5 diferenças entre os metrôs de Moscou e São Petersburgo

Lori/Legion-Media
O metrô de São Petersburgo é mais novo e menor, enquanto o de Moscou, embora mais antigo, é também mais avançado. E as diferenças não param por aí.

1. Wi-Fi

(Foto: TASS/Roman Balaev)(Foto: TASS/Roman Balaev)

Os moscovitas estão há muito tempo acostumados com acesso rápido e gratuito à internet nos trens do metrô. Todas as linhas foram equipadas com pontos de Wi-Fi desde 2014. E ainda que não seja possível conectar à rede das plataformas, é possível captar o sinal 3G/4G a metros abaixo da terra.

Em São Petersburgo, foi apenas no final de maio que a primeira linha recebeu acesso à rede Wi-Fi; a expectativa é que, até o fim do ano, todo o sistema esteja coberto.

2. Passe de metrô ‘das antigas’

 / Lori/Legion-Media/ Lori/Legion-Media

Para pegar o metrô em Moscou, é preciso comprar um bilhete unitário de papel por 55 rublos (R$ 3,20), ou um cartão de plástico Troika, que também pode ser usado em transportes de superfície e como meio de pagamento em alguns museus – para isso, basta carregá-lo com cartão de crédito ou dinheiro.

Além dos onipresentes cartões de plástico, o metrô de São Petersburgo ainda usa fichas de metal, que, embora antiquadas, são mais charmosas. Os turistas costumam mantê-las como lembrança dentro da carteira. O metrô de Moscou deixou de lançar fichas há 20 anos, e a última foi usada em 1999.  

3. Elevador horizontal

(Foto: TASS/Serguêi Konkov)(Foto: TASS/Serguêi Konkov)

Só o metrô de São Petersburgo oferece um passeio em “elevador horizontal”: a expressão é usada em referência a dez estações especiais onde os trens são separados da plataforma com paredes e portas de metal deslizantes (como nas estações da Linha Amarela do metrô de São Paulo, que são de vidro). Quando um trem para, suas portas combinam com as da estação, assim como as portas do elevador coincidem com o acesso de cada andar do prédio – daí o nome desse tipo de estação.

As estações com portas de correr foram introduzidas como medida de segurança adicional em caso de inundação: o solo de São Petersburgo está saturado de água e apresenta faixas de areia meio úmida de meio quilômetro de espessura, que estão propensas a se desprender. A construção do metrô na cidade foi um verdadeiro desafio – os engenheiros soviéticos usaram nitrogênio líquido para congelar o solo pantanoso, o que aumentou consideravelmente os custos de construção. A primeira estação a ganhar “elevador horizontal” foi a Park Pobedy, inaugurada em 1961.

4. Serviços e lazer

(Foto: Lori/Legion-Media)(Foto: Lori/Legion-Media)

O serviço especial de entrega oferecido pelo metrô de Moscou permite enviar uma encomenda para qualquer ponto da cidade. Para tanto, deve-se dirigir ao balcão de informações com o pacote (sem selar e com peso máximo de 3 kg), preencher um formulário e pagar a entrega (que custa de R$ 5,80 a R$ 29). Além de fazer envios dentro de Moscou, o metrô dispõe de entrega para outras 33 cidades do país.

Também é possível encontrar lazer na estação Vystavochnaya; entre as opções locais, dá para curtir um simular interativo, fazer um passeio em um trem da década de 1930, ou assistir a imagens históricas e conferir uma coleção de uniformes.

Além disso, os moscovitas viajam diariamente por uma rede de luxuosos salões subterrâneos de granito acompanhados de música ao vivo: cantores e músicos de rua tocam em espaços designados entre as linhas de baldeação ou no saguão de entrada. 

(Foto: RIA Nôvosti/Evguênia Novojenina)(Foto: RIA Nôvosti/Evguênia Novojenina)

Para ouvir assistir a concertos gratuitos de ópera ou shows de música folclórica e rock no metrô de Moscou, confira esse calendário (em russo).

5. Lendas urbanas

Ambos os metrôs possuem seus próprios talismãs, que supostamente trazem sorte.

Antes das provas, por exemplo, os alunos da Universidade Estatal de Moscou tocam no focinho do cão do guarda de fronteira na estação Ploshchad' Revolutsii.

(Foto: Lori/Legion-Media)(Foto: Lori/Legion-Media)

Já quem precisa de ajuda financeira, deve tocar a crista do galo de bronze que fica aos pés de uma trabalhadora agrícola coletiva feminina; considerando o brilho do galo, que agora é quase 60% dourado, contra as demais esculturas enferrujadas, o dinheiro é uma grande preocupação para os moscovitas.

Enquanto isso, no metrô de São Petersburgo, os pássaros é que são um símbolo de sorte: ao se deparar com o chapim azul, escondido nas folhas do mosaico da estação Bukharestskaya, seus desejos podem se tornar realidade.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.