Número de imigrantes despenca na Rússia

Vladímir Gerdo/TASS
Devido à pandemia do coronavírus e às inúmeras restrições e proibições de voos internacionais, trabalhadores estrangeiros estão deixando a Rússia. Êxodo terá consequências econômicas tanto a curto, como a longo prazo.

Em 2020, o número de imigrantes em Moscou caiu 40% em comparação com o ano anterior, segundo o prefeito da capital russa, Serguêi Sobiánin. De acordo com ele, a diminuição no número de trabalhadores estrangeiros afetará o mercado de trabalho, especialmente o setor público, e levará a sérias dificuldades no inverno, que começa em 1 de dezembro — quando o clima e a neve aumentam a carga sobre o setor de serviços públicos.

Em setembro de 2020, o número total de estrangeiros que trabalham no território da toda a Rússia diminuiu de 22%, em comparação com setembro de 2019, de acordo com as estatísticas do Ministério dos Negócios Internos (equivalente ao Ministério da Fazenda). Em números absolutos, o número de migrantes caiu de 2,3 milhões para 1,8 milhão de pessoas. De acordo com o Ministério, em 2020, os estrangeiros mais numerosos na Rússia eram cidadãos do Uzbequistão, Tadjiquistão, Quirguistão, Armênia, Ucrânia e Azerbaijão.

A Rússia fechou as fronteiras devido à pandemia do coronavírus em março de 2020. Somente os estrangeiros que têm parentes próximos russos ou em casos de emergência foram autorizados a entrar no país.

"Devido ao fechamento das fronteiras, muitos imigrantes não conseguiram vir trabalhar durante a primeira onda da pandemia, que coincidiu com o tradicional pico sazonal de migração de mão-de-obra. Além disso, o número de vagas também diminuiu", explica o diretor da estratégia da empresa de investimentos Finam, Iaroslav kabakov.

A desaceleração geral do crescimento econômico e o enfraquecimento do rublo também colaboraram para um enxugamento nas vagas antes ocupadas por estrangeiros, e como resultado muitos deles perderam seus empregos. A segunda onda da pandemia afetou, da mesma forma, a estabilidade das relações de trabalho entre imigrantes e empresas.

Os especialistas questionam, porém, as estatísticas do prefeito de Moscou e insistem que o real número de imigrantes que deixaram a capital russa é menor que o declarado.

"Esse número não parece estar totalmente correto, porque as estatísticas levam em conta o registro de novos imigrantes, mas não leva em conta a remoção do registro", diz o pesquisador-sênior do Centro de Estudos Regionais e Urbanos do Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas, Evguêni Varchaver.

“Devido ao fechamento das fronteiras, muitos estrangeiros não entraram na Rússia, como habitualmente, mas há imigrantes que não conseguiram deixar o país e, assim, permaneceram na Rússia", diz.

"Posso afirmar que, com aumento na demanda de mão-de-obra, que ocorrerá à medida que a economia se recuperar, o fluxo de migrantes crescerá significativamente, caso não haja fechamentos de fronteiras", completou Varchaver.

Como a saída de migrantes afeta a economia russa?

"A longo prazo, podemos esperar resultados positivos, porque os empregadores serão obrigados a aumentar os salários e a melhorar o equipamento técnico", explica o professor do Instituto de Serviço e Administração Pública, Aleksandr Scherbakov. "Isto aumentará a produtividade da mão-de-obra e melhorará a qualidade do produto e, em geral, a economia se tornará mais competitiva".

No entanto, a curto prazo, as pequenas empresas e uma parte das médias e grandes empresas terão dificuldades devido à falta de mão de obra pouca qualificada. Isso pode levar à redução da produção ou até ao fechamento da empresas.

"Isso pode acontecer, mas não necessariamente. Após a pandemia, muitos imigrantes, especialmente de países com baixo padrão de vida, retornarão. Os salários, que são considerados baixos na Rússia, são bastante altos para cidadão de outros países", completou Scherbakov.

LEIA TAMBÉM: Vacina russa Sputnik V terá preço “bem mais baixo” que as da Pfizer e Moderna

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies