Rússia adia emissão de vistos eletrônicos para estrangeiros

Getty Images
Pandemia impediu cumprimento de lei válida desde 1º de janeiro. Não há como prever quando plano será lançado, diz chancelaria russa.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros russo adiou a emissão de vistos eletrônicos para estrangeiros, embora o sistema esteja pronto para ser implantado. O avanço do coronavírus registrada nos últimos dias foi fator decisivo para a decisão anunciada no site da pasta.

Por enquanto, a única maneira de usar o serviço é com permissão especial do governo russo.

Os eletrônicos, ou e-visas, deveriam estar disponíveis para cidadãos de 52 países desde 1º de janeiro de 2021, de acordo com lei aprovada em julho de 2020. A lista de países coincide com os que já eram elegíveis para vistos eletrônicos para Kaliningrado e São Petersburgo.

O custo para solicitação por adulto será de US$ 50. Crianças menores de seis anos são admitidas gratuitamente, e os pais devem apenas cobrir as taxas consulares, preencher o requerimento e apresentar os documentos apropriados.

O processamento levará apenas quatro dias e será feito por meio do site do consulado ou por um aplicativo de smartphone. Os visitantes poderão permanecer em território russo por até 16 dias, e o e-visa é válido por 60 dias após a emissão.

O sistema já está pronto para funcionamento desde o início do ano, mas seu lançamento em grande escala dependerá inteiramente de como a pandemia de coronavírus evoluir, segundo o Ministério das Relações Exteriores, citado pela agência de notícias TASS.

Atualmente, apenas os cidadãos dos seguintes países são elegíveis para entrada na Rússia: Tanzânia, Turquia, Suíça, Egito, Maldivas e Emirados Árabes Unidos. Anteriormente, era permitida a entrada de cidadãos do Reino Unido, porém, a Rússia suspendeu esse acordo até 1º de fevereiro de 2021, após o aparecimento da nova cepa de coronavírus.

LEIA TAMBÉM: Vacinação terá impacto direto sobre economia na Rússia

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies