Catedral militar que teria mosaico de Putin abandona planos após crítica do presidente

Vadim Savitsky/TASS, AP
Imagem do presidente russo Vladimir Putin não será mais exibida em uma nova igreja militar russa, depois de o próprio presidente contestar os motivos de tal inserção.

O mosaico representando Vladimir Putin que deveria decorar a igreja principal das Forças Armadas Russas, na região de Moscou, foi removido, após os comentários do presidente de que ele não merecia esse tipo de homenagem por seu trabalho.

A existência do mosaico, que também conta com imagens do ministro da Defesa Serguêi Choigu, Iossef Stálin e outras figuras políticas, foi confirmada pelo reitor da catedral, o bispo Stefan Klinski.

No entanto, o porta-voz da presidência russa Dmítri Peskov, deu a entender à agência TASS que Putin fora informado do mosaico e não parecia confortável com a ideia.

“Quando ele ouviu a notícia, ele sorriu e disse: ‘Um dia nossos descendentes agradecidos apreciarão o que fizemos, mas é muito cedo para fazer isso agora”, disse o porta-voz, citado pela TASS.

O membro do Conselho de Cultura do Patriarcado Leonid Kalinin afirmou que os artistas não queriam remover a imagem de Putin do mosaico.

Da Segunda Guerra à Crimeia

Há, na catedral, outros dois mosaicos: um deles é dedicado ao desfile da vitória de 1945, com soldados, marechais e um retrato de Stálin; e um terceiro mosaico mostra a reintegração da Crimeia à Rússia em 2014, com a inscrição “A Crimeia é nossa”.

“Existe a tradição [de representar figuras políticas nas igrejas – Russia Beyond] quando cenas históricas de algum período da história são representadas. É óbvio que a unificação da Crimeia com a Rússia é um evento muito significativo. Os principais líderes de Estado que serão mostrados desempenharam um papel nessa unificação. Quanto a Stálin, seu retrato provavelmente foi tirado de uma fotografia histórica. Esta catedral é construída em homenagem à vitória na Segunda Guerra e não pode deixar de representar o desfile”, explicou o reitor da catedral, Stefan Klinski.

Segundo o bispo, a catedral também terá mosaicos representando partidários, além de participantes da Grande Guerra Patriótica e da Batalha de Borodinó, em 1812.

De acordo com dados do Znak.com, a construção da igreja exigiu um investimento de 6 bilhões de rublos (80,4 milhões de dólares). O novo edifício, incluindo a cruz, terá 95 metros de altura, tornando-se a terceira igreja cristã ortodoxa mais alta do mundo.

A abertura da catedral está prevista para o próximo dia 9 de maio, que marca o 75º aniversário da vitória na Grande Guerra Patriótica.

VEJA TAMBÉM: Os 10 mosaicos mais bonitos do metrô de Moscou

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies