Rússia aumentou testes de coronavírus para mais de 150 mil por dia, diz Putin

Reuters
Produção de ventiladores cresceu até 10 vezes desde início do ano. Porém, presidente afirmou que país enfrenta “o estágio mais difícil da pandemia”.

Em reunião virtual com governadores regionais, na qual foi anunciada que a Rússia poderia começar a suspender as restrições em meados de maio, Putin afirmou que, embora o pico do coronavírus ainda esteja à frente, “aprendemos com os erros e agora enfrentamos novos desafios”.

Ao admitir que ainda há um déficit de equipamentos médicos, o presidente russo emitiu novas ordens para lidar com a pandemia.

Segundo Putin, ventiladores, respiradores e leitos especializados estão sendo produzidos e instalados com uma proporção dez vezes superior ao registrado no início do ano. Enquanto apenas 60 a 70 ventiladores eram fabricados diariamente em janeiro, a Rússia produziu 800 por dia em abril; o número de respiradores também aumentou de 800.000 por dia para mais de 8,5 milhões hoje. Durante o mesmo período, a produção de suprimentos médicos aumentou nove vezes, e a Rússia é capaz agora de fazer mais de 150.000 testes de coronavírus diariamente.

As regiões do país foram incumbidas de oferecer 95.000 leitos até quarta (28); algumas conseguiram exceder a cota, mas outras não atingiram a meta.

“As soluções de ontem podem não ser suficientes para os problemas de amanhã”, disse o presidente, ordenando que todas as regiões e setores não cessem quando a cota for atingida.

“Devemos trabalhar preventivamente, repito. E devemos estar prontos para adotar novas medidas e aumentar nossa disponibilidade para qualquer cenário”, acrescentou.

Putin destacou ainda que a Rússia conseguiu conter o fluxo de casos diários, “graças aos esforços de milhões de cidadãos que estão ouvindo as autoridades”. Porém, alertou que os cuidados não podem ser reduzidos, já que o país enfrenta agora “o estágio mais difícil da pandemia. Disciplina e organização devem ser observadas em nível nacional durante esses tempos sem precedentes”.

Embora o governo de Moscou pretenda gradualmente retomar as atividades econômicas em meados de maio, o presidente russo enfatizou que isso acontecerá apenas se as pessoas continuarem a cumprir as regras atuais.

LEIA TAMBÉM: 75% dos russos apoiam isolamento e medidas do governo para combater o coronavírus

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies