7 hábitos estrangeiros que podem ser vistos como falta de educação na Rússia

Não tirar o sapato para entrar em casa é a morte. E nem ouse deixar comida no prato.

7. Fazer barulho enquanto come

Em alguns países (embora o Brasil não seja o caso), é bem comum mastigar fazendo barulho. Por vezes, acredita-se que seja uma forma de demonstrar satisfação pela comida. Na Rússia, porém, isso soa como maus modos. Tente comer sem produzir ruídos – e agradeça sempre, dizendo: “Spasibo”.

6. Deixar comida no prato

Na Rússia, as pessoas ainda se lembram dos tempos magros na URSS, portanto, raspe bem o prato. Em alguns restaurantes, o garçom poderá perguntar o porquê dos restos no prato, e isso pode ser considerado um insulto para o cozinheiro. E as sobras também não vão para o lixo – pão amanhecido é dado aos pássaros, e sopa, para cães de rua.

5. Não pagar a conta do jantar

Mesmo que a renda da mulher seja o dobro, ela espera que seu parceiro pague a conta. Esse momento delicado é, de certo modo, apenas uma chance de o homem mostrar cavalheirismo, e isso não será considerado violação de dignidade ou puro machismo, como nos países ocidentais. A mulher pode até se oferecer a pagar, mas isso também pode ser um teste – se o homem não insistir, é possível que ele se passe como mesquinho e um segundo encontro jamais aconteça. Por outro lado, se ela continuar insistindo em dividir, isso provavelmente significa que ela realmente não quer que paguem nada e que não há absolutamente nenhuma chance de romance.

4. Esquecer de tirar os sapatos em casa

O hábito de usar os sapatos da rua também em casa é comum em muitos países, incluindo Brasil, mas não na Rússia. Para os russos, entrar com sapato em casa é o mesmo que ir para cama de botas e casaco. Eles sempre tiram os sapatos ao voltar para casa e os substituem por chinelos (tapotchki) – aliás, eles raramente andam descalços pela casa. Cada membro da família tem um par de chinelos, às vezes, até dois: um para o inverno, e outro de verão; e há também vários pares extras para os hóspedes.

O mesmo vale para roupas de ficar em casa. Em geral, as pessoas mudam de roupa ao voltar para casa – e não se trata de colocar o pijama, que é usado apenas na hora de dormir. 

3. Sair de casa com roupa de academia

Na Rússia, as pessoas se vestem de acordo com a ocasião. Roupas de academia e ginástica devem ser usadas somente ao praticar esportes ou malhar. Da mesma forma, shorts e chinelos devem ser usados apenas na praia e na datcha. Vestir shorts na cidade é contraindicado. Você pode até fazer isso, mas prepare-se para receber olhares estranhos.

Além disso, embora as russas sejam frequentemente acusadas de exagerar (não se surpreenda ao ver garotas usando salto alto, independentemente da ocasião e da estação), não é aceitável ir às compras de pijamas ou roupas de ginástica.

2. Não visitar amigos nem convidá-los

A hospitalidade é muito apreciada na Rússia. Se você for a uma cidade onde tenha um amigo – por exemplo, em uma viagem de negócios –, e não avisá-lo, ele ficará ofendido. Ou se vocês moram na mesma cidade e não visitam um ao outro com frequência, isso também levanta questões sobre o quão próximos vocês realmente são. Na Rússia, mesmo nas cidades maiores e mais movimentadas, você não precisa planejar com antecedência para passar um tempo com os amigos. Aliás, o mesmo acontece com os vizinhos, que vão visitá-lo sempre, e sem aviso prévio. 

1. Falta de sinceridade

No Brasil, quando te perguntam: “Como você está?”, a resposta padrão não importa – na verdade, ninguém quer realmente saber; trata-se apenas de educação. Na Rússia, não funciona assim. Se você não quer ouvir sobre os problemas alheios, por que perguntar? É melhor não dizer nada. Então, quando um russo lhe perguntar como você está, prepare-se para uma longa história e/ou esteja pronto para contar a sua.

Confira também os 10 NÃOs que (quase) todo russo respeita.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Clique 
aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies