Quase 80 países receberam ajuda humanitária da Rússia nos últimos 30 anos, segundo ministério

EMERCOM of Russia/Global Look Press
As nações africanas, atingidas por desastres naturais como enchentes e terremotos, estiveram entre os destinatários mais frequentes da ajuda russa.

Durante os quase 30 anos de sua existência, o Ministério para Situações de Emergência russo prestou assistência a quase 80 países, informou a assessoria de imprensa da pasta à agência TASS por ocasião do Dia Mundial Humanitário nesta quarta-feira (19).

“Nos últimos 30 anos, o Ministério para Situações de Emergência russo prestou assistência a 76 nações. No período entre o início de 2019 até agora, foram realizadas um total de 41 missões humanitárias além das fronteiras da Rússia”, declarou o ministério.

Durante o intervalo de tempo mencionado, a pasta para Situações de Emergência ajudou 25 nações, por meio do envio de mais de 24 mil toneladas de carga humanitária.

As nações africanas, atingidas por desastres naturais como enchentes e terremotos, estiveram entre os destinatários mais frequentes dos auxílios russos.

Além da entrega de ajuda humanitária, o ministério envia frequentemente grupos de socorristas e médicos para as áreas afetadas por desastres, como ocorrido após a recente explosão devastadora em Beirute, no Líbano. A aviação de combate a incêndios russa também costumar auxiliar na extinção de queimadas florestais no exterior.

O Dia Mundial Humanitário, ou da Ajuda Humanitária, foi criado por resolução da Assembleia Geral da ONU como um dia internacional dedicado ao reconhecimento dos trabalhadores humanitários e funcionários das Nações Unidas que perderam suas vidas trabalhando por causas humanitárias.

A data escolhida, em 19 de agosto, é referente ao dia em que o então representante especial da ONU no Iraque, o diplomata brasileiro Sérgio Vieira de Mello, e 21 de seus colegas foram mortos no bombardeio à sede das Nações Unidas em Bagdá, em 2003.

LEIA TAMBÉM: Paraná e Rússia assinam acordo sobre vacina contra coronavírus

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies