Conheça Nadejda Lertulo, modelo e... pedreira russa (FOTOS)

Lumpen Movies; You can do anything
Esta mulher de 40 anos pinta paredes, alisa concreto e destrói galpões todos os dias da semana. Mas, nas horas vagas, participa de desfiles de moda – certa vez, até em Paris.

“Estou aplicando laminado em algum lugar, coberta de pó e sujeira. Recebo um telefonema da agência: faça as malas e voe para Minsk para a gravação de um filme. Ok, eu respondo. Bato a poeira do corpo, lavo o rosto, troco de roupa e vou embora. Eles me pegam, me vestem e fazem minha maquiagem. Agora, eles dizem, você vai aprender uma velha canção em uma língua estrangeira. Poucas horas atrás, eu tinha uma serra nas mãos.” É assim que a modelo e pedreira russa Nadejda Lertulo, cujo sobrenome verdadeiro é Zelenova, descreve um dia típico.

Quando criança, Nadejda nem sequer considerava ser modelo. Seus pais foram privados dos direitos parentais quando ela tinha apenas um ano de idade, e a menina passou a infância em dois internatos, e jogava futebol e basquete. Em suas próprias palavras, Nadejda era rechonchuda, com olhos estreitos. Por causa de sua aparência incomum, ela costumava ter problemas na escola.

“Eles me chamavam de ‘ruiva’ e ‘gorducha’. Aprendi a não ligar, mas mesmo assim isso me estressava muito. Meus colegas tinham até medo de mim, porque eu poderia revidar”, conta a modelo.

Lertulo foi, por duas vezes, enviada do internato para um hospital psiquiátrico: a primeira vez, por erro da comissão médica; a segunda por, recomendação da professora. “Ela tinha um jeito estranho de resolver conflitos – afastando-se e fingindo chorar, como se tivéssemos aborrecido (...) Não tinha problema com ela, mas ela não gostava de mim. Ela percebeu que eu sabia do meu próprio valor e dos meus direitos, mesmo tendo apenas 15 anos de idade”, diz.

Depois do internato, Nadejda pôde escolher entre a faculdade de costura e construção. Ela já sabia costurar, então optou pela segunda. Durante os estudos, morou em um albergue e passava seu tempo livre pintando apartamentos para ganhar dinheiro para comprar roupas e comida.

“Muitos dos professores da faculdade disseram que não entendiam por que eu estava lá se já sabia de tudo. Tenho uma mente curiosa, gosto de ir a fundo. Eu era realmente boa em geometria, incluindo projeção gráfica, bem como em física”, disse Nadejda em uma entrevista para a publicação on-line Wonderzine.

Após a formatura, a futura modelo mudou-se para o apartamento herdado dos pais e continuou a trabalhar como pedreira.

“Alguns clientes disseram aos amigos que eu podia derrubar um galpão rapidamente aplicando as leis da física e alguns cabos. Eles ficavam: ‘Uau, quero conhecê-la. Uma mulher pode realmente derrubar um galpão?”, diz Nadejda sobre sua experiência.

Aos 37 anos, ela visitou uma amiga na Suíça que, impressionada com sua aparência e figura atlética, resolveu fotografá-la. Nadejda enviou as fotos para a Lumpen, a primeira agência russa de modelos fora do padrão, sobre a qual alguns amigos artistas haviam lhe falado. Pouco tempo depois, ela foi convidada para um teste.

Ao longo dos últimos quase quatro anos, Nadejda participou do desfile de Paris da Vetements, modelou para a marca de lingerie My Dear Petra e apareceu em sessões de fotos para revistas de moda russas, incluindo “Elle Russia” e “Flacon”.

Entre os projetos futuros, Nadejda pretende começar seu próprio canal “faça você mesmo” para mulheres no YouTube e largar os trabalhos como pedreira.

LEIA TAMBÉM: 6 modelos fora do comum que não estão nem aí para os estereótipos!

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies