Arranha-céu de Stálin ganha novo topo, mas cor destoa

Embora mais durável, o novo topo tem cor diferente do prédio principal

Embora mais durável, o novo topo tem cor diferente do prédio principal

Mikhail Japaridze/TASS
O novo pináculo sobre o edifício do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo, uma das famosas “Sete Irmãs” de Moscou, foi exposto ao público nesta semana. A história do modelo original remonta a 1951, quando Iossef Stálin ordenou a construção de uma torre no topo do prédio cujo resultado lhe parecia “muito americano para o seu gosto”. Embora frágil, a estrutura resistiu ao tempo até 2017, quando foi, enfim, substituída por uma mais moderna.

O topo do prédio que é sede da política externa da Rússia estava em reforma há quase um ano. Nesse período, o velho pináculo foi completamente desmantelado, e a parte superior do edifício ficou coberta de andaimes.

O projeto do edifício foi originalmente aprovado sem a inclusão de um campanário. A estrutura só foi acrescentada depois à sede do Ministério dos Negócios Estrangeiros. Reza a lenda que Stálin não ficou satisfeito com o projeto aprovado por ele mesmo, pois achava que o edifício se parecia com um arranha-céu americano.

Para tornar o edifício mais diferente, os arquitetos da época foram obrigados a criar um pináculo de material leve e frágil, porque o projeto original não permitia a instalação de uma cúpula pesada. Mas, com o tempo, a estrutura enfraqueceu demais, tornando sua substituição inadiável.

O antigo pináculo foi desmantelado e dividido em pequenos pedaços, que foram então entregues a jornalistas do departamento de imprensa do ministério.

O novo topo, mais resistente, foi recentemente revelado. No entanto, a estrutura parece destoar do resto do prédio, pois sua cor difere da do edifício principal. Os arquitetos alegam que dentro de um ano a diferença será imperceptível.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Leia mais