Rússia proíbe importação de tabaco brasileiro

Reuters
Produtos do Brasil, Índia, África do Sul, Tanzânia e Malawi podem conter mosca Megaselia scalaris, que é considerada uma praga quarentenária na Rússia.

A partir da próxima segunda-feira (19), a Rússia proibirá a importação de tabaco e seus derivados oriundos do Brasil, Índia, África do Sul, Tanzânia e Malawi. O anúncio foi feito pelo serviço russo de vigilância veterinária e fitossanitária, Rosselkhoznadzor.

A medida se deve às condições fitossanitárias do tabaco proveniente desses países.

“Em 2021, durante a realização das atividades do controle fitossanitário do tabaco exportado para a Rússia, foi detectada em 28 casos a mosca Megaselia scalaris, que é considerada uma praga quarentenária na Rússia e nos países-membros da União Econômica Eurasiática (UEE)”, lê-se no comunicado emitido pela agência reguladora russa.

Em 2020, o Rosselkhoznadzor já havia informado às Organizações Nacionais de Proteção de Fitossanitária (ONPFs) do Brasil, Índia, África do Sul, Tanzânia, EUA, Malawi, Bélgica sobre 33 casos em que essa praga fora detectada, bem como a necessidade de tomar medidas para evitar a importação de produtos contaminados para a Rússia.

De acordo com o Rosselkhoznadzor, como a Rússia não recebeu nenhuma resposta das autoridades brasileiras, o país se vê obrigado a proibir a importação de todo o tabaco e seus derivados do Brasil.

Megaselia scalaris

A mosca Megaselia scalaris é uma praga das zonas tropical e subtropical que pode se adaptar a quase todas as regiões do mundo. Possui alta fertilidade e é capaz de se reproduzir continuamente ao longo do ano.

Em condições antropogênicas, durante armazenamentos de longo prazo, a mosca pode infectar diversos produtos alimentícios, como farinha, soja, batata, banana, melão, queijo, peixe seco, cogumelos e vegetais. A espécie também pode ser encontrada em produtos não alimentares, como graxa de sapatos, e causar miíase em animais domésticos e humanos. 

O inseto é portador da cólera e pode também se propagar por meio de transferências de produtos contaminados a bordo de aeronaves e navios e em bagagem de mão.

LEIA TAMBÉM: Rosatom assina contrato de cinco anos para fornecimento de isótopos médicos ao Brasil

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies