumprir o serviço militar obrigatório na Rússia, poderia esperar as quartas-feiras da “borracha”, as quintas “gays” e muitas outras surpresas ao longo do ano.

Além do serviço por contrato, a Rússia ainda conta com serviço militar obrigatório. Ao completar 18 anos ou se formar na universidade, todos os indíviduos do sexo masculino devem servir - atualmente por apenas um ano (dos antigos dois). 

No entanto, muitos ainda temem o Exército por causa das duras condições de vida e dos trotes, e alguns chegam a comparar o recrutamento a um ano de prisão.

Muito, é claro, depende de qual unidade militar para onde indivíduo é encaminhado. Seja como for, os recrutas são aconselhados a tratar a provação com humor, encará-la como uma experiência e até mesmo tentar curtir a vida militar.

Eis aqui o que lhes aguarda e como superar os desafios. 

Segunda-feira do “comandante” 

O início da semana de trabalho no Exército é sempre um turbilhão de acontecimentos. A manhã começa com o despertar às 6, acompanhado pelos gritos do comandante de “Levantem-se!” e uma marcha atlética obrigatória. Você e seus colegas recrutas sairão do quartel e, faça neve ou faça sol, correrão vários quilômetros ao redor da unidade e entornos, cantando uma música de chamada e resposta.

Segunda-feira é o dia em que os comandantes realmente pegam pesado, para descontar o fim de semana. Até mesmo um simples passo fora da formação é punível com um turno de trabalho sujo.

É melhor passar o dia em serviço de combate ou no campo de tiro, longe dos olhos dos oficiais da unidade. Isso porque, de acordo com uma tradição militar obscura, é neste dia que Napoleões em potencial tentam mostrar a seus superiores como são eficazes em colocar seus subordinados na linha.

Se você ficar na unidade e não for enviado para o campo de tiro ou colocado em serviço de combate, passará o dia marchando no campo de desfile aos gritos do comandante, ou limpando latrinas.

Terça-feira do “tiro” 

Na terça-feira, todo o pessoal é enviado para o campo de tiro. Nos primeiros meses de serviço, esta é sempre a atividade favorita. Mas vira entediante depois de um tempo.

Noventa por cento do tempo, você aprenderá a disparar com um fuzil AK-12 e uma pistola Iariguin. Os disparos ocorrem em paralelo com o treinamento de manuseio de armas e outras técnicas de combate.

Para obter mais informações sobre o treinamento de soldados, incluindo das forças especiais, confira nossa reportagem aqui.

Quarta-feira da “borracha” 

O lema de quarta-feira é: “E se houver uma guerra?” Neste dia, você praticará ações de combate técnicas e táticas na unidade e na floresta vestido com roupas de proteção máxima.

O traje consiste em uma macacão de borracha de corpo inteiro com máscara de gás, como aquele usado, por exemplo, pelas equipes de resgate em Chernobyl na série homônima da HBO. Este equipamento impermeável e muito abafado deve (teoricamente) protegê-lo da radiação após um ataque nuclear ou com arma biológica.

Pela manhã você aprenderá a vestir o macacão, e à tarde, ainda vestindo, será enviado para mais uma corrida, além de praticar habilidades em campo.

Quinta-feira “gay”

Quinta-feira é dia de médico, quando todo o pessoal da unidade passa por exames.

Os soldados chamam este dia de “gay” porque todos ficam apenas de cueca ou avental, enquanto os médicos fazem uma inspeção detalhada. O exame é obrigatório e os médicos são instruídos a relatar quaisquer sinais de espancamentos ou ferimentos não informados pelo recruta. O Exército está sempre pronto a lidar com incidentes de trote internamente.

Após o check-up matinal, você é encaminhado para o balneário, onde mesmo quem costuma fugir da água não consegue se livrar do banho obrigatório.

Sexta-feira sem epíteto

Sexta-feira é quando chegam os pedidos de licença de fim de semana. Este é o dia mais esperado da semana, quando, se tiver sorte, você será liberado para retornar ao mundo civil por alguns dias e receberá permissão para ficar com a família e amigos.

Todo soldado espera a sexta-feira com esperança. O relatório semanal chega na hora do almoço, detalhando todas as suas realizações (e erros) no serviço. Os melhores recebem permissão para passar o fim de semana em casa. O restante fica na unidade para defender a Pátria no final de semana e fazer a “arrumação”.

Sábado “molhado”

Sábado é o “dia da limpeza e manutenção”, quando todos que não puderam ir para a casa da família são colocados para limpar o quartel e o terreno da unidade.

A primeira metade do dia segue o princípio de “muita espuma nunca é suficiente”. Você literalmente patina no sabão enquanto a água é derramada por todo o quartel, que é então esfregado até ficar brilhando.

Para aqueles que dizem que você deve jogar fora comida caída no chão, o Exército russo é o único lugar no mundo onde uma salsicha no chão é mais limpa do que em suas mãos.

No sábado, você aprenderá o que é limpeza de verdade e começará a respeitar mais seus pais (pressupondo-se que são eles que fazem a faxina em casa).

Domingo “de folga”

Domingo é dia em que se pode dormir até mais tarde. Mas “mais tarde” significa apenas 30 minutos a mais na cama. Também é o único dia em que você não é obrigado a correr logo de manhã cedo.

Você pode passar o domingo fazendo suas próprias atividades: dar um passeio, malhar na academia, encontrar-se com parentes em visita, ler um livro ou até mesmo dormir um pouco.

A última opção é um luxo especial no Exército, porque embora oficialmente os soldados devam dormir de 6 a 8 horas por noite, acaba sempre sendo muito menos na realidade. Por isso, todos tentam tirar o atraso do sono sempre que surge uma oportunidade.

LEIA TAMBÉM: Por que a Rússia não extingue o serviço militar obrigatório?

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies