Moscou após o Apocalipse

Designer imagina como capital russa ficaria no pior dos casos.

O talentoso designer moscovita Vladímir Manjukhin é bastante conhecido entre os artistas gráficos russos pelo apelido mvn78.

A maioria de seus trabalhos consiste em fotografias que ele mistura de forma bastante incomum e surpreendente.

Para estas fotos de uma Moscou imaginária pós-apocalipse, Vladímir usa uma combinação de imagens turísticas da capital russa e fotografias de prédios semidestruídos tiradas em outros lugares.

Vladímir Manjukhin tem muitas outras fotos em seu portfólio, retratando o Egito antigo, paisagens futurísticas etc. Mas esta série de obras de computação gráfica é a mais popular.

O projeto se baseou no conjunto de crenças apocalípticas segundo a qual acontecimentos cataclísmicos ou transformadores ocorreriam em 21 de dezembro de 2012.

A data representava o dia final de um ciclo de 5125 anos calendário maia.

Segundo a interpretação da Nova Era, essa teria sido seria data marcando o início do tempo em que a Terra e seus habitantes poderiam sofrer uma transformação positiva física ou espiritual.

Outros sugeriam que a data marcava o fim do mundo ou uma catástrofe similar.

A visão apocalíptica do ano de 2012 descrevia o fim do mundo ou da civilização humana em tal data. A profecia foi disseminada em muitos sites russos.

O fenômeno foi se espalhando desde que chegou ao conhecimento público, especialmente pela internet. Centenas de milhares de sites sobre o assunto foram criados na Rússia.

O fim do mundo foi discutido em muitos veículos de comunicação. Diversos documentários na televisão russa, assim como várias ficções contemporâneas se referiam à data como dia do acontecimento cataclísmico.

O universo da arte também abordou a questão. Temas apocalípticos e pós-apocalípticos foram muito populares entre escritores e artistas bem antes de 2012.

Gosta de arte? Então confira galeria sobre a escultora que transforma imagem de Lênin em pop-art.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies