Fotos revelam resquícios do ‘Chernobyl russo’, o pior desastre nuclear no país; veja

Milhares de pessoas foram evacuadas, aparentemente sem razão, após explosão na usina nuclear soviética de Mayak. Área ainda continua intensamente contaminada.

O maior desastre nuclear no território da Rússia moderna aconteceu em 29 de setembro de 1957. Na ocasião, os moradores locais foram evacuados, e muitos assentamentos tornaram-se apenas pontos em mapas antigos. 

Uma falha no sistema de refrigeração em um tanque contendo resíduos radioativos líquidos ocorreu no local de produção de armas nucleares e fábrica de reprocessamento de combustível nuclear na União Soviética em uma cidade fechada chamada Tcheliabinsk-40, a 1.800 km a leste de Moscou.

A Agência Internacional de Energia Atômica classifica o desastre de Kyshtym (em referência à cidade vizinha) como o terceiro mais significativo do mundo, logo atrás de Chernobyl e Fukushima.

Hoje, o local é um terreno abandonado, cujos edifícios estão aos poucos desmoronando.

Embora ninguém tenha morrido diretamente em decorrência da explosão, uma nuvem radioativa se espalhou e contaminou áreas a milhares de quilômetros do epicentro. Mais de 8.000 pessoas que vivem nas proximidades da explosão foram evacuadas, mas o moradores do assentamento de Muslyumovo permaneceram.

Pessoas de outras aldeias abandonaram suas casas e pertences. Seus itens pessoais deixados para trás foram enterrados em grandes poços.

Os locais, porém, foram evacuados pelo governo soviético sem qualquer explicação – assim como aqueles que se recusaram a sair.

O rio que atravessava Muslyumovo era usado como área de despejo de resíduos radioativos, tanto antes como depois da explosão. Ninguém informou aos moradores locais que o rio apresentava índices alarmantes de contaminação.

Foi apenas em 2009 que os residentes de Muslyumovo receberam novas moradias. Três famílias se recusaram e permanecem na área contaminada até hoje.

Clique aqui para ver fotos do dia a dia em Pripyat antes do acidente da usina nuclear de Chernobyl, em 1986.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail?
Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies