4 curiosidades sobre o cantor mais famoso da Rússia

União dos Fotógrafos da Rússia/russiainphoto.ru
Fiódor Chaliapin foi a primeira figura a receber o título de ‘Artista do Povo Soviético’, além de ganhar uma estrela na Calçada da Fama de Hollywood.

1. Um camponês no melhor teatro do império

“Estou na cama lendo e relembrando o passado: teatros, cidades, dificuldades e sucessos. Quantos papeis eu fiz! E não parece que não foi tão mal. É muito para um camponês... ”, escreveu Chaliapin em uma cartas pouco antes de morrer, em 1938.

Chaliapin vinha de uma família simples e isso fazia muita diferença muito na Rússia Imperial. Mas, apesar de sua falta de “pedigree”, ele ganhou enorme popularidade e sua distinta voz único ressoou nas melhores casas de ópera da Rússia.

O tsar o distinguiu como Cantor Solo de Sua Majestade. Após a Revolução de 1917, ele se tornou diretor de arte do Teatro Marínski, em Petrogrado (hoje São Petersburgo), um dos mais renomados do país.

A voz dele também foi muito elogiada no Ocidente, e ele fez uma estreia sensacional no La Scala, em Milão, em 1901. Dizem que a apresentação de Chaliapin foi uma das principais atrações das primeiras Temporadas Russas organizadas por Serguêi Diaghilev em Paris quando a Europa descobriu a arte do país.

Enorme em estatura e barulhento, Chaliapin também foi considerado símbolo da Rússia por muitos estrangeiros.

A chave para o sucesso de Chaliapin foi o fato de ele não ser só um ótimo cantor, mas também um ótimo ator. Ele impressionava o público com seu temperamento artístico, fazendo seus melhores papeis trágicos, como Mefisto, Dom Quixote e Borís Godunov.

2. Do desespero à fama

Chaliapin começou a cantar em um coral da igreja aos nove anos de idade e ficou fascinado por ópera aos 12, quando assistiu e ouviu pela primeira vez o estilo em um teatro provinciano russo. Mais tarde, ele se tornou artista em uma companhia mambembe, muitas vezes em turnê. Mas ele estava frequentemente sem dinheiro, desesperado e pensando em se suicidar.

Seu trampolim para o sucesso foi um convite para a Ópera Particular Russa, do filantropo Savva Mamontov. A partir do final da década de 1890, ele virou uma estrela e sua fama só crescia. Mas ele nunca se esqueceu dos dias difíceis e, mais tarde, relembrou que a mãe morreu de fome.

3. Desprezado pela intelligentsia liberal

Chaliapin em Boris Godunov.

Quando ganhou fama, ele passou a curtir um estilo de vida hedonista. Ele também tinha reputação de ser próximo de pessoas simples, e costumava cantar não só ópera, mas também canções folclóricas, como “Vdol Piterskoi” ou “Dubinushka”.

Um de seus amigos mais próximos era Maksím Górki, o famoso escritor que simpatizava com radicais de esquerda e seu caráter em servir as massas trabalhadoras. Chaliapin também apoiava a ideia de revolução, sentimento que era bastante difundido na época. No entanto, ele caiu em desgraça com grande parte da sociedade russa erudita.

LEIA TAMBÉM: Teremim, o instrumento que se toca sem tocar

Em 1911, durante uma apresentação no Teatro Marínski, enquanto o tsar Nikolai 2° assistia, o público pediu ao cantor que cantasse o hino nacional. Chaliapin obedeceu e apoiou-se sobre um dos joelhos. Foi neste dia que ele recebeu um título do tsar.

O escândalo que se seguiu foi enorme. Muitas celebridades russas o insultaram. Para muitos russos, o tsar era uma figura reacionária, e Chaliapin precisou de anos para restaurar sua reputação.

4. A difícil escolha de deixar a Rússia

Já acostumado ao luxo, Chaliapin teve problemas para sobreviver à Revolução de 1917 e à Guerra Civil com as dificuldades que vieram. Às vezes, ele era pago por cantar com um saco de batatas. Ele também se preocupava com os muitos filhos – no total, 11 crianças.

A atitude das novas autoridades socialistas era ambivalente. Por um lado, eles fizeram de Chaliapin o primeiro Artista do Povo da República Soviética, mas, por outro, consideravam-no como "elemento burguês".

A propriedade dele foi confiscada e sua residência revistada. Assim, ele começou a pensar em emigrar e admitiu mais tarde que a decisão foi difícil. “Parecia-me, na época, que, antes de tudo, isto seria errado: 'Você queria a Revolução, usava uma fita vermelha e comia o mingau revolucionário, eu disse a mim mesmo. Mas, quando o mingau acabou, você decidiu ir embora. Isto é ruim”.

Em 1921, Chaliapin conseguiu permissão para deixar a Rússia e foi para os EUA, mas acabou se estabelecendo na França. Mas isto não significava que ele não queria voltar jamais para a Rússia.

Um incidente, porém, tornou seu retorno impossível. Em 1927, o cantor decidiu ajudar os filhos de imigrantes russos na França, que faziam parte principalmente dos movimentos brancos e, assim, eram oponentes políticos dos bolcheviques.

A imprensa soviética e parte d a intelligentsia vermelha descreveram isto como um apoio aberto de Chaliapin aos inimigos da Rússia Soviética. Ele foi despojado do título de Artista do Povo e privado da cidadania soviética. Diz-se que quando o embaixador soviético informou Chaliapin sobre a decisão, o cantor chorou.

Mesmo assim, Chaliapin gozou de muita popularidade até a morte. A partir de 1921, ele passou a cantar no “Metropolitan Opera” por oito temporadas, fazendo muito sucesso e sendo aclamado pela crítica.

Ele flertou novamente com o cinema (depois de já ter participado do filme russo "Ivan, o Terrível"), e apareceu no "Dom Quixote", de Hollywood. Seu título soviético foi devolvido somente em 1991, e em 1994 suas cinzas foram levadas de volta à Rússia.

Funeral de Chaliapin.

LEIA TAMBÉM: Skomorokhs, os primeiros músicos a serem banidos da Rússia

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies