Personagens de ‘Chernobyl’ são fiéis à realidade? Veja como eram pessoas retratadas na série

Muitos espectadores russos ficaram surpresos com o quão parecidos os atores da série da HBO são com as pessoas reais da tragédia de 1986. Mas, em alguns casos, a semelhança parou nas características físicas.

A série da HBO “Chernobyl” tem sido recebida com grande interesse na Rússia – bem como em outros países pós-soviéticos – e gerou inclusive reações intensas. As pessoas assistiram a cada episódio com cuidado e depois correram para as redes sociais para discutir o valor artístico e a autenticidade do retrato da vida soviética. Mas com uma coisa todos concordam: o elenco foi bem escolhido.

LEIA TAMBÉM: Não tinha negro em Chernobyl? Roteirista questiona série da HBO, e site ucraniano responde 

(ATENÇÃO: ALERTA DE SPOILER!)

Valery Legasov – Jared Harris

Cientista químico e primeiro vice-diretor do Instituto de Energia Atômica Kurchatov. Logo após o acidente, Legasov foi chamado para Tchernóbil (apesar de a série ser intitulada “Chernobyl”, sua grafia transliterada em português, mais próxima da pronúncia correta, é esta). para liquidar as consequências da explosão. Foi ele quem decidiu despejar uma mistura de boro e areia no reator em chamas. Ele tirou a própria vida dois anos após a tragédia, deixando fitas de áudio com detalhes previamente desconhecidos sobre a investigação e a liquidação. Leia mais sobre Legasov aqui.

Lyudmila Ignatenko – Jessie Buckley

Esposa de um bombeiro convocado para extinguir o fogo. Ela estava grávida, mas mesmo assim foi para o hospital de Moscou para onde ele foi transferido e passou os últimos dias do marido ao seu lado. Como Lyudmila não sabia que a exposição era perigosa, seu bebê morreu logo após o nascimento. Ignatenko ainda vive em Kiev, na atual Ucrânia, e acabou tendo outra criança saudável mais tarde.

Curiosamente, a atriz Jessie Buckley também interpretou recentemente a aristocrata russa Maria Bolkonskaia na adaptação de “Guerra e Paz” da BBC.

Vasily Ignatenko – Adam Nagaitis

O marido de Lyudmila tirou um dia de folga em 26 de abril de 1986 – eles planejavam fazer um piquenique no campo. No entanto, durante aquela noite fatídica, ele foi chamado para apagar o fogo em Tchernóbil e nunca mais voltou para casa. Lyudmila segurou os sapatos do marido no funeral, porque não era possível colocá-los em seus pés de tão inchados que estavam.

Boris Shcherbina – Stellan Skarsgård

Quando a tragédia de Tchernóbil ocorreu, Shcherbina era vice-presidente do governo soviético e foi enviado para organizar a liquidação do acidente. Ele administrou a evacuação de pessoas da cidade de Pripyat e muitas outras coisas, desde o combate a incêndios até a descontaminação da área.

Durante a Segunda Guerra Mundial, Shcherbina gerenciou suprimentos ferroviários para o Exército, mas logo depois recebeu um grande impulso na carreira: foi nomeado gerente do Partido Comunista na Sibéria, supervisionando a construção da barragem de Irkutsk e Bratsk e a edificação de cidades inteiras na região, entre outras tarefas.

Depois de Tchernóbil, também liderou a liquidação das consequências do terremoto que atingiu a Armênia em 1988. Shcherbina faleceu em 1990. 

Anatoly Dyatlov – Paul Ritter

De acordo com a investigação oficial e a decisão do tribunal, o vice-engenheiro-chefe da usina de Tchernóbil, Anatoly Dyatlov, foi um dos culpados da tragédia, que teria acontecido devido a testes conduzidos por ele sem a segurança necessária.

Dyatlov foi condenado a 10 anos de prisão, mas, por ter síndrome aguda de radiação e após várias cartas escritas por protetores de direitos humanos, incluindo do acadêmico Andrêi Sakharov, ele foi libertado em menos tempo. Dyatlov morreu em 1995.

Viktor Bryukhanov – Con O'Neill

As pessoas que testemunharam o acidente em primeira mão criticaram a série por mostrar Bryukhanov de forma unilateral – para ser mais claro, como um babaca. O verdadeiro Bryukhanov não captou a proporção da tragédia. Era o primeiro desastre nuclear da história soviética, e ninguém sabia como agir. Bryukhanov estava claramente com medo de relatar as verdadeiras circunstâncias da catástrofe aos chefes do Partido – ele poderia ter perdido imediatamente o emprego.

Junto com Dyatlov, foi condenado a 10 anos de prisão. Atualmente vive em Kiev.

Nikolai Fomin – Adrian Rawlins 

De acordo com um de seus subordinados, o engenheiro-chefe Fomin não era um “ladrão” (embora tenha sido retratado assim na série). Também foi condenado a 10 anos de prisão, como Dyatlov e Bryukhanov. Durante a investigação, foi levado a um centro de detenção pré-julgamento, onde, segundo a mídia, tentou cometer suicídio.

Fomin ainda está vivo, mas não aparece em público. Uma de suas citações foi amplamente explorada pela imprensa; “Eu me culpo por uma coisa apenas: costumava pensar que as máquinas são a parte mais importante do trabalho na fábrica. Mas parece que as pessoas que são as mais importantes. Eu subestimei o valor delas”.

Leonid Toptunov – Robert Emms

Esse engenheiro sênior de controle de reatores estava na sala do painel de controle quando a primeira explosão abalou o edifício. Foi ele quem tentou se opor a Dyatlov prosseguir com o teste, porque o reator não estava pronto. Enquanto tentava reiniciar o fluxo de água para o reator, Toptunov foi exposto a uma dose letal de radiação e morreu semanas após o acidente em um hospital em Moscou.

Mikhail Gorbatchov – David Dencik

O retrato de Gorbatchov no programa foi um dos pontos mais criticados na imprensa  russa – classificado como unilateral e grotesco. Para alguns comentaristas, na série da HBO, ele se parece mais com Stálin – uma comparação distante da realidade (a tragédia aconteceu às vésperas da glasnost e perestroika, iniciadas por Gorbatchov).

Gorbatchov foi o primeiro a admitir que o desastre de Tchernóbil era uma das razões do colapso da URSS. Ele disse à imprensa que iria assistir a série e então revelar sua opinião sobre a obra – mas, até então, ele não se pronunciou.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies