‘EUA e Grã-Bretanha venceram os nazistas’ e outras 6 frases para deixar qualquer russo pistola

Getty Images
Evite-as – a não ser que queira acabar a amizade.

1/ “EUA e Grã-Bretanha venceram os nazistas!”

Esse sentimento minimizando – ou simplesmente excluindo – a participação da Rússia na vitória contra os nazistas foi recentemente expresso pela Casa Branca no Twitter, que imediatamente gerou inúmeras reações dos russos, como: “Então, quem tomou Berlim?”.

Pior que isso só dizer que a “Rússia não venceu a Segunda Guerra Mundial”. Qualquer russo achará isso ofensivo. Não há uma única família russa que não tenha sido afetada pelo conflito, e os quase 27 milhões de soviéticos que morreram também discordariam.

2/ “Por que vocês, russos, usam o alfabeto cirílico, e não o alfabeto normal...”

Porque gostamos de tornar a vida mais difícil para você, é claro!

Este dado foi lançado no século 10, quando a escolha do alfabeto estava intimamente ligada à religião. Desde então, o alfabeto cirílico adquiriu dimensões culturais e de identidade. Esperar que os russos desistam do alfabeto cirílico é tão ridículo quanto pedir que renunciem aos prazeres de panquecas, vodca e melancolia. 

3/ “É tão difícil assim aprender inglês?”

É verdade que a maioria dos russos não fala inglês, ou conhece apenas um punhado de palavras e frases no idioma estrangeiro. Mas há razões para isso; a principal delas é que eles não precisam disso. Para entender melhor, 72% dos cidadãos russos nem sequer têm o que chama de “passaporte estrangeiro” (ou seja, um passaporte). Todos os filmes e programas de TV são dublados, e os livros são traduzidos. Além disso, a grande maioria nunca conheceu um estrangeiro na vida. Portanto, não duvide das faculdades mentais dos russos apenas porque eles não sabem falar inglês muito bem. Eles não vão gostar.

4/ “Por que você ainda mora com seus pais?”

Por incrível que pareça, os adolescentes não são expulsos de casa ao completarem 18 anos. Esses jovens recém-saídos da escola raramente têm dinheiro, e ainda são tolos o bastante para se misturar com gente errada. Portanto, eles continuam sendo bem-vindos a morar na casa da família. Outro motivo – e um pouco menos nobre – é a escassez crônica de moradias populares; os aluguéis são caros, e poucos estão dispostos ou são sequer capazes de fazer um empréstimo imobiliário (se você acha que seu banco é ruim, espere até abrir uma conta em um na Rússia).

A frase “por que você mora com seus pais” soa como repreensão, mas não é “culpa” de ninguém – e, de qualquer modo, não há nada de errado em fazê-lo.

5/ “É verdade que a Rússia não classifica cerveja como bebida alcoólica? Que maluquice!”

Não, a classificação mudou alguns anos atrás e, seja como for, sempre soubemos que a cerveja contém álcool. Isso também não tem nada a ver com a Rússia em particular; foi a Classificação Internacional de Bens e Serviços de 1957 que atribuiu “bebidas alcoólicas” e “cerveja” a diferentes classes de mercadorias (a cerveja foi então classificada como “produto alimentício”). A Rússia estava legalmente atrelada à norma, mas os vendedores de cerveja se empolgaram com o fato de que os produtos alimentares poderiam ser vendidos (e consumidos) em qualquer lugar e a qualquer hora. Infelizmente para alguns, essa brecha foi encerrada em 2013 após aprovação de uma norma independente.

6/ “Tem McDonald’s, Starbucks etc. na Rússia?”

Claro que não. Também não há bancos, cartões de crédito, app de compartilhamento de carro. Ah, eles ainda se referem uns aos outros como “camarada” e desprezam tudo o que é estrangeiro e capitalista. Trabalhadores do mundo, uni-vos! (contém ironia).

7/ “Não há verão na Rússia”

Muitos russos acreditam que nunca faz frio no Brasil, então, estamos quites nesse ponto. Mas vamos deixar claro: os russos o que é verão, e às vezes bate 40ºC em Moscou!

LEIA TAMBÉM: 7 hábitos estrangeiros que podem ser vistos como falta de educação na Rússia

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies