Funcionários de restaurantes na Rússia tiram a roupa em protestos contra o confinamento

HOLY PLACE /Reuters
Apesar da suspensão gradual de medidas impostas devido ao coronavírus, vários restaurantes e cafés de regiões russas permanecem fechados em meio à atual crise, sem arrecadar o suficiente com as entregas para continuar pagando salários. Isso levou alguns proprietários a anunciar um desafio-protesto um tanto ousado.

O desafio surgiu nas redes sociais em 15 de maio, começando com a hashtag #голыйголод (“fome desnuda”), criado pela rede ReLabi, com sede em Kazan. O objetivo declarado do desafio era aumentar a conscientização sobre o problema econômico que surgiu devido ao fechamento forçado no auge da crise do coronavírus.

“Queremos trabalhar e ganhar dinheiro. Somente em Kazan, houve milhares de fechamentos [de negócios]. Não estamos fazendo nenhuma demanda ou ultimato com isso nem participando de qualquer tipo de provocação. Estamos pedindo ajuda, cooperação e apoio”, escreveu o estabelecimento em uma publicação no Instagram.

No post, lê-se ainda que alguns funcionários tiveram que “superar, em alguns aspectos, a timidez diante da câmera e abandonar suas respectivas zonas de conforto”.

Outros restaurantes e bares em toda a Rússia logo aderiram ao protesto.

“Não entendemos por que somos tratados pior do que mercados ao ar livre, fornecedores de materiais de construção ou salões de beleza”, escreveu a equipe do Holy Place e Funky Food, de Krasnodar, em seus perfis do Instagram.

Os funcionários de ambos os restaurantes resolveram tirar a roupa para a câmera, com fotos acompanhadas pelas hashtags #голые рестораны/#когда конец?” (restaurantes desnudos” e “quando acabará?”).

O chefe do restaurante georgiano “Beseda”, em Iekaterinburgo, Albina Alvinskaia, juntou-se ao protesto com a hashtag #ынасраздели (“nos deixaram nus”).

Ao embarcar no movimento, um restaurante italiano em Sochi, no sul da Rússia, explicou que “nosso negócio ficou sem apoio financeiro no momento do fechamento e não nos foi prometido nada depois que tudo isso acabou. Por esse motivo, aparecemos diante de você nus, para demonstrar o que nos resta”. 

Os restaurantes, bares e cafés não foram os únicos na indústria de alimentos a protestar contra as medidas tomadas. As fábricas de queijo também se juntaram a eles.

“Muitos pequenos produtores de queijo costumavam entregar seus produtos apenas a restaurantes. Que tudo isso termine em breve, para que restaurantes abram suas portas e as fábricas de queijos voltem a funcionar plenamente. Ou não teremos o suficiente para pagar pelos aventais”, escreveu a produtora Maria Kandirina.

LEIA TAMBÉM: Salários de 40% dos russos diminuíram durante a pandemia

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies