Os 10 mosaicos mais bonitos do metrô de Moscou (FOTOS)

Legion Media
Os moscovitas viajam todos os dias no metrô e às vezes não percebem a beleza do "maior museu subterrâneo do mundo". Mas os tetos e paredes das estações e passagens escondem obras de arte simplesmente incríveis!

1. Biblioteka Imeni Lenina

Uma das primeiras estações do metrô da capital, ela tem um enorme retrato do líder da Revolução. A estação foi inaugurada em 1935, e a cabeça foi feita em mosaico só 30 anos depois, pelo artista GrigórI Opríchko.

2. Belorusskaya

Outra obra Opríchko são os 12 painéis de mosaico nos arcos da estação Belorusskaya do anel do metrô. Cada um traz retratadas cenas da vida dos bielorrussos, um dos povos da URSS. Em 1951, o artista e a equipe de arquitetos e projetistas receberam o maior prêmio existente então pelo design da estação: o Prêmio Stalin.

Em um dos mosaicos, intitulado “Bordadeiras”, existia originalmente um retrato de Stálin. Mas durante o processo de fim do culto à personalidade, ele foi substituído pela Bandeira da Ordem do Trabalho, com a foice e o martelo.

3. Mayakovskaya

Esta é uma das estações mais bonitas do metrô moscovita. O salão foi decorado em 1938 com mosaicos do artista de realismo socialista Aleksandr Deinêka. Os quebra-luzes das cúpulas centrais ostentam 34 painéis de esmalte. A série foi batizada de "Um Dia no Céu Soviético" e retrata o que um soviético veria se olhasse para o céu: aviões sobre o Kremlin, saltadores na água, paraquedistas e outras cenas alinhadas com a ideologia soviética.

4. Novokuznetskaya

Vale a pena andar três estações a sul na linha verde e admirar outra série de mosaicos de Deinêka de 1941. Esses painéis de oito pontas também dão a sensação de que, do metrô, o passageiro que levanta a cabeça olha diretamente para o céu. Os temas também tangem "Um dia no país dos sovietes": construção de máquinas, aviação, desfile de atletas e o triunfo da industrialização.

5. Novoslobodskaya

Esta estação parece um mundo subaquático de contos de fadas. Nos arcos laterais há mosaicos translúcidos de vidro colorido. Os vitrais foram feitos em Riga com o mesmo vidro usado nas catedrais católicas, seguindo os desenhos do artista soviético Pável Kórin. Eles retratam plantas e estrelas extravagantes, assim como representantes de diversas profissões: cientistas, artistas e músicos.

Kórin também construiu um painel de esmalte no final do corredor com a inscrição "Paz no mundo todo". Sobre uma mãe com o filho havia antes um medalhão também com o retrato de Stálin, mas no governo Khruschov o artista teve que corrigir os painéis. Hoje há pombas da no lugar de Stálin.

6. Komsomolskaya

Pável Kórin também decorou a estação Komsomolskaya da linha do anel do metrô moscovita. Inaugurada em 1952, a estação foi concebida como um portão de entrada da cidade, pois atende a passageiros de três estações de trem de Moscou. Os mosaicos ali retratam cenas patrióticas da história da Rússia: príncipes vitoriosos, generais e outros heróis nacionais.

7. Chekhovskaya

Espere o trem partir e você verá mosaicos de 17 tipos de minerais coloridos russos, de lazurita de jaspe. As temáticas das obras de Antôn Tchékhov são representadas na técnica do mosaico florentino dos artistas Piotr e Liudmila Chortchev.

Na saída, há um retrato de perfil do escritor.

8. Baumanskaya

Esta estação é dedicada ao heroísmo do povo soviético durante a Segunda Guerra Mundial. Foi instalada na parede interior da estação, em 1945, uma faixa de mosaico vermelha com os retratos em perfil de Stálin e Lênin. Em 1963, o perfil de Stálin foi removido e Lênin virou para o outro lado.

A passagem para as escadas rolantes na entrada da estação é decorada com um mosaico de maiólica intitulado "Glória ao Exército Soviético". Reza a lenda que o artista Isaac Rabinovitch escondeu três cruzes ortodoxas no mosaico.

9. Dobryninskaya

O topo da escada rolante da estação, tem um tríptico de mosaico que exibe uma demonstração com faixas e cartazes. Durante a abertura da estação, em 1950, um retrato de Stálin também existia no cartaz. Mas, após o primeiro voo ao espaço, em 1961, o bigodudo foi substituído por Iúri Gagárin.

Dentro da estação havia também um baixo-relevo com uma representação de Stálin. Mas, na década de 1960, ele foi desmantelado e ali foi instalado um mosaico feito de esmalte intitulado "Manhã da era espacial", também dedicado ao espaço.

10. Trubnaya

As novas estações de metrô buscam um design moderno, mas algumas têm o luxo da época de Stálin. Por exemplo, a estação Trubnaya, inaugurada em 2007, tem granito, mármore, luminárias e Art Nouveau. A principal atração são os vitrais em mosaico representando as cidades da Rússia feitos por Zuráb Tseretéli.

LEIA TAMBÉM: Abrigo, cinema e até biblioteca: o metrô de Moscou durante a 2ª Guerra Mundial

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies