Se a Rússia tem poucos casos de coronavírus, por que então construir um novo hospital enorme?

Agência Moskva
No último dia 10 de março, o prefeito da capital russa, Serguêi Sobiânin, anunciou que Moscou começaria a construir às pressas um centro de doenças infecciosas para pacientes com coronavírus. Mas, diante do número de casos, a pergunta é por quê?

“Como parte do regime de alerta máximo, decidimos construir uma instalação móvel de um novo hospital de doenças infecciosas”, escreveu o prefeito de Moscou, Serguêi Sobiânin, em seu site em 10 de março. Ainda segundo ele, o hospital seria construído em um curto período de tempo e equipado com os mais modernos equipamentos.

Duas semanas após o início das obras, as fundações de concreto já foram colocadas, e a construção de um centro de tratamento, composto por 12 edifícios, começou, anunciou o vice-prefeito Andrêi Botchkarev. Em breve, será construída uma unidade de terapia intensiva, com 10 edifícios e capacidade para 250 pacientes.

“Atualmente, cerca de 2.000 trabalhadores e 500 equipamentos estão envolvidos na construção do hospital. No pico de trabalho, mais de 5.000 pessoas estarão envolvidas na construção do centro”, disse Botchkarev.

O hospital terá uma área total de cerca de 70.000 metros quadrados e poderá acomodar 500 pacientes, incluindo a unidade de terapia intensiva. O hospital terá mais de 30 edifícios e diversos departamentos, incluindo:

- Unidade de Emergência

- Centro de Tratamento

- Unidade de Terapia Intensiva

- Laboratório

- Centro de Diagnóstico

- Unidade Infantil, Unidade Cirúrgica e Maternidade

O prefeito ressaltou que o hospital está localizado a 250 metros da área residencial mais próxima, a uma distância “150% maior que a zona sanitária necessária”, portanto, o complexo não apresenta qualquer perigo para os moradores locais.

O hospital ficará pronto em um mês, informou a agência de notícias Moskva.

Hospital por precaução

As notícias de que um novo centro de doenças infecciosas estaria sendo construído às pressas fez com que usuários de redes sociais levantassem suspeitas e indagações.

“Por que, se existem apenas 60 infectados a cada 100.000 habitantes [na Rússia]? E não é tarde demais?”, comentou um usuário no Twitter.

“Há uma semana, eles informaram que um hospital totalmente novo havia sido alocado para os doentes. Se eles estão construindo um novo, por quê?”, questionou outro usuário na rede.

“Eis aqui uma ótima ideia: por que não reabrir hospitais fechados? Mas tudo isso é para gastar dinheiro, não construir hospitais”, comentou uma usuária chamada Elena Valies sobre as notícias relacionadas ao novo hospital.

Ao explicar a decisão de construir o novo instituto, o prefeito disse que, “atualmente, Moscou acaba de isolar casos do novo coronavírus, e as instalações hospitalares existentes estão lidando com isso. No entanto, cada novo caso requer a hospitalização não apenas da pessoa doente, mas de várias outras pessoas”.

“Todos que entraram em contato com um portador do vírus e estão mostrando sintomas de uma infecção viral respiratória aguda são levados ao hospital”, explicou.

“Existem muitos outros casos de hospitalização ‘preventiva’, quando um caso suspeito de coronavírus não é confirmado posteriormente. E, é claro, a cidade deve estar pronta para qualquer cenário”, concluiu o prefeito.

Isolamento por dentro

Além do novo complexo, uma unidade de um hospital recém-construído no vilarejo de Kommunarka, nos arredores de Moscou, foi especialmente destinada a receber os casos já confirmados e suspeitos de covid-19.

Segundo o médico-chefe, Denis Protsenko, a instalação atende a todos os requisitos de um hospital de doenças infecciosas, com antessalas em todas as entradas da área de pacientes com covid-19. “Cada vez que um membro da equipe entra, eles usam roupas de proteção e material descartável de desinfecção. Até agora, nenhum membro da equipe foi infectado [pelo novo coronavírus]”, disse Protsenko.

“Todos os pacientes em quarentena têm acesso a internet gratuita e cinco refeições por dia”, relata Katerina Nazarova, uma das pacientes do hospital. Todos os alimentos são entregues em recipientes descartáveis ​​individuais.

Os pacientes são testados para coronavírus no primeiro, terceiro e décimo dia da estadia no hospital. Os pisos são lavados com uma solução de água sanitária uma ou duas vezes ao dia. Não é permitida a entrada de visitantes no hospital.

“Estou sozinha em um quarto com dois leitos. Os corredores são amplos e desertos, como na Umbrella Corporation de Resident Evil”, conta Katerina.

O médico-chefe admite que alguns pacientes tentam fugir do hospital, não por causa de más condições, mas porque têm medo de permanecer em uma ala de isolamento por 14 dias – um requisito padrão para todos os pacientes com suspeita de covid-19.

“Alguns pacientes recebem ajuda psicológica. É preciso entender que o autoisolamento e a quarentena são alguns dos meios mais eficazes. Sou a favor de fechar totalmente a cidade. Acho que isso nos tornaria mais seguros ”, diz Protsenko.

A maioria dos pacientes no hospital também concorda com a posição do médico. Alguns até gravaram um apelo em vídeo para que as pessoas de fora se autoisolem para se protegerem contra o coronavírus.

“Estou em um hospital de doenças infecciosas com suspeita de coronavírus. Sempre me perguntam: ‘Como vai está, como vai?’ Gente, eu estou bem, está tudo bem. Estou isolado em um momento em que há uma pandemia por aí. E você, não”, diz um dos pacientes em vídeo. “Você está andando pelas ruas, se comunicando com pessoas potencialmente infectadas, tocando os mesmos corrimãos, respirando o mesmo ar. Esteja atento e assuma a responsabilidade por você e por seus entes queridos, faça-o agora. Nas condições atuais, a única maneira de superar esse desastre é se isolando.”

LEIA TAMBÉM: Coronavirus: few cases in Russia. So why are authorities building a huge hospital?

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies