Post no Twitter sugere que “Putin soltou leões pela Rússia para obrigar pessoas a ficar em casa”

Kremlin Pool/Global Look Press, Alexas_Fotos/Pixabay
Já desmentida, suposta ação foi avaliada como “selvagem, mas 100% eficaz”.

“Vladimir Putin soltou 800 tigres e leões por todo o país para pressionar as pessoas a ficarem em casa. Fiquem seguros, pessoal!”

Esta mensagem, detalhando os métodos do governo russo para conter o surto de coronavírus e obrigaras pessoas a ficar em casa, apareceu no Twitter em 22 de março e desde então foi retuitada mais de 9.000 mil vezes e recebeu quase 15.000 curtidas.

Nos comentários, porém, as pessoas se perguntam: é verdade?

O autor da publicação inicial, o ator e comediante paquistanês Nasir Chinyoti, anexou prints(imagens de captura de tela) de uma reportagem de um canal de notícias que mostrava Putin com aparência feroz e um leão passeando pelas ruas de uma cidade não identificada, supostamente na Rússia (de fato, em Johanesburgo , África do Sul).

Independentemente da autenticidade, para alguns, a medida é a única razão pela qual o surto de coronavírus não seria tão mortal na Rússia quanto em outros países.

“SELVAGEM, mas 100% eficaz”, escreveu um usuário.

“Pelo menos ele está fazendo isso pelo seu povo, porque ele se importa, mas os leões não contraem coronavírus?”, questionou outro.

“A melhor decisão até agora. Muito bem, Putin”, aplaudiu um terceiro.

“Esse é o caminho”, aprovou @babyhippos, no Twitter.

Além deste, surgiram outros rumores relacionados a Putin. Em outra publicação, afirma-se que o presidente russo teria oferecido duas opções aos cidadãos do país – ficar em casa por duas semanas ou ir para a cadeia por cinco anos.

LEIA TAMBÉM: Como a Igreja Ortodoxa Russa está respondendo ao coronavírus?

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies