Putin ordena que Rússia inicie vacinação em massa na semana que vem

kremlin.ru
Presidente russo reforçou necessidade de preparar a infraestrutura para campanha. Em Moscou, prefeito estendeu restrições e pediu: “Não adiem a decisão sobre a vacinação”.

O presidente russo Vladimir Putin instruiu as autoridades regionais a avançarem com a vacinação em massa contra covid-19 para todos os russos a partir da próxima semana.

“Já começamos a vacinação em grande escala. Na semana passada, [o primeiro-ministro] Mikhail [Michustin] me relatou que a indústria não apenas cumpriu as metas e volumes prometidos, mas excedeu as metas planejadas de produção de vacinas. Precisamos passar da vacinação em grande escala para a vacinação em massa”, disse Putin, durante reunião on-line.

“Peço que iniciem a vacinação em massa de toda a população a partir da próxima semana e criem o respectivo cronograma de trabalho, como é feito com outras infecções como a da gripe.”

Putin destacou ainda a necessidade de preparar a infraestrutura necessária para a inoculação em massa. “Graças a Deus, nossa vacina não requer condições extremas ou incomuns de transporte, como temperatura de -50 ou -70 [ºC]. Funciona de forma muito mais simples e eficiente”, acrescentou o presidente russo.

No final de 2020, o porta-voz do Kremlin, Dmítri Peskov, declarou que os russos teriam prioridade no acesso à vacina produzida internamente. “A produção dentro da Rússia, que já está sendo desenvolvida, atenderá as necessidades dos russos”, disse.

A Rússia registrou 24.763 novos casos de coronavírus e 570 mortes por covid-19 ao longo das últimas 24 horas. 

“Não adiem a decisão sobre a vacinação”, diz prefeito de Moscou

As autoridades de Moscou decidiram estender as restrições ao coronavírus por mais uma semana, até 21 de janeiro. De acordo com o prefeito da cidade, Serguêi Sobiânin, as universidades, escolas de esportes e instalações educacionais complementares da capital russa permanecerão em ensino remoto ou em férias.

“Todas as outras restrições foram estendidas até quinta-feira, 21 de janeiro”, disse o prefeito em suas páginas nas redes sociais. Isto é, pessoas idosas ou que estejam em um dos grupos de risco precisam manter o isolamento social e os empregadores devem se certificar de que pelo menos 30% de seus funcionários continuem a trabalhar em regime home office.

Há cerca de 7.600 leitos vagos para pacientes com coronavírus em Moscou, de acordo com dados da Prefeitura. O número de hospitalizações não diminuiu durante a temporada de férias, observou o prefeito, acrescentando que mais de 13 mil pacientes com covid-19 seguem hospitalizados na cidade.

“Os especialistas acreditam que as tendências ficarão mais claras nos próximos dias, permitindo-nos tomar decisões de longo prazo. Se a situação não se deteriorar e a tendência de estabilização se mantiver, consideraremos o relaxamento de uma série de restrições”, disse.

Sobiânin reiterou o apelo para que as empresas de Moscou “sigam estritamente os conselhos dos profissionais de saúde” e que os residentes da capital russa usem máscaras faciais e cumpram as regras de distanciamento social. “E, por favor, não adiem a decisão sobre a vacinação. Quanto mais cedo a imunidade de rebanho for estabelecida, mais cedo a cidade voltará à vida normal”, concluiu o prefeito.

LEIA TAMBÉM: Rússia adia emissão de vistos eletrônicos para estrangeiros

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies