Como os russos mudaram minha vida: Anton, da Croácia

Arquivo pessoal
Graças a eles, comecei a apreciar a mentalidade dos meus compatriotas.

Nasci na pequena cidade de Vinkovci, no leste da Croácia, antes parte da antiga Iugoslávia. Embora a Iugoslávia fosse basicamente um país comunista, era fortemente influenciada pela cultura pop, filmes e música dos Estados Unidos e da Europa Ocidental. A Rússia, por outro lado, era percebida naquela época como um tipo de país grande e misterioso que também tinha um regime comunista. No entanto, nos anos 1990, as notícias sobre a Rússia eram raras, e a Croácia estava envolvida em sua própria guerra, o que basicamente significava que a Rússia tinha zero ou nenhuma influência em minha vida ou na vida de meus conhecidos. Cultura pop, filmes e música russa não faziam parte de nossas vidas. A literatura, porém, era uma exceção. Os livros russos estiveram presentes durante nossos anos de escola e ainda hoje.

Então, o que mudou? O que me aproximou da Rússia e quando isso aconteceu? Essa é, provavelmente, a principal questão por trás desse artigo. Em retrospecto, não posso dizer realmente qual foi o ponto de inflexão, em que momento exato tudo mudou.

Muitas pessoas dirão que foi Dostoiévski, Tolstói, Iessênin, Tarkóvski ou alguma outra figura famosa da rica herança cultural da Rússia que os atraiu para o país e/ou a língua russa. Infelizmente (ou surpreendentemente), eu não sou uma dessas pessoas. Não estou tentando ser diferente, apenas tentando explicar a mim mesmo e aos outros leitores como tudo aconteceu. Eu poderia dizer que um interruptor ligou na minha cabeça, e eu quis começar a aprender a língua russa. Veio a mim de uma maneira reveladora: eu amo a Rússia, sua cultura, história, pessoas, idioma – tudo. Ou, para tornar as coisas mais divertidas, posso dizer que é porque meu nome é Anton, e, pelo velho provérbio latino, “nomen est omen”. Preciso acrescentar mais alguma coisa?

Comecei a “ler” jornais russos, me cadastrei no Vkontakte (análogo russo do Facebook) e comecei a procurar pessoas russas que pudessem me ajudar no meu caminho não tão fácil de aprender russo sozinho (mas com a ajuda de meus amigos de língua russa, é claro). Também comecei a me aprofundar em diferentes aspectos da mentalidade russa e me esforçava diariamente para entender tudo relacionado ao país. Pode-se dizer que comecei a desvendar fragmentos da misteriosa alma russa.

A primeira vez que visitei a Rússia, ou Moscou, para ser mais preciso, foi em 2015. Era a maior cidade que já tinha visitado, e isso deixou uma boa impressão em mim. A segunda cidade que visitei na minha viagem à Rússia foi, como se pode imaginar, São Petersburgo. Quando se trata do modo de vida e da natureza das pessoas, podemos dizer que a Rússia e a Croácia compartilham o mesmo espírito, mas a Rússia, no entanto, era algo bem diferente. É muito difícil explicar se você não visitou esse grande país. Eu fiquei lá apenas 10 dias – 10 dias realmente memoráveis.

Uma das primeiras coisas que se percebe é a etiqueta. Os russos são notavelmente educados com pessoas idosas, mulheres grávidas, mulheres com filhos pequenos. Todos ajudarão esses grupos de pessoas. Meio que um contraste com o paradigma de “não sorrir para ninguém” que os estrangeiros percebem. Além disso, os russos gostam de ler. Na verdade, eles amam ler. É comum ver pessoas lendo livros nos transportes públicos, algo que não se vê muito em outros países.

No início de 2016, me deparei com um anúncio de oportunidades de carreira no Russia Beyond. Não muito confiante em relação às minhas chances, simplesmente enviei um e-mail com meu currículo e esqueci dele. Cerca de um mês depois, fiquei bem surpreso quando recebi uma resposta – e não apenas uma resposta, mas uma resposta positiva! Eu realmente não podia acreditar. Até hoje não posso acreditar. Eu finalmente tive a chance de trabalhar todos os dias com o povo russo. Um pequeno (para dizer o mínimo) passo para a humanidade, mas um grande passo para mim.

Curiosamente, quando se menciona a Rússia, as pessoas imediatamente imaginam o inverno e o frio. Eu, por outro lado, tenho uma imagem muito diferente na minha cabeça: um dia quente e ensolarado. Engraçado, né? Bem, também nunca estive na Rússia durante o inverno pesado. Mas quem já visitou o sul da Rússia durante o verão, saberá do que estou falando (basta conferir Ástrakhan, por exemplo).

Mas o título desse artigo é “Como os russos mudaram minha vida”, e eu não me concentrei muito nisso, não é mesmo? Graças aos russos, aprendi a apreciar a mentalidade do povo croata. Como e por quê? Por causa das semelhanças e do fato de que conheci alguns estrangeiros em minhas viagens por aí, e todos tentaram me explicar o quão surpresos eles estavam por quão honestos e abertos os russos são.

Os russos são a razão pela qual tenho uma perspectiva diferente quando se trata de trabalho. Enquanto a jornada de trabalho na Croácia é geralmente das 7hs às 15hs, na Rússia, é de 24 horas por dia. Os russos abriram um novo mundo para mim, um que eu não conhecia até o momento que tive aquele fatídico “clique”.

Não é fácil escrever tudo isso e descrever. Provavelmente, tem algo a ver com a misteriosa alma russa, que não é fácil de entender, mas é simples de se apaixonar em um piscar de olhos. Assim como aconteceu comigo.

Todo mundo que já teve uma experiência como a de Anton na Rússia também passou por outra coisa: ser o único gringo em uma festa típica no país. Se este for o seu caso ou se tiver um convite em aberto, saiba como lidar nessa situação.  

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Então assine nossa newsletter semanal ou diária.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies