Anastassia, a princesa que NÃO sobreviveu ao tiroteio da família Românov

Domínio público; Russia beyond
Rumores e lendas giram em torno de Anastassia, filha de Nikolai 2°, que teria sido milagrosamente resgatada da execução. Só que ela não foi!

Quem criou a lenda sobre Anastassia (cujo nome, aliás, pronuncia-se “Anastassía”)?

Aleksandra e Anastassia.

Não dá para dizer com certeza por que Anastassia foi a “escolhida”, mas isso aconteceu, provavelmente, porque ela era a filha caçula do imperador Nikolai II e Aleksandra Fiôdorovna. Nascida em 1901 e quarta filha mulher da família, ela foi seguida apenas por Aleksêi, o tão esperado herdeiro, que nasceu em 1904.

Anastassia.

Não há relatos claros ou evidências escritas de quem tenha inventado o boato. Apesar disso, houve muitos impostores na história russa que propagandeavam suas origens reais e resgates miraculosos: houve três “Falsos Dmítris” (todos eles tentando se fazer passar pelo filho de Ivan, o Terrível), e Emelián Pugatchov, o revolucionário cossaco da década de 1770, alegava ser Pedro 3° após escapar de uma tentativa de assassinato.

Quais foram as circunstâncias do nascimento de Anastassia?

Anastassia e Nikolai.

Antes de Anastassia nascer, sua mãe, a imperatriz Aleksandra, estava muito preocupada em conceber um herdeiro. Ela já tinha três filhas. Mas, de acordo com as leis de sucessão russas, uma grã-duquesa só poderia herdar o trono quando todas as linhas masculinas de herança terminassem.

Assim, o grão-duque Mikhaíl Aleksândrovitch, irmão mais novo de Nikolai 2°, era a figura seguinte na fila de sucessão, que não era o desejo da família governante e da imperatriz Aleksandra em particular.

Aleksandra, Tatiana Nikoláievna e Anastassia Nikoláievna.

Aleksandra entrou de cabeça no misticismo. Em 1901, um hipnotizador e charlatão chamado Anthelme Nizier Philippe surgiu na corte russa. Os métodos de Philippe eram realmente “impressionantes”: por exemplo, ele deu de presente a Aleksandra um ícone com um pequeno sino que a “alarmaria quando pessoas com más intenções se aproximassem dela”.

Philippe também “previu” o nascimento de um filho, e logo Anastassia nasceu, para decepção de muitas pessoas da família real (exceto Aleksandra e Nikolai).

"Aleksandra deu à luz uma filha. De novo!", escreveu Maria Feodorovna, mãe de Nikolai, para a filha, a grã-duquesa Ksênia Aleksándrovna.

Como era Anastassia?

Nizier Anthelme Philippe.

Não existe muita informação sobre a vida privada de Anastassia, principalmente porque ela não era muito diferente da vida das outras filhas do tsar. Anastassia recebeu educação formal em casa, apesar de não ser uma estudante muito dedicada. Ela adorava cantar e dançar, e costumava pintar aquarelas.

Durante a Primeira Guerra Mundial, Anastassia, assim como suas irmãs, foi voluntária como enfermeira no palácio real de Tsárskoie Selô, que teve muitos de seus quartos transformados em enfermarias.

Nikolai 2° com Anastassia e Tatiana em Tobólsk, em 1917.

Após a Revolução de 1917 e a abdicação de Nikolai, o ex-tsar e sua família (incluindo Anastassia) foram levados como prisioneiros para Tobólsk e, depois, para Ekaterimburgo. Lá, em 18 de junho de 1918, Anastassia celebrou seu último aniversário.

Quais foram as circunstâncias da morte de Anastassia?

Porosenkov Log, local onde se encontraram os corpos da família.

Anastassia e sua família foram excutados na manhã de 17 de julho de 1918. Seus corpos foram levados para a Mina dos Quatro Irmãos, perto da aldeia de Koptiaki, 15 quilômetros a norte de Ekaterimburgo.

Galina Iama.

Lá, os corpos foram deformados com ácido sulfúrico, para que não pudessem ser identificados, e jogados no poço. Na noite seguinte, Iakov Iuróvski, o principal encarregado da execução, e seus ajudantes retornaram ao local para levar alguns dos corpos para outro lugar. Isso foi feito para confundir quem procurasse os restos da família real, já que a contagem de corpos não bateria.

Quando foram descobertos os restos de Anastassia?

Os restos mortais de Nikolai, Aleksandra e suas três filhas foram descobertos em 1979 em Porosionkov Log, a 6,5 ​​quilômetros de Ganina Iama. Mas eles foram mantidos em segredo até a queda da URSS.

Investigações posteriores revelaram, em 1991, que os restos mortais do tsarêvitch Aleksêi, filho de Nikolai, e de uma garota (a grã-duquesa Maria Nikolaevna) não estavam no local.

Em 2007, eles foram descobertos em outro poço perto, próximo a Porosionkov Log. Em 2008, um teste genético provou que os restos encontrados então pertenciam a Aleksêi e Maria. O teste de 2019 realizado pelo Comitê de Investigação da Rússia confirmou os resultados. Eles também foram confirmados por um pesquisador desvinculado da busca, Michael Coble, do Laboratório de Identificação de DNA das Forças Armadas, baseado em Rockville, Maryland, Estados Unidos.

Quantas mulheres fingiram ser Anastassia?

Anna Anderson em 1920.

Surgiram imediatamente após 1918 nos círculos europeus de emigrantes russos boatos de que Anastassia tinha conseguindo escapar da execução da família do tsar e sobreviver.

Em 1920, em Berlim, uma jovem chamada Anna Anderson foi impedida por um policial de pular de uma ponte. Aparentemente, ela estava em estado de colapso mental e foi enviada para a instituição psiquiátrica em Dalldorf (hoje, Wittenau, em Reinickendorf). Dentro de dois anos, ela passou a dizer às pessoas que era a grã-duquesa Anastassia.

Eleonora Krueger.

Outras Anastassias falsas são: Eleonora Krueger (1901-1954), que fingia ser a grã-duquesa em uma vila búlgara; Nadêjda Vassílieva (? -1971), que tinha distúrbios mentais e passou anos em instituições mentais e prisões na URSS, acabando por morrer de fome em um hospital psiquiátrico na ilha de Sviajsk, atual Tartaristão, Rússia; Natália Belikhodze, uma georgiana que se "revelou" como Anastassia Românov em 1995 e morreu no ano 2000, considerada a última falsa Anastassia.

Nadêjda Ivánovna.

No total, porém, houve mais de 30 falsas Anastassias e um russo, Anatóli Ionov (nascido em 1936), chegou a afirmar que era filho de Anastassia.

LEIA TAMBÉM: Quais Romanov sobreviveram ao Terror Vermelho há um século?

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies