Rússia na contramão de uma crise migratória

Yuri Smityuk/TASS
Estatísticas oficiais deixam entrever uma crise demográfica iminente na Rússia, onde imigrantes começaram a deixar o país e taxa de natalidade continua a cair. Mas há controvérsias sobre a manipulação dos dados.

O problema migratório na Rússia é exatamente oposto ao da Europa: o fluxo de imigrantes cai drasticamente.

Além disso, segundo dados oficias do governo russo, em 2018, pela primeira vez em 10 anos, o número de mortes superou o de nascimentos. 

Durante os primeiro nove meses de 2018, o fluxo de migrantes caiu quase pela metade, em comparação ao mesmo período do ano anterior, segundo pesquisa da Academia Presidencial de Economia Nacional e Administração Pública

De acordo com os pesquisadores, o número total de imigrantes a entrarem na Rússia em 2018 foi entre 120 mil e 125 mil pessoas.

No entanto, segundo o Serviço Federal de Estatísticas da Rússia (Rosstat), para contrabalançar as atuais perdas demográficas, esse número deve ser muito maior: o país precisa de pelo menos 500 mil de imigrantes por ano.

Diversos especialistas, porém, afirmam que o problema da queda na imigração está ligado a uma manipulação das estatísticas russas. O Rosstat divide todos os imigrantes em duas categorias principais: os de longo prazo (que pretendem permanecer na Rússia e se registraram para um período superior a 9 meses) e os temporários. Assim, 125 mil pessoas pertencem à primeira categoria, enquanto a segunda é incomparavelmente maior: entre 9 e 10 milhões de pessoas.

Muitos imigrantes são “temporários” apenas nos documentos dos serviços e estatísticas de imigração russa. De acordo com o diretor do Centro de Estudos Etno-Políticos do Instituto de Sociologia de Moscou, Vladímir Mukomel, muitos migrantes “temporários" moram no país já há anos. Eles simplesmente não se candidatam ao status permanente porque o procedimento é muito complicado.

Em vez disso, eles saem da Rússia e retornam ao país regularmente. “Dados de 2018 mostram que o número de estrangeiros que vêm para cá, moram e trabalham aqui há anos, não está caindo”, argumenta o cientista.

Nesse contexto, o fato de que o número de imigrantes de longo prazo está caindo tem pouca importância, pois milhões de pessoas chegam à Rússia todos os anos mas são registradas de uma maneira diferente.

Segundo Mukomel, até 40% dos imigrantes “temporários” permanecem na Rússia por um prazo de mais de um ano.

Segundo outra pesquisadora, Janna Zainthkôvskaia, da Escola Superior de Economia da Rússia, “há 4 milhões de pessoas que são formalmente consideradas imigrantes internacionais, mas, na verdade, são residentes permanentes com direitos limitados”.

Segundo ela, também há até dois milhões de imigrantes ilegais, os quais também não figuram nas contas do Rosstat.

LEIA TAMBÉM: Novas regras para estrangeiros que trabalham na Rússia

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies